sábado, 27 de março de 2010

a origem da pergunta

conheces um seixo, um seixo rolado?

foi com ele que deus criou o mundo,

junto às águas negras, de um negro brilhante,

no mar primordial.



deus ergueu uma vez o seixo,

ergueu-o bem alto com as suas mãos.

e cintou-o, e disse: nasceu a Mulher.



e deus ergueu a Mulher, ergueu-a bem alto,

e disse: eu te fecundo, eu te preencho,

eu te insemino para que de ti saia o Homem,

todos os seres humanos.



e a mulher tornou-se redonda,

a lua branca pousou suavemente

sobre os seus cabelos, e

a Terra povoou-se.



e então deus ergueu uma vez mais o seixo

e deixou-o cair pesadamente

sobre a sua própria cabeça.



e disse: este é o meu sangue, que o solo

o beba, que o solo o absorva, que ele brote para sempre

de todo o lado,

como sangue vivo, como

água cristalina.



e sobre o céu ergueram-se dois diamantes.

deus ergueu-se então entre os cristais,

deus ergueu-se entre os diamantes,

e desapareceu então no vazio escuro entre eles.



deixou-nos aqui nesta ilha sobre as águas,

sob um céu polvilhado de cristais brilhantes e longínquos,



deixou-nos aqui rodeados de seixos muito brancos

com os olhos muito abertos,como seixos redondos,



e neles vêm, desde sempre e para sempre,

espraiar-se as ondas da Interrogação.



vitor oliveira jorge

Março 2010

5 comentários:

maria josé quintela disse...

belo!


e provável...


.

Juci Barros disse...

Gostei muito do que escreve. Parabéns, o espaço é muito bom.
http://compromissocomoacaso.blogspot.com/

maria manuel disse...

belo poema!
em que, pessoalmente, leio a ausência de um deus num mundo humano pleno de "interrogações".

abraço.

Ruy Ventura disse...

Gostei do poema cosmogónico!

Vitor Oliveira Jorge disse...

Obrigado a todos!