sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

O Concerto

Quando o concerto ia mesmo começar,
As notas precipitaram-se para a sala
E invadiram as cadeiras dos espectadores,
Sentando-se no seu colo com um gesto provocante.

Traçaram as pernas; mostraram as ligas;
E disseram ao músico que estupefacto esticava
O laço no palco para ganhar tempo, tão desesperado
Que parecia querer enforcar-se no adereço:

Toca. Toca-nos para aí à vontade,
Enquanto nós ficamos hoje aqui a tocar
No elegante público.
Chega de submissão à arte, queremos outra coisa.

Dos bastidores o dono do teatro sussurrou ao pianista,
Demasiado tarde, toca mesmo sem notas, o espectáculo
Tem de continuar. E assim as mãos e as teclas
Começaram a mexer-se, e som a dar-se.

Que som? Precisamente
Foi possível pela primeira vez haver o som.

As alcatifas grenás dos corredores agitaram-se,
Lânguidas. Os camarotes debruçaram-se para ver melhor,
As cortinas irromperam, umas atrás das outras,
Como saias tontas, rodadas.

Os cavalheiros certificaram-se dos bigodes.
As damas foram aos lavabos trocar impressões,
Ruborizadas. E os candelabros começaram a dançar no tecto,
Com a manifesta intenção de se tocarem.

Toca tudo a tocar. Toca tudo a sentir.
Por um momento a arte parou,
A Cultura ficou estancada, no camarote real,
Com a coroa à banda e o ceptro no chão.

Tudo teria sido imprevisível em seguida,
Não fossem ter entrado as forças da Ordem
Para reporem intempestivamente a situação.

O músico, que se excitara, foi levado de cena;
E esta foi ocupada por uma banda marcial, esplendorosa,
Que tocou para as luzes todas acesas, para o esplendor
Da ópera, batendo bem as notas nas caixas,
Cuspindo-as com força pelos trombones.

O mundo recomeçara, o Concerto deu-se!








Foto: Loretta Lux (rep. aut.)
Site: http://www.lorettalux.de/
Texto: voj porto dez. 2008
variação em torno de O Concerto de lj
site: http://lilianajasmim.blogspot.com/

2 comentários:

Liliana Jasmim disse...

Um profundo agradecimento por esta honra.

ESTA variação é de facto sublime

como lhe havia comunicado

"meus olhos descolaram-se para ver mais perto.

tem forma, conteúdo, ironia, picardia de sobra para nos arrastar em voragem até ao ponto de final."

Vitor Oliveira Jorge disse...

honra é uma palavra muito solene para mim. fico muito satisfeito por ter gostado.