I am not

I am not
quotation

domingo, 28 de fevereiro de 2010

A useful new book



The Derrida Dictionary (Continuum Philosophy Dictionaries) (Paperback)

by Simon Morgan Wortham

Paperback: 272 pages

Publisher: Continuum International Publishing Group Ltd. (8 July 2010)

ISBN-10: 1847065260

ISBN-13: 978-1847065261

“This is an A to Z guide to the work and thought of one of the most important and influential European thinkers of the twentieth century. "The Derrida Dictionary" is a comprehensive and accessible guide to the world of Jacques Derrida, the founder of deconstruction and one of the most important and influential European thinkers of the twentieth century. Meticulously researched and extensively cross-referenced, this unique book covers all his major works, ideas and influences and provides a firm grounding in the central themes of Derrida's thought. Students will discover a wealth of useful information, analysis and criticism. A-Z entries include clear definitions of all the key terms used in Derrida's writings and detailed synopses of his key works. The Dictionary also includes entries on Derrida's major philosophical influences, such as Sartre, Foucault, Lacan and Levinas, and those he influenced and engaged with, including Heidegger and Freud. It covers everything that is essential to a sound understanding of Derrida's philosophy, offering clear and accessible explanations of often complex terminology. "The Derrida Dictionary" is the ideal resource for anyone reading or studying Derrida, Deconstruction or Modern European Philosophy more generally. "The Continuum Philosophy Dictionaries" offer clear and accessible guides to the work of some of the more challenging thinkers in the history of philosophy. A-Z entries provide clear definitions of key terminology, synopses of key works, and details of each thinker's major themes, ideas and philosophical influences. The Dictionaries are the ideal resource for anyone reading or studying these key philosophers.

About the Author

Simon Morgan Wortham is Professor of English at Kingston University London, UK. His previous publications include Counter-institutions: Jacques Derrida and the Question of the University (Fordham University Press, 2006) and Samuel Weber: Acts of Reading (Ashgate, 2003). “

Source: http://www.amazon.co.uk/Derrida-Dictionary-Continuum-PhilosophyDictionaries/dp/1847065260/ref=sr_1_3?ie=UTF8&s=books&qid=1267380030&sr=1-3

Corpo, Sexo, Género e Ciência Médica


Comunica o Centro de História da FLUL:

O Centro de História, através da sua linha de investigação Modelos Identitários, em colaboração com o Centro de Estudos de História e Filosofia da Ciência, vem pela presente divulgar o II Curso de História das Ciências da Saúde, subordinado à temática «Corpo, Sexo, Género e Ciência Médica», e sendo coordenado pela Professora Ana Maria Rodrigues. O Curso decorrerá entre 9 de Março e 11 de Maio, todas as terças-feiras, entre as 18h00 e as 20h00, no Anfiteatro III e IV da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. A inscrição importa no valor de 110EUR, sendo de 80EUR para alunos. As inscrições poderão ser efectuadas presencialmente, ou mediante envio por correio, em cheque, ou numerário. Para mais informações, queira por favor contactar o Secretariado.

Com os melhores cumprimentos,


José Varandas

Subdirector

________________________________


Centro de História

Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Alameda da Universidade - 1600-214 LISBOA / PORTUGAL

Tel.: (+351) 21 792 00 00 (Extensão: 11610) - Fax: (+351) 21 796 00 63

E-mail: centro.historia@fl.ul.pt

URL: http://www.fl.ul.pt/unidades/centros/c_historia/index.html



sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Madeira




EQUIPA FAROL DE IDEIAS:
Reportagem: Sílvia Camarinha
Imagem: Sérgio Morgado
Edição: Marco Miranda
Apresentação: Maria Grego
Coordenação Editorial: Arminda Deusdado

EMISSÃO:
Esta Reportagem foi para o ar no Biosfera em Abril de 2008.

COPYRIGHT
© RTP/ Farol de Ideias 2008
Fonte: http://www.youtube.com/watch?v=aTf0h3nobAs

Na FLUP - Pedro Eiras sobre Mª Gabriela Llansol

Na próxima 4ª feira, dia 3 de Março, às 17h30, o Professor Doutor Pedro Eiras, proferirá uma conferência intitulada "A dobra e a arquitectura. Bach em Maria Gabriela Llansol". A conferência, que se integra no ciclo de palestras "Contraponto: Euterpe e as Musas", promovido pela Secção de Literatura e Cultura do Deper, dará o mote de encerramento a este ciclo de reflexões em torno das relações entre a literatura e a música.

O evento terá lugar na Sala de Reuniões, no 2º piso da Faculdade de Letras do Porto.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Disposta a tudo...

A comparação de Portugal à Grécia, realizada ontem pela (ainda) líder do PSD, demonstra bem a vontade de poder do seu partido. É a mesma vontade que está por detrás do jornalismo que temos tido. Enfim... dispostos a tudo.

Este blogue contém...



... mais de 200 poemas.

Peço a quem se interesse que faça aqui uma busca por essa palavra... e também, se desejar, que ouça no facebook c. de uma centena de poemas que eu gravei lá em video...
Obrigado!

Ultimamente ando também muito virado para a fotografia:
olhares.com - posto lá por dia 3 fotos na minha (modesta) galeria...passei a andar com uma câmara no bolso para todo o lado, estilo pistola. Mas não mato ninguém.


quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Prometheus 2010 - very important !


Applicant information

Prof. Dr. Ursula Renner Henke (Universität Duisburg-Essen)

Prof. Dr. Claus Leggewie (Kulturwissenschaftliches Institut Essen)

Dr. Peter Risthaus (Ruhr-Universität Bochum)

Date

30.08 – 08.09.2010

Frame

The ancient myth of Prometheus deals with the decline of energy resources. Energy is a gift of the Gods. Since Prometheus, the titan, cheated the father of the Gods at the sacrifice meal, Zeus takes away the fire from humanity: raw food can no longer be turned into cooked food, the embers of the blacksmiths go out. It is the end of technology before it had even begun. There is no more fire in the oven which provides a pleasant microclimate in which family sociability can develop as well as scientific ideas or the dreams of poets. Only an outrageous deed can bring back the fire to man: Prometheus lights a long fennel stick at the sun chariot of Helios and with its preserved embers, gives back the fire to humanity. Zeus’ punishment is terrifying: through Pandora’s Box he sends fever and sudden death, desperation and misery into the world. Prometheus himself gets chained to the Caucasus deprived of food where the eagle Ethon eats his liver, which grows back every day to the immortal. Only Herakles’ power can save him from his predicament.

The age-old question as to where our energy comes from is as topical today as ever. In fact it is the question of all questions for the future: fossil fuels are running out, or can only be obtained at high risk and enormous costs. The world’s population explodes, and so does our energy consumption. Their waste products damage the climate just as much as other ecological systems. Their permanent waste storage causes many problems. Nowadays humans are even taking fuel from Helios’ chariot. Renewable energy such as sun, wind or waterpower is intended to replace fossil fuels. The solution to all energy problems, as promised by the energy industry and futurology, could be solved by nuclear fusion or even star power stations.

But the questions of where our energy comes from cannot merely be solved technically. It is also a question of how humans saw themselves as energy generating and using beings in the past and see themselves in the future. Not only scientists but also artists, psychoanalysts, information theorists, cultural studies experts, researchers on creativity and last but not least esotericists speak of “energies”. Energy is without doubt one of the most important concepts of modernity. The days where only one myth told us where our energy comes from, which rivalries it produces and which social relevance it has are long gone. Science itself takes the place of the myth, whose achievement it has always been, to put into words the whole complexity of being and its origin. But simple answers are not to be expected anymore, and certainly not from technological innovation alone. Right at the side of the technician Prometheus stands his brother who keeps acting as his shadow. In contrast to his brother who always is the foresighted one he is always too late. Epimetheus, who received Pandora’s Box from Zeus although his brother had warned him not to do it, has to reconsider in hindsight the effect that gift had had. The question where our energy comes from can only expect a satisfactory answer within a cross-generational society of people practicing fore- and hindsight.

