sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

le passé

CD: France Culture, 2004.

Michel Foucault:

"Je ne m' intéresse pas au passé pour le faire revivre, mais parce qu' il est mort"



1 comentário:

ArtemInvenite Manuel de Castro Nunes disse...

Seja, uma vez que o julga morto, pode exumá-lo, sem o fazer reviver. A ambiguidade também pode ser sábia...
«Desejara que neste momento à minha voz presidisse um ininterrupto sussurro oriundo de muito longe (...)». Tradução livre.
A voz dos mortos, consubstanciada na sua, sem reviver.
Insondável anseio, o de mergulhar na morte sem prescindir da vida.
A necrofilia pode ser um operacional instrumento mental de sobrevivência.
E é nesta ambiguidade que reside o sortilégio de Foucault.