I am not

I am not
quotation

domingo, 27 de setembro de 2009

Vitória do Partido Socialista nas Eleições Legislativas






Tal como tinha previsto (ver postagem de há dias, e outros comentários), o Partido Socialista, a confirmarem-se os dados que já existem, ganhou as eleições, colocando José Sócrates à frente de uma segunda legislatura e, como disse um comentador de forma pertinente, na posição mais confortável que se pode ter a seguir a uma maioria absoluta.
O PSD acusa uma situação clara de enfraquecimento, como também previsto.
O que importa é que o clima político do país se desanuvie, que se dissipem certas questões, e que a campanha para as autárquicas, que são já no dia 11 de Outubro, decorra de uma maneira útil para o centramento de cada força na apresentação de soluções para a resolução dos problemas locais do país. Europeias, legislativas e autárquicas são, como é evidente, eleições muito diferentes umas das outras.
É confortável, para uma pessoa de esquerda, verificar que a maioria do povo português é na esquerda (apesar das suas múltiplas e diferenciadas facetas) que continua a confiar.

6 comentários:

joao disse...

pena é que, apesar de a maioria do povo português ser de esquerda (e, como tal, socialista), o PS o não seja e continue a optar por políticas de direita e de favorecimento do capital, contra o povo e os trabalhadores.

Tété disse...

E continuamos a confiar na esperança de que no futuro possamos contar com uma melhoria do estilo global da vida portuguesa. Na fé de que possamos alcançar o essencial, o necesssário para Portugal - oportunidades aos mais novos (sem as "cunhas" do costume), premiando valores académicos e idoneidade moral e profissional, justiça na Justiça, Segurança e também Qualidade, sobretudo na vida das crianças e idosos.
Não gostava de continuar a ouvir dizer que tudo isto é utopia, principalmente porque tenho fé que o meu filho conseguirá ainda alcançar o lugar que merece, face ao seu esforço e dedicação à investigação. E mais ainda, que o meu neto possa vir a confirmar o benefício de todas estas melhorias.
Já não falo por mim, que à beira dos 60 o que acharia justo, ao fim de 43 anos de trabalho, seria uma reforma condizente com o desempenho que me prezo de ter tido ao longo da minha vida profissional.
Sonhar não custa! Vamos aguardar serenamente por um futuro melhor. Ele há-de chegar!
Tenha uma boa noite e um optimo começo de semana.
Teresa

Vitor Oliveira Jorge disse...

Viva
Estamos numa crise internacional que é a crise profunda do sistema capitalista e não é fácil imaginar o futuro. Mas ganhou a única força capaz de fazer alguma coisa de jeito. Sempre o pensei, embora nem eu seja político, nem este seja um blogue com intenção de propaganda política. Muita coisa me inquieta, mas mais uma vez, perante a amostragem de cinco partidos, não hesitei um instante.

Vitor Oliveira Jorge disse...

Não sei quem é o meu interlocutor João, porque o seu perfil não está disponível. É-me difícil dialogar com quem não vejo.
Dizer slogans pouco adianta. Como sabemos a realidade é muito complexa para quem governa e agora é que José Sócrates vai ser posto à prova, com a sua maioria relativa. Mas esta é uma situação comum em toda a Europa. A governabilidade não implica maioria absoluta.
Importa é que as oposições, em vez de estarem com slogans, vigiem de facto o governo, cumpram o seu papel, e que este tenha o equilíbrio de manter o Estado minimamente coeso, o que significa negociar à esquerda e à direita. Vai-lhe ser muito difícil e é preciso muita coragem. Para já, vamos às autárquicas...

Egípcia disse...

Tanta revolta, tanto diziam que faziam, e era só cantiga...
Puseram-no no "puleiro" outra vez...
Não entendo o povo português.

Vitor Oliveira Jorge disse...

Eu julgo entender!