domingo, 7 de junho de 2009

Hino a Nêmesis (Gregorio Paniagua e Atrium Musicae)



Gregorio Paniagua tem uma obra interessante no campo da música antiga. O seu trabalho sobre a música medieval na Península Ibérica, para além das inevitáveis Cantigas de Santa Maria, contém também um excelente trabalho sobre a música do Al-Andaluz (postarei mais tarde, um do agrupamento Calamus).
Por agora, com respeito pelo luto da morte do Lucindo, mas não deixando de querer evocar este dia de eleições para o Parlamento Europeu, deixo este vídeo com uma peça contida no disco "
Musica della Grecia Antica", mais concretamente o "Hino a Nêmesis".
Este trabalho encontra-se editado por várias etiquetas diferentes conforme o país, estando dísponivel também no catálogo da Harmonia Mundi.
O agrupamento dirigido por Paniagua é o Atrium Musicae Madrid.
Nêmesis era a deusa da justiça retributiva. Por essa razão parece-me importante evocá-la hoje (dia de eleições para o Parlamento). Essa justiça resulta como compensação, sendo por isso benovolente ou não, na devida medida. É esse o carácter que evoca este hino.
É certo que o termo nêmesis é hoje aplicado mais num sentido da oposição, a imagem inversa, o "inimigo", ou o inverso retribuído. Esse último elemento é interessante, ou seja, como muitas vezes recebemos a nossa mensagem numa forma invertida, e como estas establecem um par (e que se pode ainda cruzar com a imagem da fita de Moebius).
Deixo ainda o "Hino a Nêmesis" de Mesomedes (que tirei daqui):

Νέμεσι πτερόεσσα βίου ροπά,
κυανώπι θεά, θύγατερ Δίκας,
α κούφα φρυάγματα θνατών
επέχεις αδάμαντι χαλινώι,
έχθουσα δ' ύβριν ολοάν βροτών
μέλανα φθόνον εκτός ελαύνεις.
υπό σον τροχόν άστατον αστιβή
χαροπά μερόπων στρέφεται τύχα,
λήθουσα δε παρ πόδα βαίνεις,
γαυρούμενον αυχένα κλίνεις.
υπό πήχυν αεί βίοτον μετρείς,
νεύεις δ' υπό κόλπον όφρυν αεί
ζυγόν μετά χείρα κρατούσα.
ίλαθι μάκαιρα δικασπόλε
Νέμεσι πτερόεσσα βίου ροπά.

Νέμεσιν θεόν άδομεν αφθίταν,
Νίκην τανυσίπτερον ομβρίμαν
νημερτέα και πάρεδρον Δίκας,
α ταν μεγαλανορίαν βροτών
νεμεσώσα φέρεις κατά Tαρτάρου.

Em inglês:

Nemesis, winged balancer of life,
dark-faced goddess, daughter of Justice,
who, with your unbending bridle,
dominate the vain arrogance of men and,
loathing man's fatal vanity, obliterate black envy;
beneath your wheel unstable and leaving no imprint,
the fate of men is tossed; you who come unnoticed,
in an instant, to subdue the insolent head.
You measure life with your hand,
and with frowning brows, hold the yoke.

We glorify you, Nemesis, immortal goddess,
Victory of the unfurled wings, powerful, infallible,
who shares the altar of justice and, furious at human pride,
casts man into the abyss of Tartaru



1 comentário:

SjsVls disse...

" Language shows clearly that memory is not an instrument for exploring the past but its theatre. It is the medium of past experience, as the ground is the medium in which dead cities lie interred. (...)"


Walter Benjamin