I am not

I am not
quotation

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

TGV


Preço do bilhete que paguei (compra antecipada, via net) pela viagem em 1ª classe Montpellier - Paris (Gare de Lyon) no dia 15 de Janeiro p.p. (cerca de 3 horas e 20 m. de viagem com o conforto de ir sentado num maple) - 39 euros.
Há vários voos diários mas toda a gente utiliza o TGV, é claro.
Por isso às vezes faz-me impressão a polémica em volta do TGV em Portugal, país periférico da Europa.
A questão é, para além dos detalhes e inúmeros problemas técnico/económico/políticos de pormenor: por que não está já o TGV a funcionar em Portugal?
Por que teremos de sofrer ainda mais alguns anos sobre os carris da CP, concebidos nos tempos de Salazar?
Há coisas em que o caro sai barato, e o adiar sai mesmo muito caro!
Não há pachorra.
Já agora: por que terão os que chegam de avião a Lisboa de aterrar no meio da cidade, com todo o perigo inerente e incómodo dos que lá vivem?

4 comentários:

JMM disse...

sem qualquer dúvida que um bom serviço ferroviário faz falta ao País. a questão será, porventura, se esse serviço passa pelo TGV. levanto a questão porque vemos, todos os anos, a CP a fechar linhas, a reduzir o número de viagens, a aumentar o preço dos bilhetes. vimos, há não muito tempo, o Estado a comprar os Pendulares, que apesar de serem bastante rápidos não têm as infra-estruturas necessárias para atingirem a sua velovidade máxima. e vamos assistir à construção de uma linha de alta-velocidade onde, segundo os peritos, o comboio não poderá atingir grande velocidade devido à curta distância que se verifica entre estações. por outro lado, temos um país extremamente empobrecido, com elevados índices de pobreza e desemprego. quer-me parecer que poucos portugueses terão oportunidade de o experimentar alguma vez na vida... o que irá levar, inevitávelmente, a uma subida dos preços dos bilhetes.
e isto tudo para levantar uma outra questão: será o TGV a prioridade para Portugal? será que isso vai resolver os problemas das pessoas? ou irá apenas servir para as elites e para aqueles que, com a sua construção, vão meter uns milhões no bolso?

Vitor Oliveira Jorge disse...

Não é só um TGV para circular no país que faz falta, para sobretudo para colocar as nossas mercadorias na Europa, pois vão por estrada e em Tirs, o ques encarece imenso o preço. Temos de ter consciência de que vivems numa PERIFERIA da Europa, pelo que a chegada ao centro é crucial. Se formos a querer "cortar as unhas rente" e a eliminar um investimento público desta natureza ficaremos cada vez mais atrasados. Os Pendulares já têm 10 anos e nem em 1ª classe, onde são caríssimos, têm condições de jeito, mesmo sanitárias. Vamo-nos cantonar na miséria, sempre invocando a pobreza e ficando cada vez mais pobres?... Eu sei que tudo isto é muito mais complexo, mas creio que a opção dos transportes rápidos é de facto crucial. E até aos arqueólogos (aos meus alnos) dará trabalho !

Vitor Oliveira Jorge disse...

A mensagem anterior acabou por sair com alguns erros, mas creio que se entende.

JMM disse...

e o Professor nem imagina o quanto eu, como arqueólogo, desejo o TGV!
concordo na generalidade com essa ideia da "ligação à Europa". mas não posso deixar de questionar, uma vez mais, por que raio anda então a CP a fechar linhas atrás de linhas (caso da Linha do Minho, que faz a ligação a Vigo, e que tem os dias mais ou menos contados - viu já grande parte do troço original ser cortado). Se é para apostar na ferrovia, aposte-se! mas sem hipocrisia.