I am not

I am not
quotation

domingo, 31 de maio de 2009

as cobras






Na procura de um animal moribundo

Rastejar

 

Uma planta de folhas longas, coladas

À areia

 

Uma planta moribunda, que já foi

Animal

 

Contorce-se, na berma dos desertos

A planta-animal

 

Rasteja-se, para a ver contra o fundo

O céu, o sal

 

A majestade da agonia fóssil,

Monumento

 

E o tempo passa nas franjas do chão

Rastejante

 

Junto ao corpo. Onde as nádegas

São ainda gomos

 

Antes de se entregarem à geologia

Do horizonte

 

À brutalidade do sol, à voracidade

Das linhas

 

Que aspiram a imagem irreversivelmente

para longe

 

E rastejamos, é um texto-animal que foge

para um lugar indeterminado

 

Horizonte, fóssil, planta rastejante

que se contorce

 

E debaixo da sua tortura, e debaixo

da sua agonia

 

Vivem as cobras do deserto

 

As cobras que não perdoam ao texto

a sua curiosidade

 

E espreitam o momento próprio

a última sílaba



_____________________________
Foto: Pascal Renoux (rep. aut.)

Texto: voj porto maio 2009

Alain Badiou: uma fonte de informações


Agradeço este elemento ao Gonçalo Velho, que tem sido meu cúmplice (no bom sentido, é claro) na constante busca de uma "razão de ser" para a vida nestes últimos anos, através do "deserto do real" que nos rodeia! 


Guy Debord - La Refutation PART 3/3



Source: http://www.youtube.com/watch?v=n3WSLlDk1j0

Guy Debord - La Refutation PART 2/3



Source: http://www.youtube.com/watch?v=JSnugAWh0so

Guy Debord - La Refutation PART 1/3



Réfutation de tous les jugements, tant élogieux qu'hostiles, qui ont été jusqu'ici portés sur le film 'La société du spectacle', di Guy Debord (1975).

