I am not

I am not
quotation

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Transplantes: Vila Nova de Foz Côa, há 5.000 anos, hoje

para a Susana

Quando penso no que poderiam pensar e sentir as pessoas que "fizeram e refizeram" Castelo Velho e Castanheiro do Vento há 5.000, 4000 anos, como me aconteceu ainda hoje de manhã a acordar, e tenho a sensação de que era outra humanidade com pressupostos totalmente diferentes dos nossos, sinto uma espécie de vertigem. Por breves segundos afigura-se-me intuitivamente o que poderia ter sido, mas logo se esvai. É muito difícil meter isso em texto depois, porque pôr em texto é evidentemente uma encenação dessa vertigem que já se desvaneceu. Foi como quando tive consciência (c. dos meus 15 anos) do absurdo da pretensão de querermos acreditar na existência de Deus: tive a vertigem do nosso nada, da minha absoluta desqualificação, ou seja, de que a vida tem de ser vivida no luto do sentido, da perda abissal do princípio ordenador, e que de certo modo a beleza da vida é esse desamparo trágico. Sem perceber (sentir) isso fica-se sempre na menoridade. Mas para um puto de 15 anos é uma vertigem sentir/perceber isso como num relâmpago insofismável. É quando começa a deixar de ser miúdo, ou seja, quando começa simbolicamente a ser pai dos pais, a libertar-se deles, a ver a sua menoridade a olho nu, a perceber-se sozinho no batel em que se safou do grande barco protector, e a sentir-se no alto mar, exposto e entregue unicamente à sua capacidade própria de sobreviver, ou seja, à iminência constante da morte, à sua instanciação permanente.
Para voltar aos tipos de Castelo Velho e de Castanheiro do Vento.
Aqueles indivíduos manipulavam uma série de coisas que iam buscar/trabalhar aqui e ali, uma série de materiais, como troncos, plantas em geral, sedimentos, afloramentos, animais, líquidos, enfim, todo o meio-ambiente. E faziam nele, com esses elementos, uma série de TRANSPLANTES. É esta a palavra-chave. Por exemplo, Castelo Velho, na sua frente sul, a do esporão, era um espécie de pedreira que esteve sempre a ser trabalhada, como uma escultura. Mas todas estas palavras nos enganam, porque chamar "pedreira" é um funcionalismo simples e falar de "escultura" uma esteticização abusiva. Fazia-se transplantes de coisas de um lado para o outro, e em sítios como Castelo do Velho e Castanheiro do Vento vemos ainda concentrado o "resto" (o "resultado" alterado pelo tempo) dessa sequência por certo interminável de transplantes. Lascar a rocha xistosa de base para, com esses pedaços daí saídos, partidos em diferentes formas, compor e recompor um espaço, através da sua reaplicação (transplante) em muretes, embasamentos, etc. Certamente porque para além das suas propriedades "geológicas" (nossa visão) cada "pedra" tinha, conotadas, propriedades outras que nós hoje também identificamos (mas são as nossas, de hoje): peso, textura, cor, forma de se deixar talhar, etc, etc. O mesmo com o arvoredo, com os ramos que serviam para estacas, ou postes, ou armações de coberturas: as conotações que damos a um tronco mais ou menos grosso, a uma vara ou fibra que se mantém em tensão com outras para fazer um cesto, a ramos longos e elásticos que podiam entrecruzar-se no tecto de uma "cabana", etc. Transplantes, transformações de elementos usados depois noutros compostos, noutras composições: essa a tarefa humana. 
Mas as suas conotações de cada "momento", ou seja, as suas relações com o conjunto ideológico/explicativo do mundo, suscitam-nos a tal vertigem da irrecuperabidade. Irrecuperabilidade do que nunca existiu, porque nunca houve decerto um sentido fixo, bem definido, para cada coisa, em cada época o que se verbalizava ou fazia dependia de um acordo inconsciente entre os intervenientes, ou seja, na reprodução, reafirmação ou enfraquecimento desse sistema de transformações. Ora, um pensamento actual que passe pela ideia de inconsciente (tão presente desde a psicanálise, tão recuperado pelo estruturalismo e seus "avatares" posteriores, que ainda estamos a digerir) dilui de imediato a ideia de um sentido para qualquer coisa, presente ou passada. Dissolve, subverte a transparência do signo. Há uma barreira entre significante e significado, como disse Lacan, muito para além de uma simples convencionalidade de relação como queria Saussure. O que significa, como acentuam Labarthe e Nancy ("Le Titre de la Lettre. Une Lecture de Lacan", Paris, Galilée, 1990) uma subversão da linguística saussureana. Estamos entregues à deriva infinita dos espelhos. Assunto a desenvolver...
Voltando ao passado: ou seja, a esse modo de se pensar, aqui no presente, é claro (não somos miúdos em máquinas do tempo), a que convencionadamente chamamos passado. O que aqueles tipos faziam era transplantar, tirar daqui, pôr ali, unir e desunir uma série de "qualidades", trabalhando sempre (como nós hoje, pois partimos do princípio de que eram humanos como nós, não extra-terrestres) com os princípios da metáfora e a metonímia, quer dizer com a ambiguidade e mutiplicidade dos sentidos, quer ao nível consciente, quer inconsciente. PORTANTO O SEU PRESENTE NUNCA SE LHES MOSTRAVA A ELES MESMOS COMO PRESENTE COMPREENSÍVEL, TAL COMO O NOSSO PRESENTE, QUE PENSAMOS O PRESENTE DELES, JAMAIS SE NOS REPRESENTA COMO COMPREENSÍVEL, TOTALMENTE ABRAÇÁVEL POR UMA TEORIA. Há que ultrapassar uma filosofia da representação, que é uma teologia, uma vontade de recuperar a unidade do sentido. Isso é um empreendimento muito difícil.
As pessoas manipulavam o mundo, transplantando partes dele de um lado para outro, partindo, colando, unificando, demolindo, em suma, transformando, mas não para chegar a uma "obra acabada" (a arquitectura pronta), mas pelo próprio acto de arquitectar. Arquitectar (o que só podia ser em conjunto) significa, pressupõe, o estabelecimento prévio de uma certa confluência de intenções. Mas não há um momento original em que uma série de tipos antes isolados (como se fossem seres contemporâneos, indivíduos segundo a nossa maneira de ver/sentir) contratam entre si, por exemplo numa clareira da sociabilização: "pessoal, temos de nos organizar, temos de começar a manipular isto de uma maneira concertada." Não, esse momento primordial (e depois repetido em cada grande suposta fase, forma de reiterar o primordial) da constituição do grupo a partir de indivíduos é mítico, nós já nascemos num grupo e como produto de um "projecto" já em execução, quer dizer, cada um de nós vem ao mundo tarde e a más horas, e parte dele (morre) bem antes do que supunha (do que queria, um dos nossos enigmas é que mesmo caquéticos e a sofrer nunca admitimos a morte), não temos mão nisto, não sabemos quem somos, etc. O inconsciente é o essencial de nós, o embraiador dos desejos, das crenças, das convicções, e portanto é preciso pensar a chamada "pré-história" incorporando a psicanálise (Freud, pois, mas também Lacan, aquele que se adentrou mais, filosoficamente falando, em Freud, para trazer o seu legado para a filosofia - e por isso é que se não pode já pensar um sem o outro) senão não se sai do realismo ingénuo da ciência corrente.
Transplantes de água para com a terra moldar a argila, misturada com desengordurantes, e "fabricá-la" em formas multivariadas. Transplantes de pedra. Transplantes de ossos humanos ou de animais. Transplantes de artefactos de todo o tipo, incluindo muitos intencionalmente transformados (lâminas de machados embotadas, moinhos manuais partidos, uma imensidão de coisas "alteradas"). Manipulação em suma do mundo, do ambiente, em que o papel da crença é crucial, da crença em que o que se está a fazer em comum tem um alcance que vai para além de uma qualquer conceptualização nossa (ou deles), de uma qualquer representação, porque grande parte desse elo de união é inconsciente.
É aqui que Pré-história e psicanálise se unem, e que se torna evidente que um sítio arqueológico é tão bom para pensar o humano como um livro de filosofia ou a experiência do divã: são formas de concentrar a atenção, de nos separarmos do senso comum dos outros, de nos sociabilizarmos (entre aqueles que se interessam por estas coisas, quer dizer, o enigma do ser humano) e de criarmos uma rede de controvérsias, de transferências, de transplantes. Entre nós, sozinhos, com  o cosmos à frente, na sua beleza infinita, sem o ruído de deuses nem de fadas: resplandecendo apenas pelo encantamento do nosso olhar.
A beleza do mundo é a beleza do nosso olhar.
O espanto do passado está a acontecer, aqui e agora, mais uma vez, e sempre.



