I am not

I am not
quotation

domingo, 9 de maio de 2010

NATHALIE HEINICH

No âmbito do Ciclo DOCUMENTE-SE! Sentidos do Reconhecimento, estará presente na FLUP a socióloga NATHALIE HEINICH para uma conferência sobre Arte e Reconhecimento: “Art and Recognition”.

No dia 14 de Maio, na Sala de Reuniões da FLUP, às 17h30.


Sinopse
A questão do reconhecimento, tal como ela se impôs nos últimos anos nas ciências sociais graças a autores como Honneth, Fraser, Todorov e alguns outros, é de grande interesse para a sociologia da arte, já que esta tem em consideração os problemas concretos que o reconhecimento coloca aos actores. Por outro lado, a questão da arte permite evidenciar um certo número de pontos presentes nas teorias do reconhecimento. As actividades artísticas, ao reforçarem e legitimarem as desigualdades de competências e “les écarts de grandeur” entre as pessoas, exacerbam as tensões, teóricas e práticas, entre as diferentes concepções do reconhecimento e, nomeadamente, entre respeito e estima, incitando os actores a elaborar compromissos de acordo com a axiologia democrática. Neste sentido, a questão do reconhecimento tende a deslizar de uma problemática do respeito, muito querida dos filósofos, para uma problemática – bastante menos consensual – da estima, obrigando a questionar as condições de uma desigualdade equitativa em democracia.



Nota biográfica

Nathalie Heinich é socióloga, directora de pesquisa no Centre National de Recherche Sociale (CNRS), membro do conselho editorial das revistas Sociologie de l’art e Music and Arts in Action. Para além dos diversos artigos publicados em revistas científicas ou culturais, publicou obras sobre o estatuto do artista e a noção de autor (entre outras, “Le Triple jeu de l’art contemporain”, Minuit, 1998); sobre a questão da identidade (entre outras, “États de femme”, Gallimard, 1996; “L’ Épreuve de la grandeur”, La Découverte, 1999; “Mères-filles, une relation à trois”, Albin Michel, 2002, com Caroline Eliacheff; “Les Ambivalences de l’émancipation féminine”, Albin Michel, 2003); sobre a história da sociologia (entre outras, “La Sociologie de Norbert Elias”, La Découverte-Repères, 1997; “Ce que l' art fait à la sociologie”, Minuit, 1998; “La Sociologie de l'art”, La Découverte-Repères, 2001; “La Sociologie à l’épreuve de l’art. Entretiens avec Julien Ténédos”, Aux lieux d’être, 2006 [vol. 1], 2007 [vol. 2]; “Pourquoi Bourdieu”, Paris, Gallimard, 2007). Publicou ainda “La Fabrique du patrimoine” (Maison des Sciences de l’Homme, 2009) e “Le Bêtisier du sociologue” (Klincksieck, 2009). Os seus livros e artigos estão traduzidos em quinze línguas.


http://www.serralves.pt/webmail/Documente_se_2010_2/Documente-seMom2_13MAI_1.html

Sem comentários: