I am not

I am not
quotation

terça-feira, 29 de setembro de 2009


Uma iniciativa do Mestrado em Arte e Design para o Espaço Público (coordenado pela Gabriela Vaz Pinheiro).
Devo estar presente no dia 2, mas após 21 horas de viagem, 6 horas de aulas e em pleno jet lag.

30 de Setembro - Quarta
Inauguração da Exposição FUTuRE MaP - 18h, Museu FBAUP

2 de Outubro, Sexta
Lançamento do livro "Arqueologia do Urbano" - 22h, Passos Manuel


FUTuRE MaP

“Esquecemos que a cartografia é uma prática tão variável como qualquer outra. Existem mapas e depois existem outros mapas, e existem diferentes modos de mapear.” Raqs Media Collective [1]

FUTuRE MaP é uma exposição de projectos de pesquisa sobre o espaço público desenvolvidos pelos 12 mestrandos, agora jovem artistas investigadores, que ao longo do ano de 2009 se envolveram com diversos lu gares. Os “mapas” que apresentam são aproximações visuais e performativas ao conceito de espaço público. Distante de uma mostra de cartografias, os projectos empregam diversos media, formatos e linguagens, e condensam propostas artísticas de interpolação, e exercícios de interpretação, da quilo que se manifesta como “o público”.

As sínteses de objectividade bidimensional experimentadas na cartografia territorial moderna são erodidas num conjunto de exercícios em que representação e não-representação se tornam estra tos de um mesmo mapa: mapas de densidade humana, mapas de relações interpessoais, mapas de conflitos sociais, mapas de fenomenologia do espaço, mapas de interrupção. Estes mapas têm uma dimensão relacional e, diferindo de projectos de desenho de um espaço, são projectos de acções sobre o público. Transportam uma dupla dimensão temporal de mapa-documento-acção, enquanto registo de práticas de pesquisa de campo, mapeiam diferentes espaços públicos; en quanto projecto artístico são construções simbólicas que comunicam práticas e interpretações de senvolvidas nesses mesmos espaços.

Os projectos foram desenvolvidos por Brunna Anchieta, Eduardo Vieira de Almeida, Joana Nasci mento, Luís Sezões, Maria Guiomar Côrte-Real, Michelle F. Domingos, Patrícia Monteiro, Patrícia Azevedo Santos, Rosana Alexandre, Rui Manuel Vieira, Sofia Santos e Vânia Cunha como trabalho de projecto da investigação do Mestrado de Arte e Design para o Espaço Público, e foram editados em workshop no mês de Setembro para ser expostos n´O Museu da FBAUP. Di versos exercícios, fases projectuais e elementos de dissertação podem ser consultados no Centro de Documentação.

Inês Moreira – Arquitecta e Curadora

[1] raqs media collective, “Pacifc Parables”, 2008, (p.9-19) in Danny Butt, Jon Bywater e Nova Paul (eds) Place: local knowledge and new media practice, Cambridge Scholars Publishing, Newcastle, 2008.

Arqueologia do urbano, abordagens e práticas

Ed. Gabriela Vaz-Pinheiro

Integrada no Mestrado em Arte e Design para o Espaço Público em conjunção com o Projecto de Investigação Trans_Form_Actions, a publicação pretende por um lado dar visibilidade tanto aos trabalhos de projecto desenvolvidos pelos alunos ao longo do último ano e meio, como ao intenso e variado diálogo crítico que o Mestrado tem albergado e suscitado, seja nas suas sessões formais ou informais, seja através dos seus colaboradores regulares como dos seus convidados. Este corpo de trabalho crítico e prático necessita de encontrar uma plataforma de comunicabilidade que extravase os limites dialógicos do espaço da aula, do workshop ou da intervenção no espaço público.

No sentido lefevbriano do habitus, pretende-se investigar a natureza das formas de habitar o espaço urbano ao nível experiencial mais do que arquitectónico, simultaneamente entendendo este habitar como um palimpsesto acumulativo e sedimentar da dimensão experiencial do urbano. Neste sentido a intervenção artística de cariz temporário, por vezes mesmo de escala diminuta, apresenta-se como uma forma de testar criticamente abordagens e identificações de problemas ou realidades com as quais nos podemos confrontar disciplinarmente, isto é pela geografia, pela arqueologia, pela arquitectura, pela curadoria, pela prática artística.

Contribuições

Álvaro Domingues, Inês Moreira, Gonçalo Leite Velho, Pedro Bandeira, Paulo Luís Almeida, Gabriela Vaz-Pinheiro, Mário Moura, Jorge Marques, António Olaio, R2, entre outros.

(Edição bilingue em Português e Inglês)