Format

The summer academy will be a combined event of public evening lectures that are meant for a broader audience and a closed “master seminar” open only to selected scholarship holders and some invited guests in which excellent scholars of various disciplines work and discuss with junior scientists. The senior fellows from a group of scholars working on the subjects mentioned above. The junior scientists are recruited by way of a call for papers and a separate request to the promotion committees of academic foundations or to international graduate schools. The participants will be 5 tandems of 2 senior fellows, 30 junior scientists and approximately 15 students with high potential. The summer academy will last 10 days, the classes will be taught separately and together. The classes will be complemented by the daily evening lectures which are open to the public as well, a supplementary program with special guests with practical experience in literature, music and theatre, a film program on the “Prometheus” theme and an “Energy Tour Ruhr”. The conference languages are German and English. The event will be prepared and revised with regard to content, organised and coordinated by an assistant designated for that purpose.

Location

Zeche Zollverein / Essen (NRW)

Adress

Postdocs, Postgradates, People with special intrest

Classes

Masterclass 1: Working-energys (Bernard Stiegler, Paris / Erich Hörl, Bochum)

Masterclass 2: Poetic energys (Albrecht Koschorke, Konstanz / Karl-Siegbert Rehberg, Dresden)

Masterclass 3: Elektric cities (Ingrid Breckner, Hamburg / Rolf Lindner, Berlin)

Masterclass 4: Mental energys (André Michels, Luxemburg / Martin Stingelin, Dortmund)

Masterclass 5 (Film): Glued power (Vinzenz Hediger, Bochum / N.N.)

Overlapping lecture: Myth of Prometheus

Overlapping class (music): Energetic voices (Rupert Huber, Mitglieder des Chorwerk Ruhr).

Workshop: Energy: technic, economie, politics

Scholarship:
All selected applicants get a scholarship between 600€ and 800€ to cover the expenses

Ergebnisse

The results will be published in two books.

Application documents

1) Curiculum vitae
2) List of scientific publications
3) Answer the question: (about 4.000 signs): »Where does our energy come from?«

4.) Concrete Nomination of a theme for a short speech in the class (about 2.000 signs).

Deadline of Application: 22. März 2010 (at peter.risthaus@rub.de)

Further information: prometheus2010.de)

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

informação e democracia

Depois do 25 de Abril, apareceu em Portugal um jornal, que sempre foi o "meu" jornal preferido. Chamava-se "O Jornal" e foi fundado por, salvo erro, uma cooperativa de jornalistas. E tinha uma deontologia que era expressa no jornal e que rezava mais ou menos assim: "de um lado a notícia; de outro lado, as opiniões sobre essa notícia." Apesar desse princípio poder passar por "positivista", acreditando que de um lado há factos objectivos, neutros e imparciais (a notícia) e de outro, por assim dizer num segundo momento, as perspectivas sobre eles (as opiniões), parece-me que esse esforço de"objectividade" e de seriedade é básico em jornalismo. E não só. Outro ponto básico parece ser: o jornalista, como qualquer cidadão, tem direito a expressar a sua opinião; mas, no momento em que exerce o dever de informar, o jornalista deve apagar-se para dar lugar à maior "objectividade" possível do que relata ou da situação que reporta. Novamente este aspecto pode ser considerado como redutor, ou ultrapassado, porque no limite é impossível distinguir os dois. Mas, como PRINCÍPIO, como NORMA NORTEADORA, mais uma vez parece-me indispensável da prática jornalística. Ora, com o desenvolvimento do chamado "quarto poder", ligado ao alto valor comercial que tem a notícia, que se tem verificado? Que, invocando o direito de informar, há instâncias que violam constantemente os princípios do Estado de Direito, que consistem na presunção de inocência, na independência da Justiça, etc. Vemos agora, todos os dias e a toda a hora, na concorrência das televisões e dos jornais, a mistura da notícia com a opinião, a con-fusão do jornalista que dá a notícia com a perspectiva do cidadão que enquina a "realidade" pela maneira como a vê, e o vedetismo crescente dos jornalistas que, de maneira mais ou menos hábil, influem imensamente na opinião pública através do próprio ênfase subliminar como transmitem as notícias. Sabemos como as redacções dos jornais e televisões funcionam como autênticas "polícias" paralelas, e como fazem a gestão de informação por forma a desencadearem movimentos de opinião em determinados momentos. Sabemos perfeitamente como se fazem, em determinados momentos, processos que visam certos fins, sejam eles quais forem, e como a opinião pública, pouco preparada para uma distanciação crítica, "acredita" piamente no que os órgãos de comunicação lhe dizem. Seja qual for a pessoa visada, ou a entidade, só as instituições encarregadas de investigar e combater o crime têm o direito e o dever, em nome do interesse colectivo, de lidar com casos que implicam a honra e a dignidade dos outros, individuais e colectivos. Por isso é preocupante que haja, não só no nosso país, mas também cá, jornalistas que se aproveitam de o serem, órgãos de comunicação social que se aproveitam de o serem para desrespeitar certas normas deontológicas básicas e promoverem a acusação pública, e condenação antecipada, seja de quem for. Quando isso acontece, já não estamos em democracia, estamos de facto numa despudorada guerra aberta de interesses, que sempre existiram, sempre se mexeram na sombra, e sempre tentaram controlar os meios de manipular a opinião pública, mesmo em Estados ditos democráticos. Ninguém é inocente a esse respeito. Mas o terem-se perdido de vista as normas, e ver-se na comunicação social a utilização, pelos jornalistas, da permanente mistura da notícia com a opinião, nomeadamente quando são eles que estão em causa, ou são parte interveniente/interessada no debate público e em processos de averiguação pelos órgãos competentes, isso é INSUPORTÁVEL. O despudor atinge limites que parecem pontos de não retorno.

THINGS AND SPIRITS: NEW APPROACHES TO MATERIALITY AND IMMATERIALITY

C O N F E R E N C E

THINGS AND SPIRITS: NEW APPROACHES TO MATERIALITY AND IMMATERIALITY

Venue: Institute of Social Sciences, University of Lisbon
http://www.ics.ul.pt/

Date: 15, 16 and 17 September 2010

CALL FOR PAPERS NOW OPEN
DEADLINE: 17 May 2010

Please submit a 500 words abstract and a brief bio by email to:
Ricardo Roque:
ricardo.roque@ics.ul.pt
João Vasconcelos: vasconcelos.joao@gmail.com


THINGS AND SPIRITS: MATERIALITY AND IMMATERIALITY RECONSIDERED

This conference is aimed at exploring new ways of approaching the tensional
and intimate connections between ‘things’ and ‘spirits’ across distinct
practices and epistemologies. In recent decades, the theme of materiality
has gained wider currency and centrality in social sciences and
anthropological theory. A growing number of scholars in the anthropology of
religion, material culture studies, and history and sociology of science and
technology have been reexamining the partition between humans, material
objects, and immaterial entities, along with the ideas of agency, evidence,
and materiality itself. A double shift towards (i) a radically generalized
view of agency and (ii) the ontological complexity of things, spirits, and
humans is cutting across distinct approaches in the anthropology of
religion, science studies, and material culture studies. However, although
they seem to share a novel attention to the tropes of materiality and
agency, they do not necessarily agree with the angles from which these
issues should be analyzed. Moreover, the extent to which the themes of
immateriality and spirituality should be accorded analytical weight is
unequally present throughout these approaches. For example, if it seems
clear that “spirits” must have a place in the study of religion it is less
obvious how the study of immaterialities would look like in the analysis of
scientific and technological artefacts.
By bringing these scholarly approaches into closer dialogue, the conference
Things and Spirits: New Approaches to Materiality and Immateriality aims at
developing new perspectives and finding common ground in the history and
ethnography of things, spirits, and their relations to humans. It will
provide a timely opportunity for scholars to explore further the synergies
between ethnographical and historical methodologies in the analysis of
materiality and immateriality. In addition, it expects to offer students of
religion, material culture, and science a privileged occasion for mutual
engagement and theoretical and methodological cross-fertilizing.
We will take as a point of departure that what counts as “things” and
“materiality”, what counts as “spirits” and “immateriality”, and, still,
what counts as “agents” are issues to be determined empirically. As such, we
invite anthropologists, historians, and students of science, technology, and
material culture to analytically address the multiple arrangements of things
and spirits by engaging with empirical material.

SUGGESTED TOPICS
Submissions of papers are encouraged that address one or more of the
following topics:
• Materiality and immateriality in religious and scientific theories
of evidence;
• Plurality of notions and modes of agency across distinct scientific
and non-scientific theories and practices;
• Boundaries between material and immaterial;
• “Things”, “spirits” and the dynamics of colonial encounters;
• Iconoclast and iconophile projects of religion building,
destruction, or conversion;
• Materiality and immateriality of power;
• Machines, material technologies and their connections to the
immaterial.

