I am not

I am not
quotation

domingo, 15 de novembro de 2009

arte(s) do verão




Toda a arte do verão se debruçar

Sonolento

Sobre o resto do ano


Está aqui


O mesmo movimento

Das árvores inclinadas

Pelo peso do vento parado


Das forças que atravessam

E dilatam as polpas,

Espalhando os pólenes


Está aqui


Atravessando os lábios

De carumas, de maresias

Que vêm do interior


E picando a vista

Com alfinetes de luz

Que circulam pelo corpo


Sob os pinhais do desejo

Reclinados amorosamente

Sobre o resto do ano


Aspirando-se de longe

Um certo mar, o teu marulhar

Íntimo, interior, tão parado


Na perfeição do rosto

Completa doação, espera

Sublime da visitação


Do indizível, da bruma que paira

Acima da luz nítida do movimento

Que sobre ti se debruça


Sobre os teus lábios como sobre

O resto do ano

Sobre os teus lábios como as agulhas

Do pinhal


Sobre o incêndio de uma estação

Inesperadamente recostada sobre

Todas as outras


E o marulhar da ternura ao longe

Como vaga, como algo que caminha

Sobre todas as toalhas do chão


Estendidas sobre e sob

O enigma deste encontro

Entre a retina da foto e o teu rosto


Este morticínio que a fotografia

Cruelmente faz à doação dos lábios


Este formigueiro de agulhas

Em tudo o que se reclina sobre

A eternidade, e exige com veemência


O presente. O que está aqui.


As agulhas do verão descendo sobre os lábios.
Com uma lentidão parada
Com uma ternura excessiva, vampírica

Como se uma grande capa verde descesse
Ao longo de todo o verão
Querendo beber o vermelho dos teus lábios

Reclinadamente

Até à última gota

Até ao resto das estações.




_______________________________________
Foto Niki Nika (rep. autorizada)
Fonte: http://www.facebook.com/photo.php?pid=37602&id=100000397103713
texto voj nov. 09 porto


2 comentários:

AnaMar (pseudónimo) disse...

Como pode uma simples imagem fazer brotar tão belas palavras?
O tempo de todas as Estações. Sem princípio nem fim.
Ilusões?
Desfila o Outono da Primavera das Emoções.
Acontece o Inverno no Verão das fogueiras por arder.
E é noite de Lua Cheia nas letras por escrever.
Bj

Vitor Oliveira Jorge disse...

É uma imagem muito boa.
Se não puder ir ao lançamento na terça-feira, o que eu muito gostaria, se puder incentive amigos(as) a ir. É um grande favor. Há o receio da divulgação ter sido insuficiente e o esforço que vou fazer é grande - mudança de aulas,preços de deslocação e estadia, um apresentador notável, para no fim estar uma sala vazia ou quase (já me aconteceu). Há um sistema perverso que impulsiona sempre os já mais conhecidos.
Obrigado.
Bj
Vítor
pedindo desculpa pelo prosaísmo, mas inquieta-me a situação a dois dias do lançamento.