Versione originale francese con sottotitoli in italiano

Source: http://www.youtube.com/watch?v=XTsv_lzkxDw&feature=related

Alain Badiou. Destruction, Negation, Subtraction. 2007 10/10



Alain Badiou. Destruction, Negation, Subtraction. 2007 9/10




Source: http://www.youtube.com/watch?v=4UD0Evk0vKc

Alain Badiou. Destruction, Negation, Subtraction. 2007 8/10




Source: http://www.youtube.com/watch?v=HYr7a8EfbUo

Alain Badiou. Destruction, Negation, Subtraction. 2007 7/10



Source: http://www.youtube.com/watch?v=IT61MzuAI28

Alain Badiou. Destruction, Negation, Subtraction. 2007 6/10




Source: http://www.youtube.com/watch?v=1ksFkXbyubI

Alain Badiou. Destruction, Negation, Subtraction. 2007 5/10



Source: http://www.youtube.com/watch?v=W2nKoCulbKc

Alain Badiou. Destruction, Negation, Subtraction. 2007 4/10



Source: http://www.youtube.com/watch?v=bRBi2ycUpjs

Alain Badiou. Destruction, Negation, Subtraction. 2007 3/10




Source: http://www.youtube.com/watch?v=O-M1BecxbAo

Alain Badiou. Destruction, Negation, Subtraction. 2007 2/10



Source: http://www.youtube.com/watch?v=CydZoYPZ8Jw&NR=1

Alain Badiou. Destruction, Negation, Subtraction. 2007 1/10






http://www.egs.edu/
Alain Badiou, Avital Ronnell talking about the process of negation, objectivity, creation, affirmation, subtraction and destruction as well as literature, poetry, music, Schoenberg, tonality, musical discourse, evolution, revolution, politics, and marxist ideology. Public open video lecture for the faculty and students of the European Graduate School, Media Studies Department Program, EGS, Saas-Fee, Switzerland, Europe, 2007. Alain Badiou, born 1937, in Rabat, Morocco is a prominent French Left-wing philosopher, former chair of Philosophy at the École Normale Supérieure ENS. Alain Badiou, Ph.D: Plato and Rene Descartes Chair at EGS, born in Rabat, Morocco in 1937, Alain Badiou was a student at the école Normale Supérieure in the 1950s. He taught at the University of Paris VIII (Vincennes-Saint Denis) from 1969 until 1999, when he returned to ENS as the Chair of the philosophy department. He continues to teach a popular seminar at the Collège International de Philosophie, on topics ranging from the great antiphilosophers Saint-Paul, Paul the Apostle, Friedrich Wilhelm Nietzsche, Ludwig Wittgenstein, Jacques Lacan to the major conceptual innovations of the twentieth century. Much of Badiou's life has been shaped by his dedication to the consequences of the May 1968 revolt in Paris. Long a leading member of Union des jeunesses communistes de France (marxistes-léninistes), he remains with Sylvain Lazarus and Natacha Michel at the centre of L'Organisation Politique, a post-party organization concerned with direct popular intervention in a wide range of issues including immigration, labor, and housing. He is the author of several successful novels and plays as well as more than a dozen philosophical works.
He is the author of Philosophy, Le concept de modèle 1969, Théorie du sujet 1982, Peut-on penser la politique? 1985, L'Être et l'Événement 1988, Manifeste pour la philosophie 1989, Le nombre et les nombres 1990, Conditions 1992, L'Éthique 1993, 2005, Deleuze 1997, Saint Paul. La fondation de l'universalisme 1997, 2002, Abrégé de métapolitique 1998, Court traité d'ontologie provisoire 1998, Petit manuel d'inesthétique 1998, D'un désastre obscur 1998, Logiques des mondes. L'être et l'événement, 2. 2006. Badiou wrote several dramas, critical or political essays including Rhapsodie pour le théâtre 1990, Beckett, l'increvable désir 1995, Le Siècle 2005; Literature and drama:Almagestes 1964, Portulans 1967, L'Écharpe rouge 1979, Ahmed le subtil 1994, Ahmed Philosophe, followed by Ahmed se fâche 1995, Les Citrouilles, a comedy 1996, Calme bloc ici-bas 1997; Théorie de la contradiction 1975, De l'idéologie, with F. Balmès 1976, Le Noyau rationnel de la dialectique hégelienne, with L. Mossot and J. Bellassen 1977, Circonstances 1 2003, Circonstances 2 2004, Circonstances 3 2005.
Several articles and essays have been translated into English: Art as a Place for Politics Video Pratt Institute, Brooklyn, 11/16, 2006, Truth Procedure in Politics Video Abreu Gallery, New York, 2006, Truth Procedure in Art Video Tilton Gallery, New York, 11/17, 2006, Jacques Lacan's Seminar On Anxiety Video The Drawing Center, New York, 2006,The Contemporary Figure of the Soldier in Politics and Poetry, UCLA, Destruction, Negation, Subtraction Art Center College of Design Pasadena,The Uses of the Word Jew, The Adventure of French Philosophy, Behind the Scarfed Law, There is Fear On the French headscarf ban, Bodies, Languages Truths, The Cultural Revolution: The Last Revolution, Democratic Materialism and the Materialist Dialectic, The Desire for Philosophy and the Contemporary World, Destruction, Negation, Subtraction on Pier Paolo Pasolini, Eight Theses on the Universal, An Essential Philosophical Thesis: It Is Right to Rebel against the Reactionaries, The Event in Deleuze, Fifteen Theses on Contemporary Art, The Formulas of L'Etourdit, The Factory as Event Site, Further Selections from Théorie du sujet on the Cultural Revolution, Highly Speculative Reasoning on the Concept of Democracy from Metapolitics, Lacan and the Pre-Socratics, A Musical Variant of the Metaphysics of the Subject, Number and Numbers, On the European Constitution, On the Truth-Process, One Divides into Two On Lenin, Philosophical Considerations of the Very Singular Custom of Voting, Philosophy as Creative Repetition, Philosophy and Politics, The Political as a Truth Procedure from Metapolitics, Politics: a Non-expressive Dialectics, The Scene of Two English translation from De l'amour, Selections from Théorie du sujet on the Cultural Revolution, The Subject of Art Deitch Projects, New York, 1 April 2005, The Triumphant Restoration, What Happens On Beckett, What is to be Thought What is to be Done On the 2002 French elections; written by Badiou Sylvain Lazarus and Natasha Michel, A Musical Variant of the Metaphysics of the Subject, The Event in Deleuze, What is a Philosophical Institution, What is Love.


Source: http://www.youtube.com/watch?v=zefBDXmoQaE


Alain Badiou - BBC HARDtalk (3/3)



Source: http://www.youtube.com/watch?v=9zOjSYM_H48&NR=1

Alain Badiou - BBC HARDtalk (2/3)



Source: http://www.youtube.com/watch?v=1OTfbvwrQW0&NR=1

Alain Badiou - BBC HARDtalk (1/3)



In a BBC HARDtalk interview broadcast on 24 March 2009, Stephen Sackur talks to French socialist philosopher Alain Badiou. As the world's richest economies plunge deeper into recession could there be a whiff of revolution in the air? Alain Badiou has been an intellectual hero of France's anti-capitalist left since the Paris street protests of 1968. His recent book 'The Meaning of Sarkozy', in which he attacked the French President, has caused a storm in France. But does anyone beyond Parisian café society believe communism is the answer to the current crisis?

