I am not

I am not
quotation

quinta-feira, 31 de maio de 2007

Congresso de Arqueologia em Paris

MEDIEVAL EUROPE
Paris 2007
4e Congrès International d'Archéologie
Médiévale et Moderne


Du 3 au 8 septembre 2007 à l'Institut National d'Histoire de l'Art
Université Paris 1 Panthéon-Sorbonne

Les propositions de communication peuvent être
envoyées jusqu'au 30 juin 2007


site web du 4e Congrès International d'Archéologie Médiévale et Moderne
http://mep2007.free.fr/

Claude Lévi-Strauss - presque 100 ans!



Claude Lévi-Strauss, membre de l’Académie française, né le 28 novembre 1908,

fêtera bientôt ses 100 ans.

Winnicott avec Lacan

Journées d'étude

organisées par l'association Ferenczi après Lacan
à l'Institut français de Londres, entre le 1er et le 4 mai 2008

Winnicott avec Lacan

Nous nous proposons, durant ces journées, de poursuivre la reprise lacanienne des moments importants de l'histoire de la psychanalyse, entamée lors des journées Ferenczi après Lacan à Budapest en juin 2006.

Nul ne peut contester que Winnicott fut un analyste non moins inventif que Ferenczi dans sa pratique, et non moins préoccupé, sans doute, par la place de l'analyste dans la cure. Relevons que cette inventivité l'amena à une mise en jeu de la place de l'analyste échappant aux canons de l'orthodoxie. Mais il évita en même temps les pièges de la symétrie dans la relation analyste-analysant.

On se souviendra, à cet égard, qu'il y a chez Winnicott une conceptualisation qui est en rupture avec toute conception d'un intersubjectif centré sur le spéculaire : c'est l'idée d'un "objet transitionnel", qui vient défaire les représentations usuelles du narcissisme et de la relation d'objet, et qui se prolonge dans la problématique structurale d'un "espace transitionnel". Ajoutons qu'il ne cessa de se préoccuper du social et du politique, en présentant, notamment, l'adolescent comme un baromètre du social.

Lacan dit très clairement ce que son objet a devait à l'objet transitionnel. Il fit d'ailleurs de Winnicott, que l'un des premiers il introduisit en France, un de ses interlocuteurs privilégiés, qu'il s'agisse de l'objet ou du self. Par exemple, renversant la problématique de Winnicott, il fit valoir que "l'important (...) n'est pas que l'objet transitionnel préserve l'autonomie de l'enfant, mais que l'enfant serve ou non d'objet transitionnel à la mère".

On voit que les questions ne manqueront pas.

Comité d'organisation des journées :

Roland Chemama, Françoise Gorog, Jean-Jacques Gorog, Christian Hoffmann, Catherine Vanier, Alain Vanier.

Comité scientifique :

Jacques Adam, Lionel Bailly, Marika Bergès-Bounès, Danièle Brun, Claude Boukobza, Marc Darmon, Roland Gori, Luis Izkovich, Patrick Landman, Darian Leader, Martine Lerude, Charles Melman, Bernard Nominé, Érik Porge, Moustapha Safouan, Colette Sepel, Marc Strauss.

Première Soirée préparatoire

dans le local de l'Association lacanienne internationale, 25 rue de Lille, 75007, Paris, le 4 juin 2007 à 21h. Exposés de Marc Strauss : Jeu et réel, ainsi que de Catherine Vanier, Winnicott et la pratique avec les bébés. Discutants : Roland Chemama et Martine Lerude.

Contact:

quarta-feira, 30 de maio de 2007

Interessante conferência em Letras (Porto)

Globalização, Território E Memória Identitária
8 de Junho, 17h30


A equipa de coordenação da 3.ª Edição do Mestrado em Sociologia Sociedade Portuguesa Contemporânea, Estruturas e Dinâmicas tem o prazer de convidar V. Exa. para participar na conferência:

Globalização, Território E Memória Identitária

Prof. Doutor António Joaquim Esteves
(Faculdade de Economia da Universidade do Porto)


8 de Junho de 2007
17h30
Sala 203
Faculdade de Letras da Universidade do Porto

Entrada livre

______________________________
Departamento de Sociologia da
Faculdade de Letras da Universidade do Porto
Via Panorâmica, s/n, 4150-564 Porto
Telefone e Fax: 22 607 71 90
E-mail: ds@letras.up.pt
URL: http://www.letras.up.pt/ds

Colóquio Internacional Lugares de Palco, Espaços da Cidade

Realiza-se como anunciado neste blog nos dias 1 e 2 de Junho próximo, na Faculdade de Letras do Porto, como previsto, mas no ANFITEATRO 2.
Trata-se de uma iniciativa do CETUP - Centro de Estudos Teatrais da Universidade do Porto.

Na Faculdade de Letras a principal responsável é a Prof.ª Doutora Cristina Marinho, do DEPER
Em qualquer dos dias inicia-se às 9 horas.
Há diversos colaboradores nacionais e estrangeiros, e tem o apoio da UP, da Fundação Gulbenkian e da FLAD.

Creio ser uma iniciativa a não perder...

Sobrevivo...

Caros amigos
Anuncio que ainda estou vivo, resistindo à burocracia que me invade e me devora tempo e criatividade, no fim de um ano lectivo, com uns 50 mails/dia para responder... ainda vou ler a esta hora!
Bons sonhos!
Cada semana parece mais difícil do que a anterior... a vida tornou-se um circo louco, mas o blog continua.

Blog, blog... coaxam as rãs num lago perto... onde eu queria afogar-me como uma jovem pintada pelos pré-rafaelitas.

terça-feira, 29 de maio de 2007


Rua Bariţiu, Cluj, Romenia
Fonte: Wikipedia

Parti...

