I am not

I am not
quotation

quarta-feira, 10 de junho de 2009

é muito



Colocas-te ao fundo do jardim
Entre os restos da vida toda aqui
Acumulada:

E dizes, e repetes: "Então,
Então ?! "
E eu não sei o que queres de mim.

As minhas mãos afagaram o amigo morto,
O que estava prestes a morrer, e viram
Os seus olhos muito atentos, demasiado vivos,
Julgando que eu o vinha salvar.

E a minha despedida, o adeus
Que o amigo não pôde entender,

A fotografia que tirei da cena toda,
Aquele olhar esticado para a lente,
Toda a sua confiança na decisão final

Ecoou apenas dentro do meu silêncio.

Foi muita dor, passou-se aqui já demais,
Para vires tu agora, com os animais
Morar para o fundo do jardim, entre detritos,

Entre perguntas, interpelações: 
"Então, então ?!"

Quem teve o seu amigo vivo 
E se despediu dele
Como já morto, 
Como se o tivesse assassinado,

Não pode mais voltar a casa assim,

Nem ter o sossego dos viventes,
Nem os programas decididos
Dos apressados transeuntes.

São muitas palavras já usadas, muito vestir
E despir de roupa, muitos dias que começaram
E acabaram, de forma que parece sempre seguida:

E pelo meio esse olhar da morte ainda tão viva!

E agora, ainda por cima,
Tu no fundo do jardim à espera,
Repetindo a interpelação, a corriqueira interpelação,

Ao que tem a cabeça do amigo ensanguentado
Nos braços, 
E o tenta convencer a todo o custo

Que tudo já passou, que pode fechar os olhos, 
Que nem vai chegar a perceber 
A minha despedida.

É muita dor acumulada
Ao fundo da casa, 
Há um limite a partir do qual
Disparam as plumas na cabeça:

E uma pessoa passa a viver entre fantasmas
Emparedado em interpelações irresolúveis.

___________________________________
Foto: Alexander Bergström (rep. aut.)
Site: http://www.alexanderbergstrom.com/

Texto: voj porto junho 2009 

à memória do lucindo, um dos meus melhores amigos

Sem comentários: