I am not

I am not
quotation

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Vá lá um aperitivozinho para os arqueólogos... umas "pedrinhas" acheulenses e outras que estavam nas areias ao pé das nossas tendas, no deserto...








Eis um belo núcleo sub-circular, com planos de percusssão preparados. Na foto acima desta, mais um biface e um hachereau acheulenses... e, acima de tudo, o conjunto do material achado em 5 minutos... incluindo um machado polido no gume, e depois retalhado...
e o resto do deserto mesmo ali ao lado com extensões infinitas de coisas à superfície... a que ninguém liga nenhuma... só querem é fósseis, fósseis por todo o lado, meu caro SR, my god!
Como é sabido, Marrocos é o paraíso dos geólogos... mas também o é dos arqueólogos de todas as épocas.

Bifaces acheulenses, assim à superfície da areia. Algo que poderia entusiasmar muito o nosso sub-director-geral e meu querido amigo JPCR.

Lascas retocadas em sílex (aos lados da foto) e uma lasca de talhe ao centro, com um grande bolbo, talão, etc.




E que tal esta bandejazinha de pontas de seta, que encontrei à venda numa loja de fósseis ao sair de Merzouga? Alimenta o fetichismo do objecto? ...
Por mim, ficaram lá sossegadinhas, dormindo o repouso eterno ao lado dos fósseis e outras iguarias de pedra.


________________________________________________

... como diria o Jean Roche, "il faut leur donner quelque chose à manger"...

2 comentários:

Sérgio R disse...

Respondendo a Jean Roche: Je mange!!!!
Magnífico. É de facto um paraíso para geólogos e arqueólogos - do paleolítico à actualidade...

Ao encontrar estes materiais líticos deve ter recuado uns bons anos, não? :)

Vitor Oliveira Jorge disse...

Bon appétit!
Na verdade, não recuei uns anos: os "calhaus" nunca me abandonaram... recuei foi uns passos para me vir embora, antes que não saísse dali... mas fazer milhares de quilómetros por aquela geologia, a ver coisas incríveis, vale a pena. Tudo se interliga para compreender a paisagem e a sua DENSIDADE ! Pensei em si e como gostaria de ver aquilo: terraços, cascalheiras, meu Deus! Tem de lá ir!! Eu vou voltar, mas com outro esquema...espero, um dia. É fantástico! Mas, claro, a maior parte dos turistas vai só às grandes cidades... não vê senão os monumentos ou vai prás praias... uma das coisas mais fascinantes à ida foi ver quão estreito é o Estreito de Gibraltar (de avião), e quanto África e Europa ali se abraçam, antes de terminar no Atlântico. Por outro lado, as extensões de areal em Marrocos e o que devem conter aquelas praias ainda vazias da carga turística (por pouco tempo...) deve ser incrível. O voo foi quase sempre ao longo do mar, antes de inflectir para Marraqueche, que se desenvolveu imenso desde 1969, quando lá fuii antes. Até um MacDonalds e uma Zara lá estão (símblos de um desenvolvimento, claro !!). Enfim.