segunda-feira, 28 de maio de 2007

Portugal

Paisagem: Portugal

À memória do meu mestre Orlando Ribeiro

Quando penso em Portugal, penso sobretudo numa praia, num litoral, numa espécie de limite que se esvai em espuma e em vultos e vento. Somos quase uma não existência, uma expectativa sobre o oceano. Há uma escassez - apesar do betão com que tentaram encher tudo, preencher cada recanto, muito à maneira nacional. Donde saem pequenos canteiros garridos que resistem à acidez do ar.
Gosto do mar, mas gosto também desse mar interior que nos abraça pelo outro lado, a Meseta, planura de ausências e de pequenas vagas presenças que se destacam contra o céu próximo. A Meseta, a Espanha, é a nossa mulher fatal, atraente e trágica. Onde uma pessoa se interna com a sensação de poder rolar durante horas, horas infindas, ao som da música forte, entre um castelo e outro, como um dom quixote sob nuvens deslizantes, lentas como um sonho. Uma ilusão de western, de liberdade.
No meio, que resta – se só é grande tudo quanto não é Portugal e o rodeia - qual a fuga possível? Como se sai deste sufoco, agora que não temos caravelas nem viagens arriscadas a fazer? Agora que somos parte periférica de uma Europa limitada, mas asfixiante, em grande medida símbolo de uma cultura que não era a nossa, que se nos impõe impiedosamente, em toda a sua tecnocracia poderosíssima? O Brasil fica longe, as antigas colónias afastam-se inexoravelmente: pertencem a outros mundos, e a única paisagem que nos unia, a própria língua portuguesa, são hoje muitas, aliás numa saudável miscigenação... os próprios brasileiros nos procuram porque somos a entrada nessa Europa mítica. Os melhores jovens querem é fugir daqui... desta máquina complicada, burocrática, vigilante, atenazante. Sítio de passagem, não-lugar que é Portugal... hipótese perdida de tirar partido do sub-desenvolvimento em que se encontrava em 1974. Mas os erros, mesmo graves, são quase sempre inevitáveis; não aprendemos com as “lições” dos outros, estamos a ser levados numa torrente.
Para escapar às pequenas dimensões de tudo, às urbanizações, às florestações e desflorestações, às festas populares do verão, ao mau gosto e a uma certa brutalidade, à pequenez e anarquia de todo o tipo, ao chic dos novos ricos e à miséria dos que tentam sobreviver (um desordenamento, uma desordem), restam-nos recantos e momentos, isto é, fragmentos. Refúgios. Cada um com os seus. De forma que Portugal é uma espécie de imaginação que cada um de nós tem de reconstruir permanentemente para aqui sobre(viver), e de teimosia daqueles que podiam escolher Paris, Londres ou outro sítio onde a actualidade está a acontecer, cosmopolita e trepidante. Onde está a emergir uma nova cultura, que eliminou, verdade se diga, a velha cultura mediterrânica, transformada, folclorizada em destino turístico. Mas nenhuma cultura jamais foi estática – isso é apenas uma manifestação da nossa nostalgia.
A paisagem portuguesa são fragmentos, idealmente fotografados, para não se ver o que o enquadramento evita. Se possível a preto e branco, e como que saindo da negrura. Espectral. Sem se cair no folclorismo ou na imagem fácil, Portugal vai-se desvanecendo em nós como a própria vida: as paisagens que já lá não estão, as pessoas que restam (mortas ou vivas), as estações de caminho de ferro abandonadas e vandalizadas, as pequenas capelinhas onde umas velhotas conversam entre si e com jesus, num à-vontade intemporal. O pais é essencialmente uma memória do que já não é. O Alto Douro antes das barragens, antes do pântano verde e poluído em que está transformado, quando o pequeno comboio que ia até Salamanca e chegava por aí ao Sud-Express e à Europa era, verdadeiramente, uma aparição, entre quintas de vinha e picos de pedra mirando-se mutuamente, num silêncio sobrecarregado e por vezes escuro.
Portugal só parece suportável fora do tempo, idealizado, mitificado, como todas as paisagens que o turista descobriu a partir sobretudo do romantismo. Mas os estrangeiros vêm e gostam; e os estudantes estrangeiros circulam, e acham bonito; e uma pessoa pensa que a falta de experiência e de memória, inerentes à juventude ou ao estranho/estrangeiro (duas modalidades de recém-chegados), são as condições da mitificação que permitem que a vida se renove, mesmo aqui.
Se a paisagem é uma invenção moderna, Portugal também... e é com afã que desde o séc. XIX arqueólogos, etnólogos, geógrafos, historiadores e outros (embora em menor grau do que em paises que conheceram a industrialização e a modernidade) se empenham em descobrir a “portugalidade”, uma para cada gosto.
Por mim evito o desgosto de viver numa paisagem de empreiteiros e de poderes obscuros, que controlam os acontecimentos, refugiando-me cada vez mais num projecto, num país meu, um país sem pais, uma areia sem pegadas onde vou tentando traçar um caminho cada vez mais solitário, uma paisagem de quem vem do deserto, como num filme de wim wenders. Esta impiedade, esta desumanidade tem a sua beleza, cultivada também desde os românticos. Evito as estradas, evito os engarrafamentos, tento evitar os radares escondidos para nos cobrarem uns impostos extra, cada vez viajo menos, já não reconheço lisboa, a cidade em que nasci, e ainda não conheço o porto, a cidade que me vi forçado, há mais de trinta anos, a adoptar. O lugar exacto onde estou, donde observo, onde ouço música e leio, onde tento evitar os loucos que nos rodeiam, a paisagem propriamente dita, deixaram de ter para mim grande importância. Desfocaram-se por cansaço e apatia (deles).
O que me importa é o que, com as mãos, o teclado e o monitor, posso construir aqui. Já que foi o único território que me deixaram temporariamente possuir. Vejo dum lado do apartamento a foz do Douro, com as suas torres de drogados, que felizmente não me impedem de contemplar o mar. E vejo do outro lado o jardim botânico do Porto, ou o que dele resta, depois de todos os retalhos a que foi sujeito pelas “acessibilidades”. E vejo os carros passar a toda a pressa, dia e noite, entre lampiões apagados ou acesos. Estou como os lampiões. Sem pressa para ir a lado nenhum, febril a ler, flâneur de uma cidade interior, turista aqui dentro, habitante de uma paisagem que é um deserto, mas sempre com o olhar no horizonte: quem se aproxima?

Fonte da Foto: http://www.picture-newsletter.com/
trees/lake-trees-winter.jpg

Hey, companheiro de blog!

É urgente actualizarmos esta página:
http://www.architectures.home.sapo.pt

Mira só com o está aparecendo em sites internacionais:

http://archaeology.about.com/gi/dynamic/
offsite.htm?zi=1/XJ/Ya&sdn=archaeology
&cdn=education&tm=44&gps=100_-566_1177
_860&f=21&tt=14&bt=0&bts=1&zu=http%3A//
architectures.home.sapo.pt/Events.htm

Uma página web é a nossa janela para o mundo... incluindo para parcerias na investigação.

blogs... web pages...and cats

http://www.archaeologychannel.org/

http://www.archaeoblog.blogspot.com/

http://anthropology.net/

http://www.archaeolog.org/

http://www.southeastasianarchaeology.com/

http://archaeoseek.ning.com/

http://archaeology.about.com

and about the domestication of the cat:
http://archaeology.about.com/b/a/257970.htm?nl=1

Nova pandemia: a EVENTUALITE (notícia científica)

Trata-se de uma nova doença, quiçá do foro psicológico, quiçá a ser tratada por sociólogos também, uma vez que afecta a sociedade inteira, nomeadamente a portuguesa.
Criei este neologismo, depois de vestir uma bata branca e até um capacete (branco) de obra, para ter aspecto mais respeitável (poder do doutor, engenheiro e arquitecto juntos, se não mesmo do político/administrativo em visita) e assim entrar rapidamente no dicionário corrente.
EVENTUALITE - a doença, obsessão, necessidade premente de produzir continuamente eventos (=acontecimentos), de preferência culturais (no seu sentido mais abrangente, da culinária à filosofia de Kant - o tema é relativamente secundário, sobretudo se for atraente, com algumas cabeças de cartaz e tiver boa imagem, suporte mediático, etc.), de os consumir, de os digerir, de os publicar, de os apresentar em livro, o que dá origem a novo evento: A APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS DO EVENTO.
Há especialistas de inventar eventos, de gerir eventos, de produzir e reproduzir eventos, de noticiar eventos, etc.
O evento é não só o motor da economia: invento um evento, logo existo (como pessoa, terra, cidade, grupo, etc).
É portanto algo de ontológico.
Esquecia-me de dizer: há muito tenho sintomas de tal doença, de que faço esforço para me libertar (curar), procurando tentar ser e não acontecer. Mas é muito, muito difícil. A pandemia não escolhe tempo, nem lugar.

Como as vacas loucas e as aves gripadas, é difícil prever exactamente quando ataca, e que formas assume, desde a festa de uma ciência, à benzedura das motas ou ao encontro nacional dos fabricantes de enchidos - embora seja previsível o modo e o tempo em que o perigo espreita: de forma permanente e sem vacina genérica à vista.
(As palavras acima não devem ser interpretadas como sinal de menor respeito nem pela festividade, nem pela beleza brilhante das motas, nem pelo conforto gastronómico... foram só imagens, exemplos para ilustrar).

Antropologia

Clique na imagem para aumentar

domingo, 27 de maio de 2007

Gyorgy Ligeti: "The Devil's Staircase" (L'escalier du diable)



Source: http://www.youtube.com/watch?v=1ZTaiDHqs5s

Quoting: "Imagine: You're in hell, and you want to get out. Piano Etude No. 13, "The Devil's Staircase" (L'escalier du diable) composed by Gyorgy Ligeti, performed by Greg Anderson."

Opus 20 Modern Masterworks: John Cage - Part 1



Source: http://www.youtube.com/watch?v=xhUDn4x2R6s

Opus 20 Modern Masterworks: John Cage - Part 2



Source: http://www.youtube.com/watch?v=EaVHOIN0sqI&mode=related&search=

Um texto importante para a história da FLUP



Trata.se de um contributo para o livro de homenagem ao Prof. Humberto Baquero Moreno, com o título acima indicado (3º vol.). Facilmente se encontra na biblioteca da FLUP. É uma co-edição da Livraria Civilização, Porto, e da FLUP (2003).
(clique nas imagens para ampliar)

Trabalho que reputamos útil

Toda a gente (pelo menos de arqueologia) conhece a revista editada pela FLUP- DCTP - Portugalia-nova série.
Facilmente se encontra na Biblioteca geral da FLUP ou do DCTP.
Creio que este trabalho é importante... como muitos alunos às vezes se me dirigem sobre esta questão das arquitecturas... crfeio que aqui está, em embrião, o gérmen de um novo caminho... muito inspirado em autores britânicos, nomeadamente Julian Thomas.
(Clicar nas imagens para aumentar)





revista on line http://configuracoes.planetaclix.pt/

Logo: Guida Casella


Não sei se alguém visita este portal...

Lá se encontram os seguintes textos meus (na maior parte são livros em primeira versão):

Ensaio

Vitrinas Muito Iluminadas

Informação, comunicação, investigação, inovação, interdisciplinaridade e mediação na sociedade actual – algumas notas prévias a uma antropologia de certos comportamentos contemporâneos

Qual é o meu caminho?

Quatro décadas depois.
Alguns percursos, encruzilhadas, Perspectivas e contributos no âmbito da arqueologia portuguesa - breve exercício de auto-reflexão retrospectiva

Poesia

Os Ardis da Imagem

O Feliz Regresso dos Artistas a Casa

Pequeno Livro de Aforismos seguido de
Algumas Alumiações

Livro de Horas, Iluminado Obliquamente



Claro que a ideia não era ficar por aqui... mas abrir a outras pessoas, que escrevessem em português, castelhano, inglês ou francês. Um trabalho publicado na net, numa revista registada com o seu ISSN, é curriculum...

Globalization


Taking advantages of globalization - some preliminary topics seen from Portugal

1. Globalization is unavoidable; it is a very old process that was always occurring to our species; obviously, this does not mean that this specific way of globalization that we are experiencing is good; in many aspects, it is horrible, creating exclusion, etc. But instead of wasting time saying the obvious I prefer to do something in order to contribute to overcome some negative aspects of the situation. Apocalyptic approaches are useless.

2. Communication is vital. It always was. It approaches people, “cultural traditions” and beliefs, promoting a better mutual understanding. The important point at stake is: which is the quality of that communication? Who may have access to it? Who is excluded and how can we try to overcome that? Communication was never just language, speech, but this one is very important to our species.

3. The language of global communication has nothing to do with our mother language. That is also a very old story (the Babel one). Each time people entered in contact they needed to understand each other. Sometimes we needed to understand and speak the dominant language, as Iberian people when Romans invaded us 2000 years ago. Portuguese language, that we prize now so much, is an output of that forced learning, of that encounter of different powers. In last instance, everything is political and economical.

4. The language of communication today is the English language. Those who do not speak, read or write in English (even if it is awful like mine), beyond their mother language, are condemned to isolation. Isolation was never good (in general meant death, except in Romantic imagination), but now it is radically negative.

5. To have English as a mother language is an advantage and is also a handicap. Because the world today is a networked and multi-vocal one. To know only one language is again to be isolated, even if it allows the faster access to many contents and products. That “diversity” may turn in the short term to a sort of illusion. In spite of a vast movement into translation (another keyword of our time), we know that the very act of translation is simultaneously a gain and a loss.

6. To be in the periphery (or in a semi-periphery) may be a useful location – although space and time today are very relative things – because we are moved into a surplus of effort that may be very fruitful, and we are perhaps better prepared to establish a dialogue between differences.

7. In spite of every negative aspect of capitalist neo-liberal globalization, revolution does not seem a solution, as proved by many well known examples. The struggle for rights and the effort to keep informed and busy, learning every day how to do things best, helping itself and the others, is for me a fundamental political option. Critical thought is not dead, even if we need to equate it through the language of the global empire. As we have seen before in history, empires fall down, and history will not stop in global frantic capitalism. Hope and action are also political options.

8. The power of thought, articulated with the “new technologies”, in the era of the image and the virtual, is enormous. We know that powerful organizations want to eat the whole cake; but, as long as we, common people, are not beasts, but educated persons, we will do our best to face the two big menaces of our time: the violence of the empire, and the violence of those who simplify everything, through terrorism. Both methods, both faces of violence are our obstacles to a world where mankind may leave in peace.

9. I know that you think that I am a dreamer and a naïf. But I believe in equal rights for every human being. No new born being has asked to be made; we shall assume a responsibility to the whole of mankind and we need to rebuild an ethics for it. Mankind does not live in a void, but in a world full of other species and rich in diversity and beauty, not only horror. We need to struggle for those values. We need to keep diversity and critical consciousness in order to have mutual respect and be in peace with our own minds.

10. We need to settle down and to think a bit, like if we were under an old and shadowy African tree. What have we lost? What can we still rescue from destruction? Which future do we have in common? Using internet, mobile phones if needed, and English language to communicate at a global scale, we may do nonsense and act like fools, but we may also focus in important issues. Together.


Photo: Pascal Renoux
reprod. permit.
http://www.pascalrenoux.com

Paisaje y Arte

El CDAN, Centro de Arte y Naturaleza de la Fundación Beulas en Huesca, ha abierto el plazo de matrícula para el curso “Paisaje y Arte” segundo de los cinco cursos dedicados monográficamente al tema “el paisaje” que se
celebrará del 25 al 29 de junio en Huesca, y que cuenta con la participación de ponentes de reconocido prestigio internacional en el campo de la investigación del paisaje.
El curso está dirigido a artistas, paisajistas, estudiantes y profesores
universitarios de estudios como Historia del Arte, Bellas Artes,
Humanidades, Arquitectura y estudios de postgrado relacionados con las arte o el paisajismo, así como profesorado relacionado con la enseñanza
de
disciplinas artísticas o paisajismo.
Tras el éxito del primer curso, que estuvo dedicado a analizar los aspectos
ontológicos y conceptuales del paisaje así como su incidencia en el
pensamiento actual, este segundo curso estará destinado a analizar las
relaciones entre “paisaje y arte”, desde los orígenes del paisaje como
término específico para designar un tipo de pintura hasta las complejas
relaciones que se han establecido hoy día entre las diferentes acepciones
del paisaje y las artes, tras el desbordamiento posmoderno de los géneros
tradicionales. El curso se desarrollará en cinco días consecutivos, en
sesiones de mañana y tarde, con tres ponencias diarias, una mesa redonda y alguna actividad complementaria, tal como la visita a algún paraj paisajístico de la provincia de Huesca, a alguna obra o exposición.
Para abordar estos temas se ha invitado tanto a teóricos e historiadores del arte y del paisaje como también a creadores del paisaje y a artistas que trabajan en y con el paisaje. El curso tendrá un carácter eminentemente teórico y crítico así como un nivel universitario, pretendiendo que las ponencias aporten nuevos elementos a las investigaciones que se están realizando sobre el paisaje en todo el mundo.
El curso está dirigido por Javier Maderuelo, Catedrático de Arquitectura del Paisaje de la Universidad de Alcalá de Henares.

Los profesores de primaria y secundaria obtendrán el reconocimiento
académico y administrativo del Gobierno de Aragón.
Los alumnos universitarios y los alumnos de doctorado inscritos en un
programa universitario de tercer ciclo, podrán obtener tres créditos
concedidos por el Departamento de Historia del Arte de la Facultad de
Filosofía y Letras de la Universidad de Zaragoza.



PROFESORES Y PONENCIAS
Paolo Bürgi, Profesor de Arquitectura del Paisaje. Facultad de Arquitectura.
Universidad IUAV. Venecia.
Del perímetro al horizonte: límites reales – límites imaginarios.
Georges Descombes, Arquitecto. Instituto de Arquitectura. Ginebra.
Superposiciones.
Horacio Fernández, Profesor de Historia del Arte. Facultad de Bellas Artes
de Cuenca. Universidad de Castilla – La Mancha.
La reaparición del paisaje en las artes visuales.
Manuel García Guatas, Catedrático de Historia del Arte. Universidad de
Zaragoza.
Cézanne y el cubismo: preámbulo y epílogo del paisaje moderno.
Mª Dolores Jiménez Blanco, Profesora, Titular de Historia del Arte.
Universidad Complutense de Madrid.
Significados del paisaje en la España moderna.
Javier Maderuelo, Catedrático de Arquitectura del Paisaje. Universidad de
Alcalá.
Paisaje: un término artístico.
José Carlos Mainer, Catedrático de Literatura Española. Universidad de
Zaragoza.
El paisaje en la novela: “La Voluntad” (1902), de J. Martínez Ruiz.
Josep Mª Montaner, Catedrático de Composición Arquitectónica. Escuela de
Arquitectura de Barcelona.
Paisajes reciclados.
Alberto Ruiz de Samaniego, Profesor de Estética y Teoría de las Artes.
Universidad de Vigo.
Revelación del lugar. Apuntes del caminar.
Martin Seel, Profesor de Filosofía. Universidad Johann Wolfgang Goethe.
Frankfurt.
Espacio-tiempo en el paisaje y en el arte.
Gilles A. Tiberghien, Catedrático de Estética. Universidad París 1.
El arte en los límites del paisaje.

MÁS INFORMACIÓN
Toda la información completa sobre la convocatoria y las características de
la matrícula se encuentran disponibles en la página web siguiente:
http://www.cdan.es/cdan_enlace.asp?IdNodo=2636
Si tienes alguna pregunta en torno al curso puedes solicitar información en
la dirección de correo electrónico info@cdan.es

You're going to die - narrated by Vito Acconci



Source: http://www.youtube.com/watch?v=MOY-jJeOeBk

Lacan et Cantor

Dans le cadre du groupe de recherche sur l'infini et la psychanalyse,
Conférence de Marcel Czermak
le samedi 23 Juin à 10h
à l'ALI
25 rue de Lille - 75007 Paris
Questions d'infini à partir de quelques bricoles cliniques


------------------------------------------------------------------------
Sur notre site vous trouverez la transcription de la dernière conférence de Marie-Charlotte Cadeau, ainsi que d'autres textes sur notre sujet de recherche :
http://www.drame-subjectif-de-cantor.net

------------------------------------------------------------------------
Programme 2007-2008
Les mathinées lacaniennes

Après les conférences sur l’infini et Cantor, nous proposons pour 2007-2008 des Mathinées lacaniennes. Elles auront lieu le samedi matin de 10h à 12h30.

De 10h à 11h un atelier animé par Henri Cesbron Lavau pour explorer les bases de la topologie et les écritures mathématiques utilisées par Lacan, par exemple:
- revenir sur la définition d' un ensemble,
- s'approprier les notions d' ouvert et de fermé,
- travailler les formules logiques de la sexuation …

De 11h à 12h30 nous poursuivrons la recherche déjà entamée sur l’infini avec un cycle de conférences autour du thème : L’infini, la folie et le féminin chez Lacan.

Programme prévu pour l'année :
le 6 octobre 2007 : Henri Cesbron Lavau : Les versants masculin et féminin de la limite

le 24 novembre 2007 : Norbert A’Campo : Géométrie des nombres rationnels
le 15 décembre 2007 : Jean-Jacques Tyszler : L’infini dans la clinique des psychoses
le 2 février 2008: Marc Darmon : Jouissance phallique et Jouissance Autre

le 22 mars 2008 : Marie-Charlotte Cadeau : La théologie négative

le 12 avril 2008 : Perle Israël et Virginia Hasenbalg : Infini et pas-tout
le 31 mai 2008 : Jorge Cacho : Infini et théologie (à confirmer)

Les participants sont priés de vérifier le programme sur le site de l’ALI : http://www.freud-lacan.com, ou sur le notre, http://
www.drame-subjectif-de-cantor.net.

Paz, pós-modernidade... extractos de uma troca de mails com um amigo

EU - Mas a paz é o pior que há!

AMIGO - Depende da perspectiva. Para mim paz pode ser a vida autêntica...

EU - Quem não quis sempre paz no sentido de estar bem consigo próprio(a)? A ideia não é essa, mas a de paz podre que desgraçou a minha infância, adolescência e juventude, a paz de Salazar, é essa que detesto... Subtil, com contornos muito doces, a da conformação interiorizada de molde a parecer aspiração própria (a velha ideia da “falsa consciência” marxista).

AMIGO - ... (o que contraria tudo o que postulam as teorizações sobre a pós-modernidade). Depois de um tempo de fascínio pelos autores pós-modernos, sucede-se agora, à medida que envelheço, uma necessidade da procura do autêntico (?) rejeitando a encenação.

EU - Sobre a pós-modernidade há uma confusão entre situação objectiva (já não somos como os primeiros modernos, mas não é porque tenhamos escolhido, vivemos neste momento da história...), situação essa a que podemos chamar pós-modernidade, modernidade tardia, sobre-modernidade, etc., e ideologia pós-moderna, que tem a ver com o desejo/rejeição de dizer que esta época é melhor ou pior que as anteriores, que é a ideologia do capitalismo neo-liberal, etc. Ora bem, há autores que teorizaram isto e foram mesmo de direita, ou derivaram para a direita; há os que denunciaram isto, à esquerda; e entre ambos há todas as cambiantes possíveis...
Por mim, procuro perceber o mundo em que vivo, também através do que sobre ele escreveram e escrevem os autores; as suas controvérsias; e distinguir entre o que são, digamos, problemas objectivos, contornáveis ou não, e opções subjectivas, que aliás (julgo não ser dogmático) mudam com o tempo. Porém mudam não ao sabor das modas, mas segundo uma lógica de procura. Mudam porque a lógica do pensamento, hoje, é a mudança rápida, a atenção e sensibilidade ao que se passa, sem nos deixarmos arrastar na lógica superficial e enganadora dos media. Eu não procuro encenações: estou, desde que nasci, dentro delas, e tento de vez em quando ao menos (leitura, reflexão, ESFORÇO que aliás se transmuta facilmente em prazer) sair do teatro e ganhar distância em relação ao estranho papel que me puseram, de algum modo, com a minha conivência em parte inocente, em parte obrigada, a representar...

AMIGO - A aproximação de Fromm a este conceito parece-me interessante para travar o relativismo radical.

EU - Conheço mal, mas pressinto que é capaz de estar desactualizado... Embora em todos os bons autores haja sempre algo que perdura, claro. Se me quiser resumir em 2 linhas o que acha da ideia dele, agradeço.

AMIGO - De resto quando identificamos a encenação não será porque andamos à procura do autêntico?

