I am not

I am not
quotation

domingo, 6 de dezembro de 2009

ontem

Extractos de um mail de ontem, sábado, 5 de Dezembro, sobre a minha poesia, de um(a) do(a)s leitore(a)s mais atento(a)s que jamais tive. Um(a) leitor(a) atento (a) é sempre um(a) amigo(a), mas no caso presente a “carta” recebida deu-me muito ânimo e fez-me trabalhar neste fim de semana com novo gosto…


"Gosto da sua poesia. Cada livro é uma entidade autónoma que estabelece ou não a sua norma e medida poética. E "Electri-cidade" é isso mesmo: aprecio nele a variedade, a sensorialidade e, mais que isso, a voluptuosidade (e uma sensibilidade finíssima a "qualquer coisa" que sempre ou em quase tudo, faz falta). Voluptuosidade (nas palavras e nas coisas...) e sensibilidade são capazes de derivar mesmo desse "aliquid" sempre em falta. Este último tópico, como sabemos, é hoje um tópico bastante gasto... Mas você, com a sua poesia, dá sangue e vida a isso que, de qualquer modo, não é "metáfora morta"...
Não reli nos últimos dias "Electri-cidade" e portanto falo do que no meu espaço interior ficou. Se acaso houvesse mais selecção de textos e a "diferencialidade" de que lhe falei pessoalmente (que é diferente de "variedade") porventura poderia gerar-se mais força, mais condensação energética de voluptuosidade. Mas não sei, não sei.. Sei que gostei do livro, como gostei da "Casa das Máquinas". Sobre o "gostar", um dia, espero acrescentar qualquer coisa de substantivo. Mas também aí, na "Casa das Máquinas", sobretudo sensualidade de coisas e de palavras (uma curiosa erótica sem erotismo), e sempre o "aliquid", sempre o "aliquid" (talvez, por isso, você aprecie muito Lacan).
Foi de propósito que agora lhe escrevi sem folhear os livros. Uma questão em tudo isto, depois de usufruir o que se lê, é com efeito esta: o que é que me ficou de?; o que tenho agora em mim de? E eis então que de novo reitero: uma imagem irrequieta de voluptuosidade, de sensulidade e de qualquer coisa sempre em falta (em coisas e em palavras, em espírito e em letra). Um hino multiforme a essa imagem. E ora mais apolíneo, ora mais dionisíaco.
E se relesse hoje ou amanhã a carta do Rilke ao jovem poeta? Também o Kandinski dizia que em arte só aquilo que brote de "necessidade interior"... Esta necessidade sente-se em toda a sua poesia duma maneira intensa, por vezes mesmo desmedida.
E é sempre o "aliquid", sempre o "aliquid". O resto, creio, pouco interessa. Excepto para os coveiros canónicos daquilo que tem sangue, pulsão e sentido."


1 comentário:

Vitor Oliveira Jorge disse...

Este comentário sobre a minha poesia é da autoria do Prof. Adélio Melo, meu colega da FLUP e amigo.