6 comentários:

Mauro disse...

citando:"As pessoas manipulavam o mundo, transplantando partes dele de um lado para outro, partindo, colando, unificando, demolindo, em suma, transformando, mas não para chegar a uma "obra acabada" (a arquitectura pronta), mas pelo próprio acto de arquitectar."

Caro professor,
Sabendo que o conhecimento arqueológico são verdades relativas, parece-me tão abusivo afirmar que o objecto(tivo) é o "edifício terminado" como "o acto de arquitectar", pois cada um, bem como outros objectivos, podem ter sido podem ter sido o meio/fim procurado em determinados (e diferentes) momentos da "vida do edificado"...

Sem mais,
Um abraço, Mauro

Vitor Oliveira Jorge disse...

Sim, numa postagem de blogue tem de se ser sucinto, acentuando, enfatizando neste caso uma ideia que não é minha, mas já consensual em todos os que estudam arquitecturas pré-históricas. É que esta gente não tinha a mesma concepção que nós, e isso dava para um livro demonstrar, a maior parte do que aparece nem sequer era para ser visto, percebe-se que toda a acção construtiva era eivada em si mesma de sentidos, e que a obra em conjunto fazia sociedade, comunitas, porque não havia outros modos (aparelho de Estado) de a fazer... claro que isto é uma teoria interpretativa, como tudo o que é ciência, só a religião dá certezas absolutas aos crentes.
Já agora, estarei equivocado, ou li há tempos num blogue qualquer uma afirmação sua sobre as escavações de Castanheiro do Vento, segundo as quais não teria aprendido, lá, grande coisa, como aluno? Se eu estiver equivocado fico satisfeito, porque sempre estivemos muitos (e não só eu) ali ao seu dispor e dos seus colegas para explicar. E agora as escavações são mesmo um curso para alunos estrangeiros, com prof. e tudo (Univ. de Toronto)... Abraço!

