quinta-feira, 2 de abril de 2009

a turista

Houve uma vez uma rapariga, uma mulher, que me disse: sabes, eu não sou uma intelectual. Ganho algum dinheiro, e depois vou gastá-lo numa viagem. Deambulo. Ganho mais dinheiro, e volto a viajar. E assim por diante.

No momento em que me disse isso, todo o fascínio que restava a essa mulher se dissipou para mim.
O leitor encontra as razões esquematicamente no fundo desta mensagem.




Razões
1) é óbvio que uma pessoa que diz que não é intelectual não é muito inteligente, porque hoje ninguém quer ser intelectual, diz-se de outra maneira - falta de jeito
2) é óbvio que uma pessoa que fala com esta displiscência depende de alguém, quer dizer, é uma burguesa dependendo dos paizinhos que deram apartamento, carro, todos os confortos e almofadas possíveis - falta de percepção de como eu detesto a burguesia ociosa
3) é óbvio que uma pessoa destas é uma consumidora, tanto de coisas, como de lugares, como de pessoas - e eu seria um potencial objecto de consumo - falta de táctica
4) é óbvio que uma pessoa destas não tem a mais pequena consciência crítica nem ética nem política, vivendo como turista num mundo de miséria - falta completa de ética
5) é obvio que uma pessoa destas é uma superficial e ainda por cima julga que é giro afirmar isso peremptoriamente - falta de senso ou então desmedido orgulho e certo menosprezo para com um trabalhador como eu

etc.


5 comentários:

susjorge disse...

O que te fascinava então em tal pessoa?

A-Verdadeira disse...

Engraçado...

Eu às vezes considero-me "turista" mas apenas nos amores.

Talvez porque já não confie em ninguém.

Vá-se lá saber porquê.

ginha no país das maravilhas disse...

Isto faz-me recordar o quanto duas ou três frases "infelizes" num primeiro encontro podem ser fatais para a sua continuação. Sem tempo para análises profundas, joga-se o "tudo ou nada" do instinto. Todos somos assim.
Mas provavelmente eu não seria tão mázinha nestas circunstâncias porque aceito (acho eu!!) outras formas de viver, bem distintas da minha, como sendo igualmente legítimas. Viver é fazer escolhas..

Vitor Oliveira Jorge disse...

O que me fascinava em tal pessoa?! Tinha um olhar e um rosto inexplicavelmente esperado... eis o enigma de um rosto.
____________________

Não se tratava de um primeiro encontro.
Está a chamar-me mau?... não se trata de um juízo moral o que eu fiz, trata-se da MECÂNICA SUBTIL DA SEDUÇÃO, querida.

susjorge disse...

Então deves seguir o rosto... e podes ligar os ouvidos, através das minúsculas maquinetas da moda, a uma música qualquer....que te aliene das palavras da turista. E concentras-te no rosto esperado.