Source: http://www.youtube.com/watch?v=qeGo9SQxOwg

sábado, 30 de maio de 2009

Recuerdos: alguns arqueólogos na Praça Maior de Salamanca, um dos nossos locais míticos


Ana, Lurdes, Susana, Sérgio, Lídia e eu


eu e o Gonçalo


Fotos Leonor S. P., 2003


Alain Badiou, Carlos Vidal, e outros



Um livro muito interessante (pena na terceira parte se "perder" um bocado...ah, como é difícil a estruturação prolongada de um discurso coerente... há a partir desta parte alusões a múltiplos autores sem uma articulação clara) e que pode "servir" como uma introdução possível a aspectos do complexo pensamento de Alain Badiou, filósofo francês absolutamente fundamental (traduzido parcialmente em Portugal, mas algumas traduções são infelizmente de má qualidade):

Carlos Vidal,
"SOMBRAS IRREDUTÍVEIS. ARTE, AMOR, CIÊNCIA E POLÍTICA EM ALAIN BADIOU"
Lisboa, Edições Vendaval, s/d
(2005?)

ver sobre esta pequena mas EXCEPCIONAL editora, em: http://www.edicoes-vendaval.pt


Badiou, Zizek, Lacan... autores que, em certos sentidos, pertencem a uma mesma "família"... contra toda a traição da indiferença ao(s) acontecimento(s)...
Acontecimento, palavra-chave de Badiou.

_________

Da página web da editora:

"SOMBRAS IRREDUTÍVEIS

ARTE, AMOR, CIÊNCIA E POLÍTICA EM ALAIN BADIOU

Carlos Vidal

Analisa-se logo de início o eixo central da filosofia de Alain Badiou: a relação “acontecimento-verdade”, ou melhor, a inevitável eclosão de “acontecimentos” e “verdades”. Estes termos enfatizam o carácter clássico desta filosofia – neste ponto, a referência central é Platão, de quem Badiou herdará uma da suas militâncias: a oposição sem concessões entre verdade e opinião.

Depois, surge a definição de situação como ponto de partida para entendermos a irrupção de um acontecimento, porque em toda as situações há um potencial de inovação-transformação; o acontecimento surge precisamente daí, enquanto força de transformação que escapa ao conhecimento.

Como se afirmou, o acontecimento é o par da verdade. Uma verdade nasce sempre de um acontecimento (...)

Por fim, estudar-se-ão as consequências deste sistema – da ética à estética, passando pela política e por propostas de leitura da arte mais recente.

(Carlos Vidal é professor da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa)

(213 páginas; 18 €)"

___________________

Nota: Badiou (um dos quatro grandes autores franceses que arrancam de Althusser, seg, Zizek - Balibar, Rancière, Laclau, e Badiou) não é fácil, particularmente o seu livro "Ser e Evento" (eu tenho a tradução inglesa, o que não me facilita as coisas). Leia-se por exemplo o que sobre ele brilhante e claramente escreve Slavoj Zizek em "The Ticklish Subject".
Este livro é importantíssimo. Quem diz que o Zizek é uma espécie de Elvis da filosofia, diz uma palermice total e é digno de dó. Zizek é reconhecidamente um grande filósofo contemporâneo, e, para usar um vocabulário/conjunto de conceitos de Badiou, um evento, e que, tal como todo o evento, é a "verdade "do que está para trás (em termos comuns, desvela ou permite compreender retrospectivamente alguma ou muita da filosofia anterior, neste caso). O que se passa é os (6?) livros do Zizek publicados em Portugal não são os seus livros principais do ponto de vista filosófico.

Por exemplo, o Evento que foi a Revolução Francesa era em última análise imprevisível mas, ao eclodir, funciona como "revelador" da situação já insuportável do Antigo Regime como Ser, ou seja, permite perceber a sua verdade (tornada obscena, diria eu).




sexta-feira, 29 de maio de 2009

Shaping the Heritage Science Community

Shaping the Heritage Science Community:
A Symposium of the Science and Heritage Programme Research Clusters

Monday 22nd June and Tuesday 23rd June 2009
Conference Aston, Aston University, Birmingham

An exciting two-day symposium featuring keynote speakers, contributions
from the 13 Science and Heritage Programme research clusters,
discussions and networking opportunities. An evening reception will be
held at Soho House and there will also be the opportunity to visit the
exhibition Matthew Boulton: Selling What all the World Desires at the
Birmingham Museum and Art Gallery Gas Hall.

Attendance including lunch, refreshments, reception and exhibition are
free of charge, but participants must make their own arrangements for
transport and accommodation.

Additional information, including a programme and registration form, can
be found here: www.heritagescience.ac.uk

To register please fill out and return a booking form either by email or
post to the address below.


Debbie Williams
AHRC/EPSRC Science and Heritage Programme Coordinator
Centre for Sustainable Heritage
Bartlett School of Graduate Studies
Torrington Place Site
University College London
Gower Street
WC1E 6BT

DD: 020 7679 1674
Web: www.heritagescience.ac.uk

Source: WAC list

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Baudrillard: nostalgia e sentimento apocalíptico... há um fundo de ingenuidade filosófica neste autor... parece-me


"Outras culturas e outras metafísicas revelam-se, sem dúvida, menos abaladas por esta evolução [a reflexão do autor vem a propósito do "caos"], porque não tiveram a ambição, a exigência ou o fantasma de possuir o mundo e de o analisar para o dominar. Mas, como pretendemos [nós, ocidentais] dominar o conjunto dos postulados, é evidentemente o nosso sistema que nos faz avançar para a catástrofe."


Jean Baudrillard

"Palavras de Ordem", Porto, Campo das Letras, 2001 (orig. francês de 2000), p. 44.


tourada


Estuda pré-história para perceber quem foste e portanto quem és.

Mas a pré-história é apenas um capítulo da história.
Estuda filosofia para perceberes como apareceu a ideia de história.
Mas a filosofia é apenas uma coisa dos últimos milénios. E antes?
Estuda a pré-história da nossa filosofia para perceberes como começámos a inventar há milénios os problemas que nos embaraçam.
Mas, e os outros, os que pensam de modo diferente de nós, e se estão marimbando para a nossa filosofia?
Estuda antropologia e logo verás o que fazem e dizem.

Mas a antropologia foi inventada por nós para representarmos os outros...
Pois é, não consegues sair da arena em que estás. Tu queres é fazer um número e ter aplausos.

E isso é solução?
É, até chegar o touro que te há-de dar o triunfo e a morte. No mesmo acto.

Que pouca sorte ter nascido... e ainda me pedem para venerar os progenitores... e o progenitor mestre disto tudo.
Está calado e continua sempre a agradecer as palmas. Faz assim com o braço e com o chapéu de três bicos. O espectáculo continua, e as pessoas pagaram bilhete não para verem tipos aqui parados a um canto em traje de luzes a debaterem estas questões, mas para verem sangue, emoção, espectáculo, para poderem abrir as gargantas muito e gritar até ficarem roucas. Querem acontecimento, que é o que nos resta.
Ok. Mas nós somos acontecimento?
Desde que consigamos convencer os outros e convencer-nos a nós, somos. É preciso é atrair a atenção. Andam para aí uns a dizer que os acontecimentos fizeram greve, mas esses são uma minoria e são chatos.
Ah, então é bom acontecer. Toca a acontecer.

Será possível pensar e viver na multiplicidade?

"(...) Somos modelados por ma filosofia geral da unidade (...)"
J. Baudrillard, Palavras de Ordem", Porto, Campo das Letras, 2001, p. 61.
_______
"Porque o pensamento não actua na identificação das coisas, como o pensamento racional, mas na sua desidentificação, na sua sedução, isto é, no seu desvio, apesar da vontade fantasmática de unificar o mundo sob a sua capa e em seu nome."

idem, ibidem, pp. 64-65




Creio que um problema essencial é o da unidade, o do desejo último que nos trabalha que é o de reduzir o múltiplo e aberto ao uno e fechado, completo - em suma, o de passar pela (ultrapassar a) análise para desesperadamente construir a síntese, a explicação, o princípio de ordem. Aceitar a óbvia complexidade e multiplicidade do mundo é ainda um passo para esse horizonte de unidade, de completude, que é a nossa utopia por excelência. Com todas as tensões e dialécticas pelo meio...
O Uno, todas as suas facetas se apresentam constantemente; todas as dialécticas visam de certo modo um consenso, uma explicação, um acordo, um término do diferendo. Nós sofremos com as metamorfoses da realidade, queremos encontrar algo de fixo para além da aparência, procuramos uma razão, a razão, um princípio unificador. De outra maneira sentir-nos-íamos à deriva e parecer-nos-ia ser impossível construir comunidade, sociedade, que aparenta ter de se basear num consenso mínimo, nem que seja no da impossibilidade de consenso e portanto no do conflito potencial ou em acto. Mesmo quando nos aparece um pensamento desconstruidor, que demole algumas das nossas convicções, logo aos seus críticos se apressa a dizer: atenção, as polaridades fixas (sejam o sujeito, sejam a realidade, sejam o real, sejam a transcendência, seja o que for) não são mais do que um efeito do discurso, da linguagem - mas no fundo o que eu procuro, através da diferença, é algum "depósito", ou resto, que lhe resista, mesmo que evanescente. E se eu digo que a repetição cria diferença, eu estou ainda a tentar discernir as molduras dessa diferença, estou a tentar abarcar numa síntese esse vazio de realidade ainda não conceptualizado ou simbolizado. É como um oleiro que fizesse um vaso à mão e ele, vaso, nunca deixasse fechar a pança, o corpo, por forma a ser um contentor perfeito. Nós ambicionamos caixas, arrumação, e mesmo a desarrumação que é ainda um último avatar da arrumação, a exposição nostálgica ou cínica da sua impossibilidade.