VENUE

The conference will take place at Institute of Social Sciences, University
of Lisbon, Lisbon, Portugal, on 15, 16 and 17 September 2010
(www.ics.ul.pt). The conference is designed as a small meeting so to
encourage exchange of ideas and group discussion. Accordingly a limited
number of participants will be selected. We expect graduate and
post-graduate scholars from the fields of the humanities and social sciences
to participate.

Organizers:

Ricardo Roque:
ricardo.roque@ics.ul.pt
Research Fellow, Institute of Social Sciences, University of Lisbon

João Vasconcelos:
vasconcelos.joao@gmail.com
Research Fellow, Institute of Social Sciences, University of Lisbon

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Primeiro Ministro



Deu hoje uma entrevista a Miguel Sousa Tavares com serenidade e sentido de Estado, após semanas de uma campanha orquestrada para o derrubar a ele e ao governo que resultou da votação dos portugueses, campanha essa que já provoca(va) vómitos em todas as pessoas sérias.
Gostei!


Thinking About Exhibitions


Thinking About Exhibitions


Bruce Ferguson, Reesa Greenberg, Sandy Nairne (eds)


"An anthology of writings on exhibition practice from artists, critics, curators and art historians plus artist-curators. It addresses the contradictions posed by museum and gallery sited exhibitions, as well as investigating the challenge of staging art presentations, displays or performances, in settings outside of traditional museum or gallery locales."



Paperback: 512 pages
Publisher: Routledge; 1 edition (7 Mar 1996)
Language English
ISBN-10: 0415115906
ISBN-13: 978-0415115902



Source: http://www.amazon.co.uk/gp/product/0415115906/ref=sib_rdr_dp


Very useful book.
It contains a text by Jean-François Lyotard.

Inside the White Cube



Inside the White Cube: The Ideology of the Gallery Space
by
Brian O' Doherty


Paperback: 113 pages
Publisher: University of California Press; Expanded edition ( 2000)
Language English
ISBN-10: 0520220404
ISBN-13: 978-0520220409



"When these essays first appeared in "Artforum" in 1976, their impact was immediate. They were discussed, annotated, cited, collected, and translated - the three issues of "Artforum" in which they appeared have become nearly impossible to obtain. Having Brian O'Doherty's provocative essays available again is a signal event for the art world. This edition also includes "The Gallery as Gesture," a critically important piece published ten years after the others. O'Doherty was the first to explicitly confront a particular crisis in postwar art as he sought to examine the assumptions on which the modern commercial and museum gallery was based. Concerned with the complex and sophisticated relationship between economics, social context, and aesthetics as represented in the contested space of the art gallery, he raises the question of how artists must construe their work in relation to the gallery space and system. These essays are essential reading for anyone interested in the history and issues of postwar art in Europe and the United States. Teeming with ideas, relentless in their pursuit of contradiction and paradox, they exhibit both the understanding of the artist (Patrick Ireland) and the precision of the scholar. "


Source: http://www.amazon.co.uk/Inside-White-Cube-Ideology-Gallery/dp/0520220404/ref=sr_1_1?ie=UTF8&s=books&qid=1266840092&sr=1-1



This book is a must!


facebook e olhares

Caros amigos, leitores deste blogue

Ultimamente tenho investido muitas horas do meu tempo no facebook, pois ali sinto um impacte e interacção maior do que através de blogues.
Sem descurar este, aliás de parceria com o Gonçalo, aconselho a que visitem o meu "mural" lá, em


Emcontram milhares de fotos, centenas de videos, alguns textos e até um livro de poemas completo...

Interessado em fotografia, tenho já bastantes em:
http://olhares.aeiou.pt/vjorge




Cordialmente
Vítor Oliveira Jorge

Avrom Sutzkever

lundi 22 février 2010/Avrom Sutzkever


DANS LA HUTTE DE NEIGE

Soleil couchant chemins que bleuit le verglas.
Douces couleurs de somnolence dans mon âme.
Luit d’une hutte dans le val un pâle éclat,
Sous la neige l’ensevelit le soir en flammes.
Aux vitres les forêts-à-prodiges déboulent
De magiques traîneaux tintent en carrousel,
À l’angle du grenier des colombes roucoulent
Et déroucoulent mon visage. Sous le gel
Rayé par des cristaux dont la pointe fulgure,
Presqu’irréel l’Irtich se noue en palpitant.
Sous des coupoles de silence et de froidure
Fleurit ce monde : un enfant de sept ans.


PRIÈRE À SOI-MÊME

À moi-même ainsi qu’à un étranger je colle mon oreille,
Et mes yeux débordants de visions chantantes,
Je me ramifie dans tes profondeurs comme les veines dans le marbre :
Par qui tous tes secrets furent-ils ensevelis ?
Pour qui la musique de tes secrets non révélés ?
Musique de mains et de lèvres. Sons-symboles dans les ténèbres.
Musique de pluie, d’arc-en-ciel. Plus loin, plus loin, plus loin….

Tu es ruche que le feu cerne et je ne puis m’en approcher.
Tu me nourris du bruit brisé de tes abeilles.
Parfois une abeille s’égare, elle vole dans le désert,
Cherche une brindille de chair et la beauté la rend aveugle,
Une autre voudrait embrasser la fleur venimeuse et mourir.

J’écoute et je vois, tous les sons-symboles me sont des aiguilles
Pour recoudre les plaies sur les muscles blancs du papier.
Mais tout cela que j’ai chanté jusqu’à présent me semble pauvre
Comparé aux trésors qu’en moi tu as éparpillés.
Et chaque son est un écho du mystère des profondeurs,
La ruche s’éloigne et se voile encore plus à chaque pas.

Le temps est fait de cire bleue. Elle va fondre goutte à goutte,
Ô silence déshabillé du temps ! Voici que les abeilles
Reviennent déjà de leur long voyage ensoleillé.
Une fois au moins laisse-moi rentrer en moi-même ainsi que le sang dans le sang,
J’attends le coup de dard de leur reine sauvage.


Avrom Sutzkever, in Anthologie de la poésie yiddish, présentation et traduction du yiddish de Charles Dobzynski, Paris, Gallimard, 2000, pp. 528 et 535




« Il dispose d’un registre très ample, qui lui permet d’associer sa connaissance intime de la tradition juive à la réflexion, le ton de la légende à celui de la confession. A travers la multiplicité de ses expériences, d’une thématique qui évoque successivement son enfance en Sibérie, la tragédie du ghetto et de l’extermination, la naissance et le développement d’Israël, il se retrouve toujours face à lui-même [...] » (Charles Dobzynski)

Le poète yiddish Avrom Sutzkever est né le 15 juillet 1913 en Lituanie. Ses parents durent se réfugier en Sibérie et c’est là que le jeune Avrom rencontra Avidor Hameiri, qui l’initia à la poésie. Son père meurt en 1920 et il s’installe avec sa mère à Wilno (Vilnius)
. « La "Jérusalem de Lituanie" est à l'époque l'un des centres culturels les plus actifs du monde juif. Les débuts poétiques d'Avrom Sutzkever, membre du groupe d'artistes et d'écrivains yiddish Yung Vilne ("Jeune Vilno"), y coïncident d'ailleurs avec l'éclosion du modernisme dans les lettres yiddish »*. Il publie son premier livre en 1937. Il participe à la résistance du ghetto de Vilnius, il en est l’un des rares rescapés et rejoint une unité de partisans. En 1944, il est à Moscou et Boris Pasternak le traduit. En février 1946, il témoigne au procès de Nuremberg. Il est aussi un des témoins du Livre noir, le recueil de témoignages réunis par Ilya Ehrenbourg et Vassili Grossman. Après un bref séjour à Paris (1946-1947), il se fixe en Israël où il dirige la très importante revue littéraire Di Goldene Keyt (La Chaine d’or) jusqu’à ce que celle-ci cesse de paraître en 1996. Il est mort le 27 janvier 2010 à Tel-Aviv.
*article de Florence Noiville, Le Monde, vendredi 29 janvier 2010. Les autres éléments de cette notice sont empruntés à Charles Dobzynski, in Anthologie de la poésie Yiddish, Poésie/Gallimard.
Bio-bibliographie d’Avrom Sutzkever http://poezibao.typepad.com/poezibao/2010/02/avrom-sutzkever.html .

