terça-feira, 25 de novembro de 2008

solução


Uma vez encontrei-me
Com as estrelas sobre a cabeça

E interroguei as mãos
Sobre quais as armas

O meu passado pairando
No céu
Como uma nuvem
Pedia-me

Vi
As cadeiras
Vazias
Espalhadas nas esplanadas
Esperando

A coroa de estrelas
Sobre a minha cabeça

Uma noite
Cobria a noite

As ondas corriam
Avassaladoramente
Para as praias

Desfaziam-se
Na sua chuva estelar
E as cadeiras esperavam

A face jovem sorria
Desde a sua ausência
Para dentro do seu sono

Encontrei-me
Com a adolescência
Com essa Indecisão

E olhei os utensílios
Perguntei pelos meios
Vi os olhos azuis
Dos cães, vindos da noite

Vi os cães irradiantes
Sobre a minha cabeça
O tapete aéreo

Entrei
Nas estações
Para abraçar os comboios

Subi e desci montes
Guardei uma foto
Entre as esplanadas

Vi os cães
Sobre as mesas
A boca do beijo

Os dedos pediam
A arma
O segredo à noite

Enquanto uma juventude morria
À beira da estação

Os comboios partiam quietos
Com um rasto de linfa

Uma vez encontrei-me
Assim, entre as gotas
Das esplanadas

Sobre a minha cabeça.
Alta noite. Crânio cravejado
De brilhos.

Entre amigos. Ausentes
Sempre.

Tu dormias. Como sempre.

Subi ao monte
À procura do cão azul
Que estralhaçasse

Tamanho desencontro

Todo o sangue
Me pedia
Para se abrir

Para se escoar
Na noite

Pelos extremos
Dos seus canais

Envolto em estrelas
Coroado de estrias

Foi assim que me
Encontrei.

Beijando o cão azul.
Sobre a mesa das esplanadas.
À beira da estação acordada.
Sob um comboio parado.
Sob uma chuva de estrelas.
Com a juventude a morrer,
A dormir, longe.


Mordendo com raiva
A recordação.

Estraçalhando-me
Comigo.


_____________
voj 2008 novembro porto

4 comentários:

Ana disse...

Hola, gracias por pasar.
Un beso
Ana

Vitor Oliveira Jorge disse...

Comprendes portugués?

sANdrA fasolo disse...

Olá, Vítor,
que linda estética nos teus versos. as imagens vão se formando-formando-formando com uma estranha beleza.
Adorei!

Dá aulas sobre Lacan?

um abraço aqui da Ilha.
sandra

Vitor Oliveira Jorge disse...

Obrigado.
Não, dou aulas de arqueologia e património. Mas estudo Lacan... que é muito difícil.E de Abril a Junho de 2009, se tudo me ajudar, farei aqui no Porto, na minha Faculdade, um curso de formação contínua em que me atreverei a abordar J. Lacan. Você conhece este autor? É fascinante !
Um abraço