EU - Claro, mas o “autêntido”, da Bayer, quem o certifica? Ou seja, qual é o nosso referencial último para o valor? O dinheiro, esse é que é autêntico, numa sociedade capitalista (embora autenticamente virtual, dado ser um capital volátil e metafísico, existe porque existem transacções e fluxos, não existe em si, é como outras formas de energia)

AMIGO - Não sei. Nestes tempos tão estranhos é difícil encontrar A resposta; só uma multiplicidade de alertas, de pontos de vista cujos autores percorrem o mundo à procura de ouvintes para que esses ouvintes comecem a repetir as suas palavras para as reificar como verdades.

EU - Creio que:
- não há uma paragem, um ponto de chegada global – que alguém possa IMPOR ao outro como nas grandes narrativas que deram grandes chacinas – já é bom!
- é preciso trabalhar muito e começa-se a ver nós, articulações. Uma sociedade em malha acaba, se não nos prender nas suas malhas, isto é, se pelo esforço crítico conseguirmos ganhar recuo, por ser muito transparente a si mesma.É fascinante começar a PERCEBER, a fazer sentido. Fazer sentido é sempre uma sensação de felicidade... Para não dizer uma necessidade ontológica!

tarde


É muito tarde. Não vês como os móveis, as tapeçarias, os ornatos dos acabamentos repousam no interior da casa?
É muito tarde para, vinda sabe deus de onde, subires a escada, e te aproximares com esse silêncio de ameaça dos andares superiores, onde as pessoas, as crianças, os criados, enfim, todos os elementos de uma vida normal já dormem há horas.

Sei. As figuras que nos avisam sobre o futuro vivem de noite, dentro dos sonhos, e mesmo quando parecem estar há muito adormecidas na cave, ou pousadas entre os utensílios de cobre da cozinha, sobem quando lhes apetece.

Não imagino porém de que parte da noite vens. Se habitas o lago, se o pequeno labirinto de buxos, se o velho celeiro; ignoro se és, numa das tuas metamorfoses, companhia de ganços, ou de tílias ou de magnólias plantadas pelos meus avós.

Sei que tentei construir uma vida sem ti, imune a ti, e que desci e subi milhentas vezes estas escadarias - por onde agora aventuras os pés nus, como se eles tivessem um poder decisivo – para me dirigir a muitas finalidades. Espero um dia ainda descê-las pela última vez, segundo a minha vontade, até cair nos braços de quem guarda a porta, e ser levado como os outros.

Mas até lá, tenho de vestir e despir o pijama todos os dias, preparar-me para sair, cumprir com os deveres sociais, gerir mil pequenos conflitos, deitar-me com a minha cônjuge, beber com ela um chá quente no serviço antigo.
Por isso, se puderes, inverte o teu movimento, ou passa para o lado de lá de algum espelho. Sei que estarás a ver-me sempre, do outro lado, aguardando a tua adiada oportunidade. O mundo é injusto, e tudo se tem de fazer a determinadas horas, segundo determinadas regras, das quais os sonhos não estão isentos.

O poder e a ordem é isto, temos todos necessidade, tudo conforme, e nós conformados, quaisquer que sejam os fantasmas que subam e desçam numa marcha insensata, como figuras insensíveis de Escher ou mulheres alucinadas de Delvaux.
O resto está nos museus para admirarmos aos fins de semana, com a família, aproveitando os programas educativos.

Está tudo regulamentado, até o olhar atónito das rãs e dos sapos que esperam por ti, lá fora, no escuro da noite, à tona da água, quando sobre eles dirigires as assustadoras lanternas do olhar. Se és uma metamorfose de serpente, poupa-os na sua inocência, pelo menos mais uma vez.



Para i. v.
____________________
Foto: Jim Furness
reprod. aut.
Fonte: http://www.jfphotography.net/

Terry Eagleton:The meaning of life



Source: http://www.youtube.com/watch?v=t--KMaxdI90

Minhas leituras deste fim de semana...

Londres, Routledge, 2004 (2ª ed.) - livro muito bom!

Londres, Routledge, 1997 - muito interessante!

New York, Basic Books, 2003.
Dispensa apresentação. O autor vive em Dublin e dá aulas em Manchester. É um dos mais importantes pensadores marxistas contemporâneos. Existe na Bibllioteca da FLUP.

sábado, 26 de maio de 2007

Quoting "photography-now.com" news@photography-now.com

WANTED: Helmut Newton, Larry Clark & Ralph Gibson

Helmut Newton Foundation, Berlin
June 3rd - November 18th, 2007

Opening: Saturday June 2nd, 2007, 7 p.m.
Press Conference: Friday June 1st, 2007, 11 a.m.


Helmut Newton Foundation
Jebensstr. 2, 10623 Berlin
Germany
T: +49 30 3186 4825
F: +49 30 3186 4855
info@helmut-newton-foundation.org
www.helmutnewton.com
Opening hours: Tues-Sun 10am-6pm, Thurs 10am-10pm


After the outstanding success of the three part exhibition, "Men, War & Peace", the Helmut Newton Foundation (HNF) presents the work of its founder alongside that of two of his friends and contemporaries, Larry Clark & Ralph Gibson.
A selection of pictures that Helmut Newton published in his own magazine "Helmut Newton's Illustrated" between 1987 and 1995 are presented for the first time as a complete exhibition in the front three rooms of the foundation.
The central exhibition room is dedicated to two (in)famous bodies of work, "Tulsa" and "Teenage Lust", by the photographer and film-maker, Larry Clark. Created in the sixties and seventies, Clark revealed to us the world of teenage sex and drug use in a way that had been taboo up until that time. In this he was the most influential predecessor of photographers like Nan Goldin and Richard Billingham.
Clark's provocative book "Tulsa" was published in 1971 by Lustrum Press. This publishing company was founded by Ralph Gibson and through it he distributed his own photography books, "The Somnambulist", "Déjà-vu" and "Days at Sea", amongst others, as well as books by leading photographers of the day. A representative selection of B/W & Colour images from these and later projects by Gibson, are presented in the remaining exhibition rooms. His timeless, subjective imagery is known for its formal and abstract composition.

MEHDI BELHAJ KACEM

Esteve na Gulbenkian recentemente e deu uma entrevista curta mas muito interessante a António Guerreiro (Actual do Expresso de hoje, pp. 14-17).
A não perder!

Transcrevo apenas dois pequenos passos:

"(...) hoje, os novos fascistas apresentam-se como democratas. É uma nova intelectualidade de direita bastante dura, aquela que tomou o poder com Sarkozy."

"O situacionismo [refere-se a G. Debord e outros autores importantes] fez a definição da sociedade do espectáculo. Mas hoje encontro muito mais respostas em Hegel e Badiou." (...)




De: http://fr.wikipedia.org/
wiki/Mehdi_Belhaj_Kacem
Permito-me transcrever os seguintes dados sobre o autor
(o que obviamente não significa concordância com todas as afirmações!):

"Mehdi Belhaj Kacem quitte la Tunisie pour la France vers l'âge de 14 ans. Il écrit son premier roman, Cancer, à 20 ans, il sera publié l'année suivante, en 1994. Après deux autres romans salués par la critique, 1993 et Vie et mort d'Irène Lepic, il se trourne vers la philosophie avec L'Antéforme, Esthétique du chaos et Society et mène une carrière d'essayiste aussi radical que très controversé[1].

Il fait une petite apparition dans le film En avoir ou pas (film, 1995) de Laetitia Masson, où il apparaît au générique comme Medhi Ballaj Kharem (http://www.imdb.com/). Et il a joué comme protagoniste dans le film Sauvage Innocence de Philippe Garrel sorti en 2001, ce qui lui inspira un texte, issu de l'amour vécu avec l'actrice principale (L'Essence n de l'amour).

Durant la rédaction d' Esthétique du chaos, en 1998-99, il crée avec Chloé Delaume, qui deviendra brièvement sa femme, Franck Laroze, Boris Belay, Adrian Smith et Ferdinand Gouzon la revue EvidenZ afin de faire l'application concrète et collective des idées d' Esthétique du chaos. La revue était un projet communautaire politique et esthétique, qui devait interroger, à la suite de Georges Bataille (et de sa revue Acéphale) et de Maurice Blanchot la question de la communauté (questionnement que l'on retrouve chez Jean-Luc Nancy dont Mehdi Belhaj Kacem était proche). La revue connut durant presque une année une aventure commune avec la revue Tiqqun (N°1: Du désœuvrement), avant de s'ouvrir de 1999 à 2002 aux nouvelles textualités, puis de cesser sa parution, tant suite à la rupture avec Chloé Delaume qu'en raison de dissensions politiques internes[2] après les élections du 21 avril 2002. Dans son ouvrage La chute de la démocratie médiatico-parlementaire, il s'en prend notamment à l'écrivain Philippe Boisnard qu'il qualifie de "contre révolutionnaire".


Bibliographies

Grossièrement on peut présenter l'œuvre de Mehdi Belhaj Kacem selon deux catégories : romans et essais. Ses romans appartiennent à une première période, écriture moderne, voire caricaturalement moderne selon Pierre Jourde et la seconde période est celle d'essais, qui traduisent une vision politique qui tend peu à peu vers une forme de maoïsme héritée de sa relation à Alain Badiou.


Romans

* 1994 : Cancer (Tristram).
* 1994 : 1993 (Tristram).
* 1996 : Vie et mort d’Irène Lepic (Tristram).

Essais

* 1997 : L’Antéforme, (Tristram).
* 2000 : Esthétique du chaos (Tristram).
* 2001 : Society (Tristram).
* 2001 : Essence N de l’amour (Fayard/Tristram).
* 2002 : Théorie du Trickster, (Sens et Tonka).
* 2002 : De la communauté virtuelle (Sens et tonka).
* 2002 : La chute de la démocratie médiatico-parlementaire (Sens et tonka).
* 2004 : Evénement et répétition, préface d'Alain Badiou (Tristram).
* 2004 : L’affect (Tristram).
* 2004 : ExistenZ (Denoël).
* 2004 : Pop Philosophie, entretiens avec Philippe Nassif (Denoël).
* 2006 : La psychose française, les banlieues : le ban de la République (Gallimard)."



Maria Gabriela Llansol e Gonçalo M. Tavares premiados

Fonte da foto (de Alberto Frias): Expresso - suplemento Actual de hoje, 26 de Maio, p. 28

Maria Gabriela Llansol (foto acima) não tem comparação fácil com nenhuma escritora que conheço. É magnífica, genial, não há palavras!
O seu livro (difícil enquadrá-lo no género "romance") Amigo e Amiga. Curso de Silêncio 2004 (Lisboa, Assírio & Alvim, 2006), que preencheu o meu verão passado, no intervalo de pesados trabalhos de campo, é uma obra comovente e de uma beleza indescritível.
Ganhou o Grande Prémio de Romance e Novela da APE (Associação Portuguesa de Escritores), o que se previa - e não há-de ser o último prémio a galardoar este livro. Júri: Ana Mafalda Leite, Cristina Robalo Cordeiro, Fernando Pinto do Amaral, Luís Mourão e Silvina Rodrigues Lopes. Parabéns!

A Gonçalo M. Tavares foi dado (igualmente pela APE) o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco, pelo livro Água, Cão, Cabeça, Cavalo (Lisboa, Caminho, 2006). Outro grande e jovem escritor, ainda há dias aqui invocado...
Parabéns também!

Boas notícias para alegrar um país triste, onde só se ouve falar de dinheiro (ou, sobretudo, da sua falta, além de outras misérias.. que sem dúvida existem e afligem muita gente, mas hegemonizam praticamente os noticiários), e de que estamos todos a começar a ficar mesmo muito fartos!
Valham-nos os nossos criadores neste cinzentismo!

vento


no atlântico norte,

onde as aves pousam como as ilhas,
com as asas ainda abertas
pelo vôo;

onde não há ninguém,

só a nudez dos telhados de turfa,
dos líquenes sobre os afloramentos,

o pensamento torna-se mais nítido
na divisão das coisas;

dá a sensação, ilusória talvez,
de que o vento e o frio varreram o tempo

e a sujidade das pessoas,

e de que o riso se pode abrir de novo
à gargalhada antiga,
nas faces lavadas do amor.

aí, no norte,
onde as aves são irreconhecíveis
na sua língua local,
mas fascinantes, súbitas,

o texto anda frequentemente a pé,
orienta-se entre o ruído dos nevoeiros,
acerca-se dos lagos inverosímeis,
espelha-se neles,

com uma crença
que há muito julgava
impossível;

e lava todos os seus interstícios,

reencontra os cheiros
naturais do corpo

sadio, leve, pronto a partir
para outra ilha.




Foto: Jim Furness
reprod. aut.
Fonte: http://www.jfphotography.net/

afinal


afinal foi tudo um equívoco.

tu de facto estavas lá.
havia uma saída para o mar.
e a tua imagem indicava a direcção precisa.

e estavas natural, sem mistério algum,
as tuas brechas eram as das rochas,
as fissuras que há tanto tempo abrem e fecham
conforme são mais ou menos impregnadas
pela maresia e espuma,
pela matéria líquida
de que se faz, e fez também,
o nosso encontro, por acaso
desencontrado.

e estavas esticada, tão estendida
como pode estar a minha morte,
com toda a sua disponibilidade à minha espera

para me levar de novo
para dentro das rochas,
ganhando a rugosidade do fóssil,
vendo o sangue tornar-se azul,
voltando à geologia contigo,
ao marulhar eterno das vagas.

voj 2007


Foto: Jim Furness

reprod. aut.
Fonte: http://www.jfphotography.net/

CASTANHEIRO DO VENTO 2007 - is'nt it nice?


Next field season JULY 2007
Registrations - please contact Ana Vale:
ana.m.vale@gmail.com

Aspectos de York (fotos dos nossos "agentes" no Reino Unido)





... desta vez Ana Vale e Sérgio Gomes, bolseiros de doutoramento da FCT (ver outras postagens).

Acontecimentos arqueológicos no Algarve

5º Encontro de Arqueologia do Algarve
Data: 25, 26 e 27 de Outubro de 2007
Local: Auditório da Fissul - Silves
Organização: Câmara Municipal de Silves, Universidade do Algarve
Contacto para informações: telef: 282444100 email: arqueologia@cm-silves.pt



Lançamento da Revista XELB 7
Actas do 4º Encontro de Arqueologia do Algarve – Percursos de Estácio da Veiga
Auditório da Fissul, dia 27 de Outubro de 2007 – 18.00H

Entrevista de Lévi-Strauss, em particular sobre "Tristes Trópicos" (meados dos anos 80) - um documento interessante

Aqui:
http://www.unsa.edu.ar/teorias/
biografias.html



Comunicada por Marta Diaz-Guardamino

ver também:
http://www.clarin.com/suplementos/cultura/
2005/03/05/u-931987.htm
e:
http://www.clarin.com/diario/2005/05/22/
sociedad/s-05215.htm
e ainda:
http://www.cienciahoy.org.ar/ln/hoy53/
tristes1.htm#inicio

Shamans of the Amazon



Source: http://www.youtube.com/watch?v=9NZpOXj6u78

Fernando Savater entrevistado por Ana Sousa Dias



Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=c6Cw8c851Jg

Catarina Alves Costa



Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=w6_gZRVpTCg

Catarina Alves Costa fez um filme para o então IPPAR sobre Castelo Velho de Freixo de Numão que era importante estar no circuito comercial!

sexta-feira, 25 de maio de 2007

Yundi Li plays Chopin Nocturne Op. 9 No. 2



Source: http://www.youtube.com/watch?v=EvxS_bJ0yOU

Chopin Nocturne no. 8 op. 27 no. 2 by Maurizio Pollini



Source: http://www.youtube.com/watch?v=6cxkLZoEFEk

"She's Leaving Home"- interpretação (excerto) de Brad Mehldau (2006)



Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=0-1Wo9aTURg

Gravado em Pontevedra, Galiza.

Rufus Wainwright - Across The Universe



Source: http://www.youtube.com/watch?v=H71Fv3PcQQY

Rufus Wainwright - Going To A Town: Closed Captioned



Source: http://www.youtube.com/watch?v=gQCUDqKNl1s&feature=dir

Stacey Kent - Bratislava Jazz Days 2005



Source: http://www.youtube.com/watch?v=9s0ye34jDc4

Stacey Kent - The Boy Next Door



Source: http://www.youtube.com/watch?v=7NScBJtKkrk

quinta-feira, 24 de maio de 2007

Gonçalo M. Tavares


Admiro muito este jovem autor, que nasceu em 1970: romances, poesia, teatro, etc - muitos têm sido já os seus campos de expressão, sempre com resultados perturbantes no bom sentido do termo, claro, ou seja, aquele em que vale a pena pegar num livro e lê-lo.
Em 2006 publicou na Relógio d' Água (Lisboa) este livro, que para muitos será novamente desconcertante.
Mas para muitos seres deste mundo esse desconcerto... seria urgente!... os cientistas, os arqueólogos, tantos... precisavam de ler este livrinho. Um choque de água fresca, como no banho do verão, faz bem, revitaliza!

Apenas uma citação ao acaso deste livro de aforismos, pág. 62:

"Alcançar o início: a metodologia

" Tu não usas uma metodologia. Tu és a metodologia que usas.
(Ou: tu não chegas a um resultado. Tu chegas a uma metodologia.
Ou ainda: tu não provas um facto ou uma teoria, tu provas uma metodologia.)"


Na mouche!

E de novo Çatalhoyuk

http://www.smm.org/catal/

Adoro o modo como é feita a introdução a este site:

"Neste preciso momento... na Turquia...num sítio chamado Çatalhoyuk... pessoas estão a... fazer perguntas."

Nunca se questionaram?

Alerta para as estelas de Sion (Suiça) !

(Clique nas imagens para aumentar)




Chères et Chers Collègues,

pour que les stèles du Petit-Chasseur à Sion (Valais, Suisse) ne soient pas sacrifiées une deuxième fois et que vous puissiez encore les voir...

Signez SVP la pétition lancée par l'Association valaisanne d'archéologie pour soutenir le Musée cantonal d'archéologie de Sion et diffusez-la le plus possible auprès des collègues et personnes qui seraient intéressés!!!

Il existe aussi une version allemande, italienne et bientôt anglaise, que vous pouvez obtenir auprès de François Mariéthoz : francois.mariethoz@aria-sa.ch

Lien vers le Musée cantonal d'archéologie de Sion :
www.vs.ch/Navig/navig.asp?MenuID=2469

Très cordiales salutations
M. David
________________________________________________________________
Dr Mireille David-Elbiali
Moulins-de-Drize 15 - 1256 Troinex (Suisse)
Tél. prof. +41 / 22 / 379 69 85
E-mail: Mireille.David-Elbiali@bluewin.ch

Abre hoje a 77ª Feira do Livro do Porto

77ª Feira do Livro do Porto

Por alturas do mês de Maio os portugueses aguardam pela abertura das Feiras onde aproveitam para conhecer as últimas novidades editoriais, encontrar livros, autores e comprar a melhores preços os seus livros.

A Feira do Livro realiza-se há 77 anos consecutivos na cidade do Porto. A primeira Feira do Livro teve lugar na Praça da Liberdade em 1931. Depois de ter passado 10 anos na Rotunda da Boavista a Feira do Livro mudou-se para o Pavilhão Rosa Mota, onde se realiza este ano pela última vez.

Uma alteração, recente, do regulamento da Feira permite pela primeira vez a venda de livros em língua estrangeira. De salientar ainda que os livros com mais de 18 meses têm desconto livre pelo que os Editores vão praticar descontos de 20, 30, 40 e 50%, sem qualquer limitação regulamentar.

Datas e Horários:

Abertura – 24 de Maio, Quinta-Feira.
Encerramento no dia 10 de Junho, Domingo.

Horários: todos os dias, das 16:00h às 24:00h.
No dia 1 de Junho (Sexta-Feira), Dia Mundial da Criança, a Feira abrirá às 10:00h.


Fonte: Newsletter da APEL

Informação pessoal:
No stand da Campo das Letras os leitores poderão encontrar (ou solicitar) o meu livro de poemas "As Arqutecturas Sazonais" (Porto, 2003) pelo preço de saldo de c. de 3 euros.

Um poema para Fiama

EDITORA LABIRINTO
Apresenta antologia poética "Um Poema Para Fiama"




No âmbito do Dia do Autor Português que se comemora no dia 22 de Maio, a Editora Labirinto deu à estampa a antologia poética Um poema Para Fiama, que será apresentada no próximo dia 25 de Maio, pelas 18h30, na Casa Fernando Pessoa – Rua Coelho da Rocha, n.º 16, Lisboa.

Um Poema Para Fiama, será apresentada pela professora e escritora Maria Teresa Dias Furtado e da escritora Maria do Sameiro Barroso, organizadoras da obra.



Segundo Maria Teresa Dias Furtado que prefaciou Um Poema Para Fiama, "inscreve-se esta iniciativa editorial – entre muitas que certamente surgirão – num gesto sincero de homenagem à Obra Poética de Fiama Hasse Pais Brandão, que se destaca na Poesia Portuguesa como uma das maiores da segunda metade do século XX. Surge igualmente como manifestação espontânea de afecto neste momento de solidariedade e pesar, por já não a termos fisicamente entre nós.

Nesta altura em que os versos lidos, ouvidos e vividos por dentro, afluem à memória e ao coração, a reacção de muitos Autores que escrevem Poesia com preocupação de rigor, apresentou-se de imediato através do envio dos poemas que neste volume se publicam…"



O livro reúne ao longo das suas oitenta páginas, cinquenta e três inéditos dos seguintes autores: Alexandre Vargas, Anna Hatherly, Ana Marques Gastão, Angelina Costa Lima, António Graça Abreu, António José Queirós, António Salvado, Artur Coimbra, Carlos Vaz, Casimiro de Brito, Cláudia Storz, Daniel Gonçalves, Ernesto Rodrigues, Eva Christina Zeller, Fernando Guimarães, Fernando J. B. Martinho, Gisela Ramos Rosa, Gonçalo Salvado, Helena Carvalho Buesco, Henrique Manuel Bento Fialho, Inês Lourenço, Isaac Pereira, Isabel Cristina Pires, Jaime Rocha, Joana Ruas, João Ricardo Lopes, João Rui de Sousa, Joaquim Cardoso Dias, Jorge Listopad, Jorge Reis Sá, José Agostinho Baptista, José Félix Duque, José Manuel de Vasconcelos, José Tolentino Mendonça, Josiane Alfonsi, Luís Quintais, Maria Andresen, Maria do Sameiro Barroso, Maria João Fernandes, Maria João Reynaud, Maria Teresa Dias Furtado, Maria Teresa Horta, Paulinho Assunção, Pedro Eiras, Pompeu Miguel Martins, Regina Gouveia, Rita Taborda Duarte, Rui Costa, Ruy Ventura, Urbano Tavares Rodrigues, Valter Hugo Mãe, Victor Oliveira Mateus, Vítor Oliveira Jorge e Maria Figueira da Silva, artista plástica, autora da pintura da capa.