Criar conceitos, estabelecer sistemas de conceitos, chegar a conclusões, fechar sistemas... e, contraditoriamente, quando nos dizem que circulamos dentro de um anel de Moebius (ele próprio o símbolo da completude) sentimo-nos asfixiados. Nós queremos poder subjectivar-nos como sujeitos livres, sabendo bem que essa liberdade é uma ilusão desejada como tal, porque a liberdade total seria a que se acercaria do sublime insuportável, seria a morte. Ou seja, a liberdade estabelece-se sobre um pano de fundo de normas, a diferença sobre um pano de fundo de referentes... mas se todos eles são também construções inestáticas, fluidas, como fazer? É possível um pensamento da diferença radical, da que se liberte do mito do primitivo (da origem - do éden - do ser humano colado à vida, vivendo no pleno usufruto do não pensar, da despreocupação) e de uma teleologia regeneradora, escatológica? É possível fugir ao tempo da história, da biografia? É possível uma ontologia do fragmento e da aparição como tal, sem re-presentação? É possível uma existência sem a estabilidade de referências fixas, sem cordões umbilicais?
É possíver vermo-nos livres deste projecto totalizante da modernidade ocidental (uma realidade sem restos) sem cairmos nas filosofias orientais da diluição do ser? Ou nas suas caricatas adopções ocidentais de tipo new age, ou outra ridicularia assim? Como orientar a nossa vida na multiplicidade, sem nos perdermos?
Creio que essa ontologia não existe.
A ontologia do uno está inscrita na linguagem (essa aliás tem sido a questão das feministas, como aliás de todo o projecto antropológico, que nada tem de inocente na sua abertura ávida e tolerante: sim digam-me quem são para eu, compreendendo-vos, ó vós que sois outros, vos poder absorver... isso já começou com os missionários do "ultramar"...).
Mas quem poderia garantir ser impossível?
Que filósofos me corrijam ou ajudem, por favor. E se tiver dito disparates, aqui está a mão para a palmatória.

Conhecem este site?

Interessantes os resultados para Portugal...


http://www.parlorama.eu/en/european-deputies-portugal/0-0-0/


Agradeço a informação à JP

Ainda sobre Darwin



(Clique na imagem para ampliar)

desafio


Vou fazer aqui um concurso.

Às 5 pessoas que me enviarem um comentário mais interessante (não precisa de ser elogioso... não é nada disso) sobre este blogue, para aqui, prometo-lhes uma surpresa boa.
Que raio, passei o dia a ler, tenho amigos no facebook, tenho mais de 1000 amigo(a)s no hi5, e não vejo coisa escrita que valha tanto suor...
Assim, narciso, recorro a este espaço para compensar tanto silêncio. É só gente a pedir-me coisas em catadupas de mails... apre!
Escrevam...desenvolvam! Obrigado! Já postei aqui vários milhares de mensagens (quase 5000 desde Janeiro de 2007). Mereço...



pensée et vérité




"La pensée ne s' échange pas contre la vérité."


Jean Baudrillard




quarta-feira, 27 de maio de 2009

Recomendo vivamente


Este DVD

Mots de Passe - uma longa entrevista (90 m.) com Jean Baudrillard, editada em DVD já em 2008 (Doriane Films, Paris)
Realizado por Pierre Bourgeois, segundo uma concepção de Leslie F. Grunberg

Ver:

Temas- tópicos tratados, de uma maneira simples e cativante:

OBJECTO
SEDUÇÃO
VALOR
TROCA (ÉCHANGE) IMPOSSÍVEL
OBSCENO
VIRTUAL
TROCA (ÉCHANGE) SIMBÓLICA
TRANSPARÊNCIA DO MAL
FIM
CRIME PERFEITO
DESTINO
DUALIDADE
PENSAMENTO


Já tinha ouvido este DVD mas tenho estado toda a tarde a ouvi-lo e a tirar notas...16 páginazitas...
No livrinho "Palavras de Ordem" (Porto, Campo das Letras, 2001) encontram-se praticamente os mesmos conceitos, pelo que livro (talvez ainda se encontre na feira do livro, porque a editora infelizmente faliu) e o DVD (que já tinha saído antes em VHS) se completam. Parecem aliás saídos do mesmo projecto.


Jean Baudrilliard: sobre a fotografia, as imagens "que nos vêem"... um interessante pequeno filme...

