I am not

I am not
quotation

terça-feira, 19 de maio de 2009

O TIRO CITA, OU TEORIA PRECÁRIA DO FINGIMENTO


UM DOS ESPAÇOS DE ALGUMA "LIBERDADE" POSSÍVEL, HOJE, NA SOCIEDADE DO CONSTRANGIMENTO INTERIORIZADO, DAS CONSCIÊNCIAS/CORPOS DOCILIZADOS, TALVEZ CONSISTA EM CRIAR (FORÇADAMENTE, EM ESFORÇO) UM "TEMPO DE SUBJECTIVAÇÃO" COMO SE ESSES CONSTRANGIMENTOS NÃO EXISTISSEM, OU SEJA, CONSTANTEMENTE AFASTAR PARA UM EXTERIOR IMAGINÁRIO AS AVES PREDADORAS QUE SE APROXIMAM DE NÓS PARA, NA AVIDEZ INCANSÁVEL DO SEU VAZIO, NOS ROUBAREM O TEMPO, A DISPONIBILIDADE, E NOS COLONIZAREM ANTECIPADAMENTE MARCANDO-NOS A AGENDA. DE CERTO MODO, É IGNORÁ-LOS, TENDO-OS EM LINHA DE CONTA, NUM OLHAR DE TRAVÉS.
UMA FORMA DE PODER, NÃO DEMASIADO GLORIOSA, MAS TALVEZ POSSÍVEL.
CREIO QUE ERAM OS CITAS QUE TINHAM A HABILIDADE DE UM TIRO MORTAL. RECUANDO A CAVALO PERANTE A INCURSÃO DOS ANTAGONISTAS, DEIXAVAM-NOS APROXIMAREM-SE CONFIANTEMENTE PARA, VIRANDO-SE SUBITAMENTE EM 180 GRAUS, LHES DESFECHAREM A SETA FATAL. FANTÁSTICA (SIMPLES, ARRISCADA) ESTRATÉGIA, NA VERDADE.
É ISSO QUE DEVEMOS SEMPRE TENTAR FAZER, MESMO NAS CONDIÇÕES DE MAIOR CONSTRANGIMENTO, À ARBITRÁRIA ORDEM QUE NOS QUER PUXAR PARA O SEU SEIO MADRASTO. E NUM GOLPE DE RINS, TENTAR ATÉ ONDE POSSÍVEL FAZER-LHE UM CONTRAPONTO, DESFECHAR-LHE O TIRO NO SEU OLHO MONSTRUOSO.
CLARO, EU SEI, ESSA REBELDIA É UMA EXCLUSÃO INCLUSIVA, ISTO É, É PORQUE HÁ UMA ORDEM (QUE É SEMPRE INFUNDADA, ANÁRQUICA, SEM ARCHÈ) QUE EU TENHO A POSSIBILIDADE DA IMAGINAÇÃO DE LHE DAR O TIRO, ELA CONTÉM-ME NA MINHA REBELDIA.

MAS SEMPRE
HÁ O GOSTO DE, POR SEGUNDOS, CONTRARIAR UMA ARBITRARIEDADE NA OUTRA, ESTAR A CAVALO, TER O GOSTO IMENSO DE RETESAR O ARCO, DE APLICAR À REALIDADE ATABAFANTE UM SIGNO DA SUA PRECARIDADE, DE DOBRAR O DRAGÃO JUNTO AOS NOSSOS PÉS EXPOSTOS. SEM A IMAGINAÇÃO DESSA POSSIBILIDADE, SOMOS TODOS HOMO SACER, COMO DIRIA AGAMBEN.




1 comentário:

Marco disse...

Olá Vitor, vim aqui através da pesquisa no blogger sobre filosofia. Vim conhecer e digo que gostei de suas páginas; retornarei.

abraços literários
Marco