A arqueologia e o público: a "maneira" de I. Hodder em Catalhoyuk, Turquia



Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=S0vGY6dxzkI

Democracia... ou certa simplificação um tanto demagógica desta difícil articulação?...
De qualquer modo, a ideia de multi-vocalidade e de que a "arqueologia" não pretence aos arqueólogos é, a meu ver, muito positiva!

Paisagens monumentais: USA (Atlanta)



Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=9ZWyHEg9ELg

quarta-feira, 23 de maio de 2007

Ver o passado



Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=TcGBnVI0gM0

Ireland: the Tara controversy

Source: http://www.youtube.com/watch?v=PtdK6ytIBg0
Note: The reproduction of this video does not mean that we necessarily subscribe to its statements.

terça-feira, 22 de maio de 2007

Conférence de Zizek à Paris

Slavoj Zizek
La mort de Lacan

Conférences - débats - rencontres

30 mai 2007

19h30

Centre Pompidou - Petite salle

Entrée libre

Diffusé en direct sur internet:
http://www.
centrepompidou.fr/
Pompidou/Manifs.nsf
0/153F2BBABD21AF7
BC125729200520D52?
OpenDocument
&sessionM=2.6.2&L=1


"Conférencier infatigable, théoricien truculent, auteur profus (une douzaine de titres traduits en français, pour une vingtaine en anglais), Slavoj Zizek est né en 1949 à Ljubljana, en Slovénie, où il enseigne aujourd'hui ainsi que sur plusieurs campus nord-américains.
Interlocuteur et complice des grandes voix critiques du champ intellectuel mondial (dont il est sans conteste l'une des figures les plus originales), d'Alain Badiou à Judith Butler et Peter Sloterdijk, Zizek est un penseur-carrefour, situé au confluent de la tradition
hégéliano-marxiste et de la psychanalyse lacanienne, mais aussi de l'histoire de la philosophie et des
« blockbusters » de la pop culture — capable de débusquer Heidegger au détour de Men in Black ou
la topologie lacanienne dans le cinéma de David Lynch.

Théoricien critique du sujet et de l'identité, il ne se résout pas pour autant à les dissoudre dans le relativisme postmoderne, préférant les confronter sans cesse à l'actualité culturelle et politique mondiale. Parmi ses essais les plus récents : Le Sujet qui fâche (éd. Flammarion 2007), Bienvenue dans le désert du réel (éd. Flammarion 2005), Plaidoyer en faveur de l'intolérance (éd. Climats 2004), La Subjectivité à venir (éd. Flammarion 2004) ou Le Spectre rôde toujours (éd. Nautilus 2002). "

(Merci à LS de cette information)

Seminário sobre o conceito de espaço

(clique para aumentar a imagem)

Inscrições (gratuitas) pelo mail: estudosavancadosreabilitacao@fa.utl.pt

Saudades de Espanha, nostalgia do Sul



Umas fotos da Mesquita de Córdova, enviadas pela amiga LM, bem como este texto:

un dia de mayo, a Córdoba volví,
y una parte de mi, se ha quedado allí
entre las piedras y la juderia
entre las ruinas y el olor a jazmin,
entre los naranjos y las teterias,
allí, yo, me quedaría....

Gracias!

New man??

" It would be nice to be able to define what is specific to our modem scientific culture. It would be still nicer to find the most economical explanation (which might not be the most economic one) of its origins and special characteristics. To arrive at a parsimonious explanation it is best not to appeal to universal traits of nature. Hypotheses about changes in the mind or human consciousness, in the structure of the brain, in social relations, in “mentalités”, or in the economic infrastructure which are posited to explain the emergence of science or its present achievements are simply too grandiose, not to say hagiographic in most cases and plainly racist in more than a few others. Occam’s razor should cut these explanations short. No “new man” suddenly emerged sometime in the sixteenth century, and there are no mutants with larger brains working inside modern laboratories who can think differently from the rest of us. The idea that a more rational mind or a more constraining scientific method emerged from darkness and chaos is too complicated a hypothesis."

Latour, B. (1986). Visualization and cognition: Thinking with eyes and hand. In H. Kuklick & E. Long (Eds.), Knowledge and society: Studies in the sociology of cultures past and present (Vol. 6). London: JAI Press.

segunda-feira, 21 de maio de 2007

Até que enfim! Mais um assunto quase-tabu (cá...) que entra na Universidade...

A UNIVERSIDADE DE COIMBRA VAI ABRIR NO ANO LECTIVO DE 2007-2008 UM PROGRAMA DE MESTRADO EM ESTUDOS FEMINISTAS


Directora Científica: Professora Maria Irene Ramalho Sousa Santos
Contacto: mirbss@mail.telepac.pt

Coordenadora Executiva: Adriana Bebiano
contacto: adrianab@mail.telepac.pt




Para informações detalhadas consultar www.uc.pt/geaa/

Mais uma das milhares de páginas web sobre psicanálise


http://www.effet-freudien.com/

FLUP- DCTP arranca com os 3 ciclos de Bolonha


... no próximo ano lectivo de 2007-2008.
Como se anunciou neste blog, já foram publicados em Diário da República o 2º e o 3º ciclos, esperando-se para breve a publicação do 1º.
Vai ser exigido um grande esforço de adaptação a todos, discentes e docentes.
A licenciatura fica reduzida a três anos, o que, para habilitar alguém a considerar-se arqueólogo, exigirá decerto a sua passagem ulterior ao 2º ciclo, pelo menos. O 2º ciclo (mestrado) tem para já um "numerus clausus" de 20, e o 3º (doutoramento) de 15 alunos.
Torna-se cada vez mais óbvio que, nestes novos tempos, o doutoramento tenderá a ser a habilitação própria para uma pessoa que queira ir um pouco além da mera "arqueologia como técnica". Pessoalmente preocupa-me que essa possibilidade, dada a previsível escassez de bolsas, venha a ser apenas para uma elite. Oxalá me engane! A licenciatura de Arqueologia da FLUP, que se iniciou em 1999/2000, e foi a primeira em Portugal (como já o nosso mestrado, iniciado em 1989/1990, tinha sido o primeiro do país, quando alguns auguravam que esses mestres iam para o desemprego, o que felizmente se não verificou), tinha quatro anos e incluía obrigatoriamente Trabalhos Práticos, que envolviam normalmente a participação em escavações, obviamente não financiadas pela Universidade, cujo orçamento não comporta tal.
Era através da benevolência de certas entidades e de projectos dos professores que os estudantes em regra participavam em escavações de forma gratuita, com formação, alojamento, alimentação, etc., tudo à borla e a contar para os seus "créditos".
Infelizmente essa época acabou, tendo agora mais do que nunca de se realizar protocolos com câmaras e outras entidades no sentido de procurar, no futuro, incrementar a colaboração entre as universidades que formam as pessoas, e potenciais organismos de acolhimento/apoio.
Se a arqueologia é uma actividade socialmente útil, é importante que o conjunto da sociedade apoie o nosso esforço.


Em cima: estudantes de arqueologia da FLUP em visita recente ao Crasto de Palheiros, orientada pela Prof.ª Maria de Jesus Sanches, da FLUP (coordenadora da secção de Arqueologia) (foto de Susana Nunes)
Contacto do DCTP da FLUP:
dctp@letras.up.pt
telef.: 226077172 (secretária: D.ª Sandra Carneiro).
O DCTP-FLUP dispõe também de um Laboratório de Conservação e Restauro (técnica: Dra. Lídia Azevedo), cujo responsável é o mesmo da revista que publicamos, bem conhecida do meio arqueológico nacional: "Portugália- nova série" - Prof. Mário Barroca.
O DCTP-FLUP tem três secções: História da Arte, Arqueologia e Museologia.
Em arqueologia, os actuais directores de curso, segundo o novo figurino de Bolonha, são a Prof.ª Teresa Soeiro (1º ciclo) e o autor deste blog (2º e 3º ciclos).