INAUGURAÇÃO OFICIAL DO CENTRO INTERPRETATIVO DO CRASTO DE PALHEIROS – MURÇA



INAUGURAÇÃO OFICIAL DO CENTRO INTERPRETATIVO DO CRASTO DE PALHEIROS – MURÇA

 

Dia 2 de Junho (3ª-feira)

 

 

 

PROGRAMA GERAL:

 

 

Ø    11H00 – Concentração no Crasto

Ø    11H30 -  Recepção oficial a S. Exa. o Sr. Ministro da Cultura e diversas entidades

Ø    11H45 - Apresentação oficial da Monografia: “ O CRASTO DE PALHEIROS”, coordenada pela Prof.ª Dra. Maria de Jesus Sanches, Professora da Faculdade de Letras da Universidade do Porto e Investigadores do CEAUCP.

A sessão oficial de apresentação é formalizada através de uma comunicação efectuada pelo Sr. Prof. Dr. João Pedro Cunha-Ribeiro, Professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e Vice-Presidente do IGESPAR.

Ø    12H45 – Visita ao Sítio Arqueológico do Crasto de Palheiros

Ø    13H00 – Almoço/Convívio no Santuário de S. Bartolomeu

 

 

 

Nota: Integrado nesta cerimónia a Câmara Municipal de Murça promove diversas actividades para as crianças do concelho de Murça, no âmbito das comemorações do Dia Mundial da Criança.



____________________________________________

Dou os parabéns à minha amiga e colega Profa Maria de Jesus Sanches por este feito, que sei que lhe ocupou anos de trabalho e provocou muitas canseiras. É uma lutadora.

VOJ



Seminário em Arouca


(Clique na imagem para aumentar e ver os contactos)


About Simone de Beauvoir

Birkbeck Institute for Social Research

Penelope Deutscher 
'Unbecoming: Beauvoir on the Age of Sex and the Sex of Age'

Penelope Deutscher will discuss her highly original reading of Simone de Beauvoir, drawing on her book The Philosophy of Simone de Beauvoir: Ambiguity, Conversion, Resistance. Here she situates Beauvoir’s work on gender in the often-overlooked context of embodied time, ageing, generational difference, and race. By differentiating these aspects of otherness, Beauvoir’s writing on gender revisits some of the concepts of reciprocity and ethics for which she is best remembered.

Penelope Deutscher has written several books on twentieth century French Philosophy and the Philosophy of Gender, She is Professor of Philosophy at Northwestern University, USA. 

Tuesday 9th June 6.30 pm Room 538 Birkbeck Main Building

Sponsored by BISR, School of Psychosocial Studies, School of Law, Birkbeck.

Free and open to all


Julia Eisner
Administrator
Birkbeck Institute for Social Research 
Birkbeck, University of London
Malet Street
London WC1E 7HX

T: (0) 20 3073 8363
F: (0) 20 3073 8359


Os Passos do Homem como Restolho do Tempo. Memória e Fim do Fim da História.

Novo livro de Fernando Catroga

Editado pela Almedina, acaba de sair o novo livro de Fernando Catroga intitulado Os Passos do Homem como Restolho do Tempo. Memória e Fim do Fim da História.

Sem esquecer o esquecimento, este estudo versa sobre os problemas da memória, da historiografia e das grandes narrativas que, desde a consciência mítica, a teologia cristã e as teorias ocidentais modernas acerca do sentido do devir, têm descrito origens e caminhos para o tempo histórico. Encontrar diferenças e afinidades entre estes três modos de representar o passado é o seu objectivo. A que se junta um outro, não menos fundamental: defender que, na contemporaneidade, não se assiste ao fim da história, mas ao fim das concepções que ditaram o fim da história. E, na senda de Heraclito e de Ernst Bloch, tudo será feito à luz deste alerta deixado ao leitor: se não esperares o que não se espera, não encontrarás o inesperado.

FERNANDO CATROGA é professor catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra e especialista em história das ideias e em teoria da história. Dos inúmeros escritos de que é autor, destacam-se os livros O Céu da memória. Cemitério romântico e culto cívico dos mortos, Coimbra, Minerva, 1999, e Entre Deuses e Césares. Secularização, laicidade e religião civil, Coimbra, Almedina, 2006.

Fonte: list histport

terça-feira, 26 de maio de 2009

Darwin discutido em Lisboa






(Clique nas imagens para aumentar)