Avec mes remerciements à Marilyn Hacker qui m’a transmis ces textes.
Florence Trocmé

Index de Poezibao http://poezibao.typepad.com/poezibao/index-de-.html
Une de Poezibao http://poezibao.typepad.com/
Centre de ressources poésie de Poezibao http://www.netvibes.com/florencetrocme
Les favoris de Poezibao http://delicious.com/FlorenceTrocme


sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Pós-graduação em Software Livre e Património



Para quem tem apetite pelas aplicações informáticas ao património, esta é a oportunidade. As inscrições encerram na próxima segunda-feira. Sobram poucas vagas. É de aproveitar as condições (funcionamento via e-learning e possibilidade de bolsas enquadradas em projectos europeus).

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Curso de Pensamento Crítico Contemporâneo - Porto


Comunico aos potenciais interessados neste curso de formação contínua, que começa já em Abril próximo, que o preço diminuiu drasticamente, não sendo agora já um impedimento a que as pessoas motivadas o possam frequentar. O máximo de vagas é 30. O curso confere ECTs. Às pessoas que já tinham feito pagamento será devolvida a verba a que tenham direito. Agradeço que os interessados contactem o Gabinete de Formação Contínua e se inscrevam. A razão desta alteração é simples: prescindi de qualquer remuneração, que aliás nunca foi (de todo) a minha motivação para o curso, e essa solução foi autorizada superiormente, no interesse de todos e da FLUP.
Cordiais saudações
Vítor Oliveira Jorge, prof. do DCTP


CURSO QUE LHE PODE INTERESSAR...

Faculdade de Letras da Universidade do Porto
Curso de formação contínua:
Pensamento Crítico Contemporâneo: alguns representantes
de 19 Abril a 7 Junho 2010 – 2ªas feiras, das 19,30 às 22,30 h
8 semanas: 8 autores:
Jacques Lacan
Michel Foucault
Jacques Derrida
Judith Butler
Giorgio Agamben
Slavoj Zizek
Jean Baudrillard
Jean-François Lyotard

Formador: Prof. Vítor Oliveira Jorge, catedrático da FLUP

O curso funciona com um mínimo de 12 inscritos, mas tem também um plafond de inscrições...30 pessoas.
Faça a sua inscrição através de:
Serviço de Gestão Académica - Sector de Formação Contínua
Via Panorâmica, s/nº 4150-564 Porto
Telef: 226077152 Email: gfec@letras.up.pt
Horário Atendimento: 10h00 às 16h00
http://sigarra.up.pt/flup/cursos_geral.FormView?P_CUR_SIGLA=FCPCC

(Atenção: os novos preços, puramente simbólicos, podem ainda não estar on line)

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

O meu próximo pequeno/grande luxo: a melhor compacta actualmente existente!




Ou será este? Já estou indeciso!







Realmente esta é tentadora...


Source: youtube

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Historical photos!

Ian Hodder in Lisbon, Universidade Lusíada, during a symposium on spatial archaeology.



Archaeologists are poor but may have fun!
Aboboreira, Summer 1987.


Lacan e Miller

Para quem se interesse por psicanálise numa perspectiva lacaniana, e quiser seguir o seu discípulo (e genro) Jacques-Alain Miller:
http://jacquesalainmiller.wordpress.com/

human rights

(Click on the image above to read)

Birkbeck Institute for the Humanities

After Human Rights? Panel Discussion


This debate will examine, challenge and rethink the tension between ‘particular, nationally-bounded’ citizenship and ‘natural’ human rights drawing on the insights of theoretical and empirical scholarship and of the politics of human rights activism.
Speakers: Costas Douzinas (Birkbeck), Conor Gearty (LSE), Adam Weiss (AIRE Centre - Advice on Individual Rights in Europe)
Co-Chairs: Leah Bassel & Engin Isin

Friday 26th February 6pm - 8pm Room B36 Birkbeck Main Building
Free - open to all - no registration



Julia Eisner
Administrator
Birkbeck Institute for the Humanities
Birkbeck, University of London
Malet Street
London WC1E 7HX

T: (0) 20 3073 8363
F: (0) 20 3073 8359
E:
j.eisner@bbk.ac.uk

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

explosão:implosão


A mulher distende-se.

Afasta cada um dos seus membros

Para o mais longe possível do centro.



Rompe a pele, espalha os órgãos.

A atmosfera da mulher é assim

Rarefeita, um éter em que levitam

Partes ligadas por linhas, ligas, elásticos.



Sobre o grande espelho

Do antigo guarda-fato

A mulher projecta um eixo central

De onde partem radículas em todas

As direcções.



E os globos iluminados

Assistem a esta revolução secreta

Sem saberem que, através das fendas,

Para dentro de si,



A mulher projecta também

Figuras geométricas tensas,

Radículas, fluxos instantâneos

Que se dirigem às suas constelações

Interiores.



Não se descobriu ainda a física

Que descreva isto, que reduza a fórmulas

Tamanha força, o enigma



Da floração dos pêlos,

A astronomia destes astros, destes sapatos

De salto alto, bicudo, metálico,

Furando constantemente os lençóis iniciais.



Sobre o firmamento do útero

Giram luas e ondulam oceanos

Desde sempre à procura da resposta,

Do eixo em que a razão quer encaixar

Esta explosão ou implosão que é a mulher.





Vítor Oliveira Jorge, texto e foto

(Marrocos, palácio Bahia, Marráquexe, Set. 2008)



sábado, 13 de fevereiro de 2010

erotismos etéreos

Comunica Inês Ramos, referindo-se ao seu blogue Porosidade Etérea:

"Caros etéreos,

"Acabam de ser publicados no porosidade etérea os vossos poemas eróticos.
Os participantes mais rápidos a enviar os seus poemas foram:
Alexandra Malheiro, João Tomaz Parreira, Raquel Lacerda, Fernando de Jesus Ferreira, Jorge Castro
Fernando Aguiar, José M. Silva, António José Queiroz, Adauto Suannes e Antonio Miranda,
que receberão livros da Editora 4Águas (que patrocinou este passatempo).
Podem ainda ouvir, na voz de Luís Gaspar, alguns poemas participantes, no Programa “Poesia Erótica” do Estúdio Raposa.
O meu muito obrigada a todos os participantes, à Editora 4Águas pelos livros oferecidos, ao Luís Gaspar pela gravação dos poemas e...
até ao próximo passatempo etéreo!

Inês Ramos"


também colaboro lá... vou ver!

SEMPRE NOVIDADES SOBRE STONEHENGE


FOTO: Jason Hawkes, Corbis
FONTE da foto e da notícia:
http://news.nationalgeographic.com/news/2010/02/100211-stonehenge-stonehedge-secret-rituals/



Mais um contributo, embora jornalísitico, para se perceber a complexidade da paisagem de Stonehenge, e não se focar a atenção apenas no recinto mais conhecido.
A arqueologia ou é também "arqueologia da paisagem", ou não é arqueologia de todo, mas descrição de ruínas ou restos esparsos e abstractos. O ser humano, aliás como a maior parte dos animais, é um ser espacial, o que obriga o arqueólogo a ser também ao seu modo geógrafo e arquitecto...




quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

resposta a Isabel



de TOTAL AFLORAÇÃO", Porto, Ed. Papiro, 2006

ninguém

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Poesia na UP

Na próxima quinta-feira, às 21:30, no Salão Nobre da Reitoria da Universidade do Porto, estes são os convidados dos Diálogos com a Ciência.

Tema: Poesia e Ciência (II)

Oradores: Alice Macedo Campos, Gabriela Rocha Martins, Nuno Júdice e Vitor Oliveira Jorge

A entrada é livre!

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Quando eu em breve me apanhar com uma destas, é que vocês vão ver!







Especificações da Leica X1:

Sensor: CMOS APS-C com 12.2MP
Vídeo: não
Lente:24 mm f/2.8 (equiv. a 35mm em 135)
Sensibilidade: ISO 100-3200
Velocidade do obturador: 30-1/2000 sec


Leica é Leica e o resto... enfim...
Estou farto de andar a brincar em fotografia!
Vou tirar um curso prático! Só vejo fotos por todo o lado. A vida passou a ser um pretexto para tirar fotos!




Cartão de memória: SD, SDHC

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

link interessante









notar também:

O S E M I N Á R I O

O Seminário do Colégio da Antena do Campo Freudiano de Lisboa é coordenado pelo Prof. Dr. José Martinho e está aberto a todos os interessados pela Psicanálise.

Teve início em 1988 e realiza-se agora na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias, Campo Grande nº376, 1700 Lisboa

Entrada: Livre

_______

Ver também este!












Avaliar - uma base de reflexão

Recebi este mail, que com a devida vénia, transcrevo sem mais comentários, apenas com a nota de que nunca me agradou o sistema do "peer review" - todavia, desta transcrição aqui não se pode inferir que esteja de acordo com todas as ideias expostas; apenas, que elas são uma base útil de reflexão e de debate público sobre um tema muito sensível no sistema científico internacional e nacional, e não apenas no que diz respeito a revistas. Peço desculpa da deficiência de apresentação do texto, que se desformata ao passar para o blogue:


"Envio, porventura com redundância nalguns casos (alguns receberão também esta correspondência do Snesup), transcrevendo um dos artigos abertos para facilitação de acesso.
É altura do contra-ataque (um de muitos). E vale a pena começar a reunir em rede os agentes de resistência, entrançar o vime, acumular os argumentos, e opô-los sistematicamente a todos os 'ditames institucionais' - a todo o momento e em todas as frentes.

O mito peer review é aqui praticamente demolido.
Mas a questão de fundo, nas 'humanidades', é que, na tradição em que o ocidente consiste, a unidade de criação cultural é o livro, não o artigo, a obra, não o eco, a construção do edifício, não o manejo da pequena técnica, por virtuose que possa surtir a miniatura.
A tecnicização integral do mundo académico, sob a designação cientificista de "investigação", longe de se poder vir a auto-sustentar cada vez mais num sistema em cachos de papers interremissivos (por citação, discussão, retoma, prosseguimento), tenderá à dissipação progressiva, na proporção directa ao grau de afastamento da fonte primária sustentadora: se, nas ciências exactas, nas experimentais e nas áreas tecnológicas, a fonte primária e a unidade de sentido e de saber serão o paper, em ciências humanas e sociais a fonte primária e a unidade de saber e de sentido são o livro, face ao qual o artigo sempre constituiu um desdobramento importante, mas secundário. Caracteristicamente, a imensa literatura de artigos reporta-se 'perpendicularmente' ao livro, ao autor central, ao criador primário de pensamento - e não, transversalmente, à rede que estes formam entre si. Mesmo o universitário influente expressa-se preponderantemente por livros - são estes as suas palavras -, não por artigos - apenas sílabas soletradas (de novo, em relação proporcional muito claramente directa).
Numa palavra: aquilo a cujo propósito de todo há papers e outros papéis, chama-se livro. O paradigma do 'investigador' não é o investigador, é o escritor - de livros. Os colóquios internacionais versam autores - e, quando temas, temas 'em' autores. É essa a hermenêutica crítica da retoma sobrearticuladora que constitui a nossa tradição, ao pé da qual o linguarejar farisaico e autocongratulatório hodierno da "excelência" faz figura de criada de servir em bicos dos pés, senão aos saltinhos (e é propositadamente que utiliso a retórica da deselegância).
Há estudos, colóquios, leccionação universitária, revistas monográficas, seminários, teses de mestrado e de doutoramento, propostas de comunicação, recensões críticas, trabalho de edição de obra completa, etc., etc., etc., sobre Bourdieu, Iris Murdoch, Bataille, Ortega y Gasset, Rancière, Eduardo Lourenço, Hjelmslev, Zizek, Rorty ou Vattimo porque eles escreveram livros, porque o que eles escreveram foi livros.
O futuro universitário e as futuras comunidades universitárias, condenados às galés lectivas da burocracia pseudopedagogista e às galés investigacionais da produção de papéis (a unidade métrica abaixo dos nossos antigos artigos, por sua vez compromissos menores do opúsculo e do ensaio), e cujo mundo se vê ao mesmo tempo devastado pelos estragos produzidos pela triunfal rapidez do telemático-imagético, conduzirá à extinção progressiva e generalizada da própria dimensão de pensamento na qual Há o livro. Uma longa linha hermenêutica de desgaste e erosão, de apagamento e autofagia, descerá então os degraus de paper em paper até à consumação da intrusiva imposição entrópica à qual não soube ou não quis resistir.

Acresce que o sistema de 'revisão por pares de pares' induz quase irresistivelmente a uma estrutura rígida de hierarquias mafiosas dispondo directamente das rédeas de controle do eixo nevrálgico de que depende todo o sistema (não 'há' pares: eles são escolhidos, nomeados, cooptados, negociados, quiçá indicados e indigitados...). O sistema, digo, não só de indivíduos, mas de instituições académicas e das próprias revistas, e de outros organismos enquadradores da investigação. E duplicar o qui custodiet custodies, esse erro tipicamente platónico que vai dar ao 'terceiro homem', apenas reforça o próprio paradigma.

Enfim, por definição os sistemas de aferição tendem a padronizados e homogeneizantes - e à constituição de dogmas formais e de ortodoxias -, a criatividade é divergente. E a qualidade, nacional e internacional, é reconhecida pelo tecido vivo de comunidades epistémicas, sem necessidade de carimbos. Por outro lado, questões vexatae como a das escolas e linhas filosóficas, por vezes turbulentamente divergentes, não podem ser artificialmente dirimidas por decretos formais e exteriores (neste particular, não invento, e cito o caso recente e exemplificativo de um neófito em lides filosóficas que apresenta o seu artigo a uma revista de orientação analítica: liminarmente recusado - apenas para vir a ser acolhido de braços abertos pela comunidade teórico-crítica de forte incidência socio-política e culturológica). A lógica progressivista dos sistemas de acreditação tende por força (e pela ideologia eficientista da verdade unívoca) a rebater esta dissenção-tipo em favor de uma orientação ganhadora e prevalecente. Os sistemas formais, hierárquicos e burocráticos têm horror aos estados epistemológicos abertos e ruidosos, ao problemático e à pluralidade conflitual (que o mito cientista do saber unívoco condena ipso facto como pseudo-saber), tendendo a cortar expeditamente todos os nós górdios. Sobretudo quando lhes é pedido (oportuno alibi) rigor orçamental em tempos de crise. Numa palavra - como bem viu Popper -, a ciência impaciente e afirmativa, a ciência da verdade, tende a ser antidemocrática por puros imperativos extrapolíticos de (suposta) racionalidade.

Por isso convém não esquecer que o que se joga na presente situação não conjuga apenas acidental e exteriormente o saber e o poder, o epistémico e o político: estas duas dimensões não só se cruzam, não só inerem reciprocamente uma à outra, elas partilham uma comunidade de paradigma, que infalivelmente faz corresponder, a um certo estilo de agir, um certo modo de pensar - o que ainda é o menos - e, a uma certo estilo de pensamento, um certo modo de agir, o que já é o mais.

Para além de haver uma política da cultura, a cultura é política, and I don't mean the policy, but politics as such. (Por exemplo: leccionar em inglês na universidade portuguesa, é mais cultural, ou mais político? Um bom dialecta começaria por observar que, num tal caso, 'ser puramente cultural' é uma das maneiras mais seguras de ser por isso mesmo tanto mais político. E prosseguiria).




A Avaliação de Desempenho

nos Estatutos de Carreira

"Métricas e peer review"

Teresa Alpuim

(Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)

DEBATE - 27 de JANEIRO no IST - Lisboa

- Métricas: uma boa forma de avaliação?

- Avaliação pedagógica: qualidade ou facilitismo?

- Perfis: vários tipos de docentes?

- Poder de decisão: quem avalia?

- Diferenciação de desempenho: quando uma “negativa”? ou um “excelente”?

Anfiteatro QA 02.3 Torre Sul

Debate aberto a todos os docentes do ensino superior

_______________________________________________________________________________

"Métricas e peer review" - Teresa Alpuim (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)

Debate - A avaliação de desempenho nos Estatutos de Carreira - IST Lisboa - 27 de Janeiro de 2010

1

Métricas: são ou não uma boa forma de avaliação?

O caso da avaliação da investigação científica

Teresa Alpuim

Hoje em dia, a avaliação da investigação, isto é, da produtividade científica dos

académicos e investigadores, está-se a tornar quase numa obsessão. De uma

forma mais aberta ou mais velada, todos reconhecem que a avaliação da

produção intelectual criativa e inovadora é um processo delicado e complexo,

tantas vezes controverso. Basta olhar para a História da Ciência e analisar os

inúmeros casos em que as descobertas científicas de grande valor foram

duramente criticadas ou desprezadas e o tempo que foi necessário até que

estas se estabelecessem como os novos paradigmas da ciência. Mas agora,

algumas eminências pardas da Ciência, em geral, ligadas ao poder e às

organizações governamentais responsáveis pela atribuição de financiamentos,

fazem perpassar a ideia de que este problema crónico da Humanidade – o

reconhecimento de novas ideias com valor – pode facilmente ser resolvido pelo

obscuro e tortuoso processo do
peer review e pela contagem do número de

publicações em revistas especializadas. Sei que esta afirmação é polémica no

seio da comunidade científica mas é urgente discuti-la de uma forma aberta e

racional porque a recente revisão dos Estatutos das carreiras docentes obriga a

avaliações de desempenho regulares. Estas podem vir a ter consequências

positivas ou negativas, mesmo destrutivas, para as Instituições de Ensino

Superior se não formos capazes de encontrar formas sérias e sensatas de as

fazer.

A pressão para publicar e consequências

A publicação em revistas científicas especializadas é o processo como os

investigadores comunicam aos seus pares os resultados da sua investigação e,

por isso, é um passo fundamental e incontornável no desenvolvimento da

ciência e do conhecimento. A publicação é um meio de divulgar novas ideias e

não um fim em si. A discussão que se lhe segue e, muitas vezes, o tempo,

dirão se essas ideias serão absorvidas pela comunidade científica e pela

sociedade. Mas os sistemas de avaliação exigem cada vez mais que os

académicos publiquem muitos artigos a um ritmo regular. Este tipo de avaliação

incentiva a quantidade em vez da qualidade bem como a superficialidade em

vez da relevância. Assenta nos pressupostos de que a publicação em certas

revistas é garantia de qualidade, o que tentarei demonstrar que não é verdade,

e que os artigos que são publicados numa determinada revista têm todos o

_______________________________________________________________________________

"Métricas e peer review" - Teresa Alpuim (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)

Debate - A avaliação de desempenho nos Estatutos de Carreira - IST Lisboa - 27 de Janeiro de 2010

2

mesmo valor, o que, naturalmente, ainda é menos verdadeiro. Tem como

consequência a fragmentação do conhecimento científico e o desconhecimento

ou não valorização desse conhecimento pela sociedade. A forma como os

académicos se defendem desta pressão para publicar é dividirem-se em

inúmeros pequenos grupos muito especializados que funcionam em círculos

fechados e desligados uns dos outros. Em geral, são bastante avessos a ideias

verdadeiramente inovadoras que podem, de algum modo, questionar o seu

trabalho, pois têm receio que isso ponha em causa a existência do próprio

grupo. Tendem a cair em temas superficiais e demasiado especializados, pois

esta é a forma mais fácil de garantir muitas publicações. Para ver que assim é,

basta consultar as estatísticas dos índices de citação em certas áreas, por

exemplo, na
ISI Web of Knowledge.

David Parnas, professor de Engª de Software na Universidade de Limerick,

Irlanda, no seu artigo “Parem com o jogo dos números. Contar artigos atrasa o

ritmo do progresso científico”, publicado na revista
Communications of the

ACM
, escreve:

“Como cientista sénior, entristece-me ver as agências de financiamento,

presidentes de departamentos, directores de escolas e comissões de promoção

incentivarem os jovens cientistas a fazerem investigação superficial. Como leitor

do que deveriam ser revistas científicas sérias, aborrece-me ver a literatura das

Ciências da Computação ser poluída por mais e mais artigos com menos e

menos valor científico. Como alguém que muitas vezes serviu como editor ou

referee
, sinto-me ofendido com discussões que encerram que a revista está lá

para servir os autores em vez dos leitores. Os outros leitores de revistas

científicas também deviam sentir-se igualmente ofendidos e exigir a mudança.

A causa de todas estas manifestações é a política largamente disseminada de

medir os investigadores pelo número de artigos que publicam em vez da

correcção, importância, verdadeira inovação ou relevância das suas

contribuições.”

Em seguida, Parnas enumera e comenta uma série de vícios e distorções que

esta forma de avaliar está a disseminar pela sua comunidade científica,

nomeadamente: incentiva a investigação superficial, incentiva a constituição de

grupos de trabalho demasiado grandes em que os académicos mais séniores

põem o seu nome nos artigos de todos os estudantes e jovens investigadores;

incentiva a repetição; incentiva estudos pequenos e insignificantes; recompensa

a publicação de ideias incompletas (half-baked).

_______________________________________________________________________________

"Métricas e peer review" - Teresa Alpuim (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)

Debate - A avaliação de desempenho nos Estatutos de Carreira - IST Lisboa - 27 de Janeiro de 2010

3

Valoração dos diferentes tipos de publicações e actividades

Para além de contarem artigos, muitos sistemas de avaliação contam também

livros, palestras em conferências, organização de encontros científicos,

orientação de estudantes, etc. Fazendo listas exaustivas de todo o tipo de

actividades ligadas à investigação, os avaliadores que defendem este tipo de

sistema consideram-no muito completo e rigoroso. Não se apercebem de que

tudo isto são actividades diferentes, mas necessariamente interligadas para

chegar a um mesmo objectivo que é a descoberta de resultados científicos e,

esses sim, é que devem ser avaliados.

Em alguns casos a fúria avaliadora vai mais longe, atribuindo valores diferentes

a cada tipo de actividade e mesmo, atribuindo valores diferentes a cada artigo

de acordo com o tipo de revista onde é publicado, isto é, consoante o factor de

impacto da revista, o seu “prestígio”, se figura no
ISI Web of Knowledge, etc.

Fazem-se então listas e grelhas com valorações perfeitamente subjectivas e

obedecendo a critérios estabelecidos pelos burocratas da ciência mas

apresentadas como muito imparciais. Supostamente, este tipo de métodos

permite avaliar detalhadamente e com a máxima rapidez, pois (pasme-se!) nem

sequer requer que o avaliador leia com cuidado os trabalhos do avaliado.

Responde, portanto, à ideia que o sistema pretende impôr de que é

fundamental avaliar tudo e a toda a hora o que, inevitavelmente, redunda

numa avaliação superficial e distorcida, baseada em contagens de todo o tipo.

Fico arrepiada em ouvir colegas elogiar estas metodologias de contagens e

grelhas a ponto de as quererem também aplicar à avaliação dos docentes nas

suas tarefas de ensino. Imagino que números de horas de leccionação e de

disciplinas, contagens de textos de apoio e de livros pedagógicos, etc., têm, na

perspectiva dos defensores das métricas, um papel muito mais decisivo na

avaliação de um professor do que uma análise séria dos conteúdos leccionados,

rigor científico e actualidade dos mesmos, capacidade de exposição e clareza na

apresentação das matérias ou ainda vocação e capacidade de despertar o

entusiasmo dos alunos empenhados. Se fôr assim, aonde irão parar a qualidade

do nosso ensino superior e os conhecimentos dos nossos licenciados?

O processo de publicação (peer review)

Na maioria das revistas científicas, os artigos são enviados ao editor que

escolhe um ou mais (em geral, dois)
referees anónimos que devem pronunciarse

sobre a qualidade do artigo. Com base no relatório dos
referees, o editor

decide se deve ou não publicar o artigo. É evidente a necessidade deste

processo de revisão prévia, pois muitos artigos contém erros, omitem citações e

trabalho anterior relacionado, ou não trazem qualquer tipo de inovação. No

_______________________________________________________________________________

"Métricas e peer review" - Teresa Alpuim (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)

Debate - A avaliação de desempenho nos Estatutos de Carreira - IST Lisboa - 27 de Janeiro de 2010

4

entanto, a forma como é feita dá poucas garantias de imparcialidade e é muito

desequilibrada. O problema principal é que, à excepção do editor, o nome dos

referees
não é conhecido mas estes sabem quem são os autores e qual a sua

afiliação. Isto permite que os revisores digam o que muito bem entenderem

sem serem responsabilizados por nada. Alguns editores permitem que os

autores respondam directamente aos revisores, defendendo-se das suas

críticas, mas, frequentemente, estas respostas não são muito bem aceites pelos

referees
e a discussão acaba por azedar e perder o conteúdo científico.