Mauro disse...

Compreendo que num blogue tenhamos que ser sucintos, e fico grato pelo esclarecimento acerca do arquitectar.

Citando-o: "Já agora, estarei equivocado, ou li há tempos num blogue qualquer uma afirmação sua sobre as escavações de Castanheiro do Vento, segundo as quais não teria aprendido, lá, grande coisa, como aluno?"

Não me recordo de alguma vez ter escrito algo num blogue acerca de Castanheiro do Vento e da minha experiência lá, caso esteja enganado agradecia que me indicasse esse blogue (vou também procurar).
Mas para esclarecer desde já o mal-entendido, afirmo que sempre se aprende algo, mesmo com as más experiências (não foi o caso em Castanheiro) e se não tirei mais e melhores resultados da intervenção arqueológica quando lá estive foi porque teria a "cabeça noutro lado".
Quanto a Castanheiro ser um Curso, espero que para tal tenham sido criadas as condições "ideais", pois aquando lá estive a escavar/aprender o numero de pessoas (um exemplo) era tal, que se tornava praticamente impossível a troca de sabere(s) entre os responsáveis e os discentes.

Abraço

Vitor Oliveira Jorge disse...

Procure por favor, pois também não fixei... mas fiquei surpreendido com tal afirmação.
Ó Mauro, sejamos honestos, onde é que há "condições ideais?" Ainda um dia se há-de lembrar com saudade e lamentar não ter tirado mais partido de uma experiência única, que outros lhe ofereceram, e dizer para si mesmo: que pena aquele professor ter já morrido, senão ia dizer-lhe: bem haja pelo que fez com tanto sacrifício! Como era novo, fui injusto precisamente para ele, que me deu essa oportunidade!
That is life...

Mauro disse...

Julgo não ter escrito realmente nada acerca das escavações em Castanheiro em qualquer dos blogues em que sou participante (fui verificar entrada por entrada) - e com isto não tento sacudir a poeira do meu chapéu, pois, nunca me escondi por detrás de "nicknames" e anonimato para encapuzar as minhas opiniões, que assumo pessoal e publicamente sempre!

Não quero entrar numa discussão "sem sentido" consigo Professor [acredito sinceramente que nos estamos a entender com clareza], até porque já o afirmei aqui publicamente que a minha experiência em Castanheiro do Vento não foi negativa e se não foi mais proveitosa deveu-se sobretudo a mim e, tal como deve saber, nutro certa simpatia por si e pela sua forma de tentar dinamizar/divulgar a arqueologia através de conferencias, encontros, livros, das suas aulas, etc... e um bem-haja por tal espírito.

É claro que sei que condições "ideais" são uma impossibilidade, mas sei também que quanto maior o esforço, melhor o resultado, e num local como Castanheiro, sitio mágico e ao mesmo tempo "infernal" e cuja interpretação e apreensão é deveras difícil (então para estudantes...), que se quer modelo e escola de arqueologia (correcto?), é evidente que se espera que o grau de possibilidade de aprendizagem e de variedade de "tarefas" seja elevado (mediante as sempre existentes limitações e a vontade de aprender dos participantes).
Saudades... já as sinto um pouco, para mim já começou a "arqueologia de emergência" desde Julho passado (com todas as suas virtudes e defeitos)... espero ter brevemente oportunidade de integrar projectos de investigação.

Aguardo a sua resposta - se a achar necessária (estou sempre pronto a ler intervenções inteligentes e pertinentes...)

Agora em jeito de provocações/brincadeira: quebrei o meu silencio, a culpa é sua professor =)

Vitor Oliveira Jorge disse...

Citando-o:
"nutro certa simpatia por si e pela sua forma de tentar dinamizar/divulgar a arqueologia através de conferencias, encontros, livros, das suas aulas, etc... e um bem-haja por tal espírito."
Obrigado por ser merecedor de certa simpatia sua, após quatro décadas de dedicação minha à arqueologia.
Em relação a Castanheiro do Vento, desde 1998 que todo um grupo de directores de escavação ali aplica parte do seu verão e suas férias para dar o melhor que sabe e tem, incluindo bens pessoais (viaturas, etc) aos alunos e outros colaboradores. Não por mim, mas por eles, que são INFATIGÁVEIS, não posso aceitar qualquer crítica nesse aspecto.
É INCRÍVEL o que praticamente sem meios temos conseguido. O Castanheiro do Vento é hoje uma referência internacional!
Claro que em Pompeia por exemplo se vê tudo muito mais bem conservado... isto é uma ironia, é claro. Porque interpretar Pompeia também não é fácil... esse é o problema da arqueologia. Temos de ver para além do visível, como em qualquer conhecimento... exige esforço!