Baudrillard... uma dica

No meu livro "Fragmentos, Memórias, Incisões" (Lisboa, Colibri, 2006) ... os interessados podem encontrar (pp. 169-188) um glossário de alguns termos do pensador francês Jean Baudrillard, retirado de "Para Uma Economia Política do Signo", devidamente autorizado pelas Edições 70, que publicaram este livro que tanto me marcou... Levou-me mais de um mês a feitura desse glossário...
Jean Baudrillard foi um dos autores que me influenciou precocemente, porque já na minha tese de licenciatura citei o seu livro O SISTEMA DOS OBJECTOS, que me fascinou, porque de certo modo intui que ao falar da sociedade contemporânea polvilhada de objectos-signo o JB estava a falar da realidade que eu começava a viver como arqueólogo: uma realidade polvilhada de objectos que se me furtavam a um discurso historicista continuista... Isto é, que apontavam já para uma reflexividade crítica sobre o que eu andava a querer fazer.
O arqueólogo é uma espécie de consumidor de objectos do passado, e nesse sentido muito próximo de si mesmo como consumidor no supermercado... Por alguma razão também um dos livros de Baudrillard mais antigos e interessantes é A SOCIEDADE DE CONSUMO (edições 70 também). Na minha juventude, tive a percepção de que a sociedade que fabricava arquelogia era a mesma que fabricava outros produtos de consumo, distanciando-me assim de um discurso ingénuo de reconstituição do passado tout court...
Enfim, talvez esteja a encontrar no meu trabalho coerências retrospectivas, numa atitude auto-complacente!...

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Edgar Morin: intervenção pertinente

Já fui, há muitos anos, mais "adepto" deste autor do que sou. Mas não deixa de ser pertinente o que vem noticiado sobre ele. Um homem que com 88 anos ainda tem lucidez que falta a muitos mais novos. Transcrevo abaixo.
VOJ




Edgar Morin defende «reforma radical» nas universidades e escolas
É preciso ensinar «os enganos, ilusões e erros que partem do próprio conhecimento»
2009-05-22

O filósofo e sociólogo Edgar Morin, que hoje participa em Viseu num colóquio sobre Educação promovido pelo Instituto Piaget, defende uma "reforma radical" do modelo de ensino nas universidades e escolas, salientando a necessidade de acabar com a 'hiperespecialização'. "Temos a necessidade de reformar radicalmente o actual modelo de ensino nas universidades e escolas secundárias. Porquê? Porque actualmente o conhecimento está desintegrado em fragmentos disjuntos no interior das disciplinas, que não estão interligadas entre si e entre as quais não existe diálogo", sublinha, em entrevista à Lusa.

O filósofo francês considera que o modelo actual leva a "negligenciar a formação integral e não prepara os alunos para mais tarde enfrentarem o imprevisto e a mudança".


Edgar Morin, de 88 anos, critica, por exemplo, que nas escolas e universidades "não exista um ensino sobre o próprio saber", ou seja, sobre "os enganos, ilusões e erros que partem do próprio conhecimento", defendendo a necessidade de criar "cursos de conhecimento sobre o próprio conhecimento".

Lamenta, igualmente, que a "condição humana esteja totalmente ausente" do ensino: "Perguntas como 'o que significa ser humano?' não são ensinadas", critica.

Por outro lado, acredita que a "excessiva especialização" no ensino e nas profissões produz "um conhecimento incapaz de gerar uma visão global da realidade", uma ‘inteligência cega’".

"Conhecer apenas fragmentos desagregados da realidade faz de nós cegos e impede-nos de enfrentar e compreender problemas fundamentais do nosso mundo enquanto humanos e cidadãos, e isto é uma ameaça para a nossa sobrevivência", defende.

"Está demonstrado que a capacidade de tratar bem os problemas gerais favorece a resolução de problemas específicos", garante Morin, lembrando que a maioria dos grandes cientistas do século XX, como Einstein ou Eisenberg, "além de especialistas, tinham uma grande cultura filosófica e literária".

"Um bom cientista é alguém que procura ideias de outros campos do conhecimento para fecundar a sua disciplina", afirma, sublinhando que "todos os grandes descobrimentos se fazem nas fronteiras das disciplinas".

Garante também que "apesar de em muitas universidades norte-americanas existir maior flexibilidade no que toca ao modelo de ensino", nos Estados Unidos existe o "mesmo problema que na Europa".


Fonte: http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=31878&op=all

domingo, 24 de maio de 2009

ao nosso gato lucindo


tu, que me ajudaste a ter uma vida mais feliz, olhas-me agora atarantado, como que a dizer: por que estou a desaparecer? O teu olhar é quase insuportável, como o é o tempo de uma longa despedida. Não te posso sequer explicar que te toma progressivamente uma moléstia contra a qual lutámos, mas nada mais se pode fazer. Resta-nos olhar-te, olhar o teu olhar, e agradecer-te. Porque mesmo nessa antecipação do teu desaparecimento ensinas-me, sem quereres nem saberes, a ver o meu próprio desaparecimento. Foste-me sempre, muitas vezes, mas pelo menos estas duas vezes (a da tua vida e a da tua morte), muito útil (no sentido mais profundo desta palavra), sem sequer o suspeitares. Mas não entendes o meu próprio reconhecimento: e esta é toda a barreira incomensurável entre nós.
"Adieu", Lucindo. Em breve não haverá mais "au revoir". Nem sequer um sítio onde visitar os teus restos. Nem está prevista, na ridicularia do juízo final, qualquer encontro entre nós. É irrevogável. E essa irreversibilidade, dói, não é pensável nem sentível. Dói mesmo. Pego em ti e sinto que não passas já de um resto. Um resto com um olhar muito aberto, muito aberto, nesse vão que cada dia se estreita entre a tua presença e a tua ausência.