Na minha perspectiva, o aspecto mais negativo deste processo é o facto de

estar envolto em secretismo mas também o desequilíbrio que consiste em o

árbitro conhecer a identidade do autor enquanto que este desconhece quem é

o
referee. Algumas revistas procuram alternativas a este processo de

arbitragem com o que se costuma chamar o sistema de
double blind, em que o

revisor e o autor são ambos anónimos, ou ainda o sistema em que ambos são

conhecidos um do outro. Qualquer um destes processos já representa um

progresso, embora não haja muitas revistas a pô-los em prática. Em todo o

caso, em minha opinião, num processo de arbitragem imparcial o nome dos

referees
deve ser público mas a identidade dos avaliados deve ser

desconhecida.

James Lovelock, ambientalista e cientista de renome, autor de numerosos

artigos e de alguns livros, no artigo “A ciência deve ser cada vez mais verde”,

publicado no livro “Ciência para a Terra”, descreve o processo da
peer review:

“Na minha opinião a influência mais perniciosa a que a ciência moderna é

submetida é a “inspecção dos pares”. Esta instituição nasceu quando a ciência

se apoderou do papel outrora desempenhado pela Igreja, como fonte de

conhecimento e orientação. Mas tomou como modelo a Igreja medieval com os

seus dogmas e o seu autoritarismo. Tal como essa Igreja, a ciência está muito

dividida e sectária, e existe muito mais para benefício pessoal de quem a

pratica do que para o enriquecimento do saber e esclarecimento de todos nós.

Até tem uma Inquisição, a que chamam a inspecção dos pares. Antes de um

cientista receber o subsídio que lhe permitirá fazer um trabalho de

investigação, e antes de poder publicar os resultados desse trabalho, tem de

ser examinado e obter a aprovação de um grupo anónimo dos chamados pares.

Por enquanto, esta Inquisição ainda não pode enforcar nem queimar os

hereges, mas pode negar-lhes a possibilidade de publicarem as suas conclusões

ou de receberem donativos para custearem o seu trabalho. Ela tem o poder de

destruir a carreira de qualquer cientista que se revolte. Possui um valor

marginal quanto a separar o trigo do joio no caso da investigação trivial,

sobretudo se ela se orientar no sentido da tecnologia. Mas trata-se de um

sistema profundamente desencorajador para a criatividade. Imaginem o que

_______________________________________________________________________________

"Métricas e peer review" - Teresa Alpuim (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)

Debate - A avaliação de desempenho nos Estatutos de Carreira - IST Lisboa - 27 de Janeiro de 2010

5

aconteceria nas Humanidades se os críticos fossem todos anónimos e tivessem

o poder de impedir que um livro fosse escrito ou publicado, caso não

concordassem com ele. Num mundo assim, as listas telefónicas e os manuais

técnicos serviriam perfeitamente, mas onde estariam obras como
O Deus das Moscas
ou O Triunfo dos Porcos?”

Com efeito, não faltam exemplos de respostas parvas e descabidas dos
referees

e, às vezes, mostrando uma grande ignorância sobre o assunto sobre o qual se

estão a pronunciar. Na verdade, os árbitros são pessoas e, como tal, fazem

avaliações de carácter subjectivo e também podem actuar tendo em mente os

seus próprios interesses de carreira ou de satisfação pessoal em detrimento da

garantia da livre circulação e debate de novas ideias. O processo de publicação

é permeável à falta de objectividade dos revisores cuja apreciação pode ser

influenciada por motivações menos recomendáveis como:

Fazer passar as suas ideias, ainda que em artigos assinados por outros;

Impedir a publicação de contribuições que ponham em causa ou que

critiquem trabalho seu ou de colaboradores próximos;

Impedir a publicação de inovações relevantes na sua área feitas por

outros e não por si próprios;

Obter currículo através de arbitrar muitos artigos, alguns deles em áreas

sobre as quais não têm o devido conhecimento.

Fazer ajustes de contas com o autor, quando manteve com este

rivalidades ou desacordos.

Mas a ideia de que só as contagens interessam também leva muitos autores a

utilizar tácticas pouco sérias e que em nada contribuem para o progresso da

ciência. Parnas apresenta uma lista desse tipo de truques e vícios á qual junto

mais alguns:

Dividir artificialmente a publicação do mesmo resultado ou da mesma

ideia em múltiplos artigos, de preferência em diferentes revistas, para que

esta seja mais proveitosa em termos do seu currículo;

Publicar resultados que já sabem que estão desactualizados ou que são

irrelevantes pois uma vez que o artigo “passe” é o que importa;

Publicar resultados insuficientemente validados pela quantidade e

diversidade necessárias de aplicações, experiências laboratoriais ou em

ambiente real.

Constituir grupos com o objectivo de se citarem uns aos outros ou,

mesmo, de assinarem as publicações uns dos outros de modo que todos

_______________________________________________________________________________

"Métricas e peer review" - Teresa Alpuim (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)

Debate - A avaliação de desempenho nos Estatutos de Carreira - IST Lisboa - 27 de Janeiro de 2010

6

aumentam a sua produtividade; por vezes, juntar o nome de um

investigador prestigiado a um artigo para que seja mais facilmente aceite;

Constituir pequenos grupos em torno de um tema restritivo, mas com a

dimensão suficiente para manter uma revista e uma conferência periódica,

de modo que o grupo publica para o grupo;

Organizar conferências e editar as respectivas actas onde os seus artigos

serão publicado sem dificuldade.

Isto, claro, para não falar em atitudes moralmente mais reprováveis como a

publicação de resultados forjados ou a tentativa de cair no agrado do editor da

revista convidando-o para proferir palestras, pertencer a comissões de

programa, etc. Portanto, apesar do suposto processo de publicação ser

exigente e imparcial não faltam os exemplos de artigos com erros, totalmente

irrelevantes, desactualizados, com faltas graves nas citações ou mesmo

repetindo trabalho já publicado anteriormente.

Uma história interessante e novos horizontes

Infelizmente, várias histórias recentes mostram que o trabalho científico

profundo e verdadeiramente inovador é muito difícil de publicar. Dentre esses

casos, gostaria de mencionar a batalha que os físicos João Magueijo e Andrew

Albrecht, do
Imperial College, tiveram de vencer para conseguir publicar as

suas teorias inovadoras, mas polémicas, sobre a velocidade da luz variável

(VSL). No seu livro, “Mais rápido do que a própria luz”, João Magueijo conta-nos

que, após o artigo ter sido recusado pela revista
Nature, por um editor da

área de Física que ele classifica como “um atrasado mental de primeira”, ele e o

seu colaborador resolveram enviar o trabalho para a prestigiada revista
Physical

Reviews D
(PRD). Tratando-se de uma teoria que punha em causa a

relatividade restrita e conhecendo eu o conservadorismo que é habitual na

maioria dos revisores, não me espantou saber que o
referee recusou o artigo

com uma resposta dura e agressiva, chegando a pôr em causa o

profissionalismo dos autores. Felizmente, os autores tinham a segurança

intelectual própria dos livres-pensadores e dos cientistas que trabalham com o

entusiasmo de quem só lhe interessa resolver problemas verdadeiramente

interessantes. Encetaram então uma longa troca de correspondência com o

revisor que foi azedando e resvalando cada vez mais para o plano do insulto

pessoal e cada vez menos para uma discussão com conteúdo científico.

Magueijo considera que, apesar destes desenvolvimentos, eles até tiveram

sorte porque o editor da PRD resolveu acabar com a discussão e ser, ele

próprio, o
referee do artigo sobre a VSL. Fez-lhes saber que tinha reservas

relativamente ao trabalho mas trouxe a discussão para o plano científico. Após

_______________________________________________________________________________

"Métricas e peer review" - Teresa Alpuim (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)

Debate - A avaliação de desempenho nos Estatutos de Carreira - IST Lisboa - 27 de Janeiro de 2010

7

um longo processo de discussão em que o editor foi questionando a teoria em

vários aspectos e os autores a tentaram defender, incluindo uma ida do editor

ao Imperial College com uma troca de impressões bastante acesa, o editor da

PRD resolveu publicar o trabalho, ao fim de mais de um ano do envio da

primeira versão do artigo.

A aceitação após esta longa “batalha Guttenberg”, como o próprio João

Magueijo a classifica, deixou os autores muito contentes e pensando que as

suas aventuras com a publicação daquele artigo tinham terminado. No entanto,

pouco depois, realizaram que John Moffat, um Físico da Univeridade de

Toronto, tinha descoberto uma teoria sobre a VSL que, embora teoricamente

diferente, em substância era semelhante à deles. Moffat também tinha enviado

um artigo para a PRD que foi igualmente recusado. Após prolongada discussão

com o editor e os
referees, acabara por desistir e publicara o seu trabalho

numa revista pouco conhecida. Por isso, Magueijo e Albrecht desconheciam o

trabalho de Moffat. Este escreveu-lhes uma carta, muito magoado, pedindo que

o citassem. Também escreveu à PRD pedindo para suspender a publicação do

trabalho e ameaçando proceder legalmente por estarem a violar os direitos de

autor. Magueijo teve uma boa atitude relativamente a esta situação delicada:

escreveu a Moffat, pedindo-lhe desculpa e oferecendo-lhe a sua amizade. Como

o artigo ainda estava em fase de provas, podia acrescentar a citação de Moffat

e disponibilizou-se para acrescentar uma nota a explicar a situação. Semanas

mais tarde, Magueijo foi a Toronto visitar Moffat e tornaram-se amigos.

Segundo ele, as ideias de Moffat viriam a servir-lhe de guia. Hoje, já publicaram

um artigo em conjunto.

John Moffat é um Físico com uma carreira pouco convencional: abandonou a

pintura por falta de dinheiro e começou a estudar Física e Matemática sozinho.

Ao fim de um ano já trabalhava em problemas da Física difíceis e atraíu a

atenção de Niels Bohr, Erwin Schrodinger, Dennis Sciama, Fred Hoyle e Abdus

Salam. Sob a influência de Sciama, foi aceite como aluno de doutoramento em

Cambridge, orientado por Hoyle e Salam. Para além da VSL fez outras

contribuições importantes para a Física, nomeadamente, uma teoria

gravitacional não-simétrica, em continuação da teoria do campo unificado de

Einstein, e uma teoria do campo quântico não-local. Na sua juventude, Moffat

trocou correspondência com Einstein que ficou impressionado com o seu

talento e o apoiou no lançamento de uma carreira. Segundo Magueijo, Moffat

sempre manteve relações complicadas com diversas revistas científicas.

Felizmente, alguns cientistas estão-se a preocupar com as muitas falhas do

sistema de
peer review e procuram alternativas melhores para o processo de

publicação e de divulgação de novos conhecimentos. Em algumas áreas

organizam-se arquivos
Web onde os trabalhos são publicados garantindo os

_______________________________________________________________________________

"Métricas e peer review" - Teresa Alpuim (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)

Debate - A avaliação de desempenho nos Estatutos de Carreira - IST Lisboa - 27 de Janeiro de 2010

8

direitos de autor e permitindo uma discussão aberta. A Associação Europeia de

Geociências edita uma revista,
Ocean Science, em que as contribuições sofrem

um processo de arbitragem preliminar que verifica se o assunto se enquadra na

área científica da revista e se tem qualidade científica básica. O artigo é então

publicado
on-line para uma discussão aberta onde podem participar os referees

(anónimos ou não), o editor, os autores e também qualquer membro da

associação com pequenos comentários. Após esta fase, os autores podem rever

o artigo e o editor decide sobre a sua publicação, eventualmente, reenviando

para os mesmos ou outros árbitros. Outros editores estão a seguir este

exemplo, que me parece muito mais sério e construtivo.

Os sociólogos têm-se debruçado bastante sobre a questão da produtividade

científica e do processo de publicação. Mary Frank Fox, num pequeno artigo

intitulado “Disciplinary Fragmentation, Peer Review, and the Publication

Process”, publicado na revista
The American Sociologist, constata que os níveis

de publicação na Sociologia são mais baixos do que em outras áreas, no seu

entender porque a comunidade está fragmentada em grupos que não aceitam

facilmente as ideias e os métodos uns dos outros. Isto conduz a altos níveis de

rejeição e desmoraliza os potenciais autores. Segundo Fox, a solução para este

problema passa pelos editores darem directivas precisas de rigor e

imparcialidade aos
referees e organizarem processos de open discussion: “O

processo de revisão aberta desmistifica o processo de publicação tanto para os

neófitos como para os experientes, incentiva o sentido de responsabilidade do

revisor, e submete a inspecção dos pares ao escrutínio que a fará melhorar.

Além disso, a discordância entre os pares – especialmente em áreas de

investigação emergentes – pode ser “criativa” (Harnad 1979) e a discussão

pública activa, até acalorada, pode ajudar a construir, e reconstruir, ideias e a

sua fundamentação”.

É preciso avaliar? Talvez, mas com mais ciência e mais sensatez

É preciso tempo para reconhecer a importância de uma teoria ou de um

resultado. É preciso discussão honesta, reflexão. Os investigadores precisam de

tempo para pensar com tranquilidade, para experimentar coisas diferentes e,

mesmo, malucas. Precisam de espaço para trabalhar movidos pelo seu

entusiasmo e pela sua curiosidade. Não é possível fazer-se trabalho

verdadeiramente importante e inovador estando constantemente a ser

avaliado, permanentemente condicionado com metas quantitativas de

publicações e resultados. Essas metas e objectivos serão muito adequados para

a produção industrial ou para a actividade empresarial mas não têm nada a ver

com o processo da descoberta do conhecimento. Ainda segundo Lovelock, no já

referido artigo, “um acontecimento infeliz para a evolução quer do

_______________________________________________________________________________

"Métricas e peer review" - Teresa Alpuim (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)

Debate - A avaliação de desempenho nos Estatutos de Carreira - IST Lisboa - 27 de Janeiro de 2010

9

ambientalismo quer da ciência depois da Segunda Guerra Mundial foi a criação

da hegemonia americana. (...) O centro de poder deslocou-se, e com ele o

centro da evolução das ideias e da filosofia. (...) O vigor e o espírito de

competição da vida americana são muito recomendáveis, mas são desastrosos

para a ciência. Criaram uma ética que se estendeu a todo o primeiro mundo,

em que ganhar prémios e ser rico ou poderoso são os objectivos próprios de

uma vida dedicada á ciência. Numa vida científica ditada pela vocação, a fraude

é insípida e rara. Para os novos ases da ciência, a fraude é o caminho certo,

desde que não sejam detectados. A ciência actual assemelha-se à charada

degradante dos Jogos Olímpicos.” E porque não juntar, à charada ainda mais

degradante do actual sistema financeiro?

Dantes, os académicos publicavam porque sentiam que tinham qualquer coisa

de importante para apresentar à comunidade científica e gostavam que esta

reconhecesse o mérito do seu contributo. Hoje, muitos académicos publicam

porque precisam desesperadamente dessas publicações para manter o

emprego, para poderem continuar a investigar ou para serem promovidos e

ganharem mais dinheiro. E isto faz toda a diferença e é esta pressão que está a

corromper o processo de publicação e a discussão verdadeiramente científica

no seio da comunidade académica.

Nenhum sistema de avaliação sério e honesto pode deixar de incluir uma

análise rigorosa e reflectida do conteúdo dos trabalhos de um académico. E isto

leva tempo e dá trabalho, o que é contrário à ideia de permanente avaliação

que tende a recorrer a métricas que, por sua vez, são indutoras de vícios e de

uma comunidade científica disfuncional.


---------- Mensagem encaminhada ----------
De: Sindicato Nacional do Ensino Superior - Organização
Data: 1 de fevereiro de 2010 14:21
Assunto: Ensino_superior_ Comunicações sobre avaliação de desempenho no site do SNESup









Estão já colocadas no site do SNESup as comunicações apresentadas no Debate "A avaliação de desempenho nos Estatutos de Carreira" realizado no dia 27 de Janeiro no IST:





"Métricas e peer review", de Teresa Alpuim (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)







"Perfis: vários tipos de docentes", de Catarina Fernando (Universidade da Madeira)







"Avaliação pedagógica: garantia de qualidade ou apoio ao facilitismo ?" de José Moreira (Universidade do Algarve)




Justificar completamente


"Poder de decisão: Quem avalia ?", de António Vicente (Universidade da Beira Interior)







"Diferenciação e desempenho: Quando se justifica uma avaliação negativa ? Ou Excelente ?", de António Vicente (Universidade da Beira Interior)







"Testando a aplicação dos princípios a vários projectos de regulamento" (texto de apoio)








1-2-2010 "



_____________

enviado por: jose manuel Martins jmbmarte@gmail.com

com o título: Ensino_superior_ Comunicações sobre avaliação de desempenho no site do SNESup