vária, ao correr das teclas


O equilíbrio afectivo das pessoas depende muito de uma variedade de factores contingentes, mas é muito importante que na constituição da subjectividade haja sempre um programa ou projecto pessoal não utópico, isto é, algo a que a pessoa se vá "fazendo a" (como o pegador "se faz" ao touro), no sentido de dominar as forças que tendem a arrasar o sujeito.
A afeição em excesso prestada aos nossos animais de companhia, que estão sujeitos a doenças e a uma vida muito mais curta do que a nossa (em princípio), é, mais cedo ou mais tarde, uma tremenda fonte de sofrimento quando transferimos para eles a frustração inerente ao próprio viver, a esta convivência com o vazio e a solidão que é a vida.
Zizek disse algures que a(o) companheira(o) ideal é aquela(e) que nos permite viver a nossa inabalável solidão.
Disse também que um casal, que uma união afectiva estável entre duas pessoas só se realiza quando, para além do "amor" (?!) exista um projecto comum. Sem esse projecto comum, que nada tem a ver com afeições amorosas, tudo o resto não se aguenta. Na impossibilidade, para muitos casais, de construirem esse algo em comum que escape à inescapável rotina está, ou estava, parece-me, a necessidade de preenchimento do vazio a que correspondia a quase obrigação social e institucional de um casal ter filhos. Prendendo o casal a uma responsabilidade que era produto do próprio acasalamento, os filhos eram, por assim dizer, o álibi ideal, socialmente encarecido, para o casal se manter, mesmo na hipocrisia da maior ou menor indiferença mútua (da inexistência de um "projecto" partilhado, alvo de constante disputa, mas partilhado) e da correspondente infidelidade escondida. O importante era o aspecto institucional da família. Mas a própria passagem da sociedade disciplinar a uma sociedade de controlo (muito mais disciplina sob a fachada hedonista da tolerância hipócrita) a família tradicional tendeu a tornar-se um escolho tão grande ao capitalismo como outrora as fronteiras regionais anteriores aos estados nação. Hoje, a palavra de ordem é fluir e fruir. Fruir quem pode e enquanto pode, e fluirem para fora dos empregos cada vez mais pessoas todos os dias. Que se amanhem. As pessoas, reduzidas a mão de obra, tornaram-se agora excedentárias para o sistema liberal que tomou conta do mundo até mais ver.
Foi todo um equilíbrio precário que se rompeu, não se sabendo que formas dominantes (e muito variadas) vão assumir as relações de vida íntima em comum... entretanto, as pessoas têm todas cada vez mais "pets"... e sofrimentos inevitáveis aquando do seu desaparecimento. E cada uma vai fazendo o luto como pode... o sofrimento, a culpa interiorizaram-se, requintaram-se.
Quanto aos jovens, com felizardas excepções (há sempre sobreviventes das piores catástrofes, até agora) estão noutra: conscientes do desequilíbrio geral (não só da "economia" estrita, mas da economia libidinal a ela ligada, ou seja, da total obscenidade da sociedade que os produziu - precisamente, já não é uma sociedade, já não é uma comunidade, mas um conjunto de tribos à deriva, de sujeitos vazios) entraram numa de indiferença e de "curtição do instante", numa espécie de resistência passiva a uma sociedade louca, para evitarem a loucura. Compreendo-os, compreendo-os muito bem, eu que ainda sou do tempo em que podíamos ter ilusões de forjar consistentemente a ilusão de um programa de vida.
Hoje li ("Actual" do Expresso de ontem) que o escritor light Paulo Coelho (creio que o autor mais vendido no mundo, o que nos diz bem o que é o "mundo") tem agora uma biografia que ele confiou a um indivíduo que, a priori, não iria incensá-lo. Manobra esperta. Porque se viesse uma biografia morna, ou aduladora, seria mais um "livro paulo coelho", mais do mesmo, que é já muito. Não. Parece que é uma obra (com a qual desde já confesso não pensar perder mais tempo do que nesta referência) que mostrando a acidentada vida do autor, e como ele, apesar disso tudo, conseguiu ser o que é (rico, famoso, conhecido, lido), acabará por se tornar, quase de certeza, mais um "best seller", a acrescentar aos muitos do biografado, dando-lhe uma apreciável mais-valia. E assim vai o mundo...(que remate tão pouco imaginativo... bem, deixa-me voltar ao Zizek).